ASSINE

Maioria dos deputados do ES perde eleição para prefeito e continua na Assembleia

Dois deputados estaduais disputam o segundo turno nas eleições 2020. Outros oito foram derrotados nas urnas. Um deputado federal também está no segundo turno. Veja os nomes

Vitória
Publicado em 17/11/2020 às 17h09
Atualizado em 17/11/2020 às 18h59
Deputados estaduais foram candidatos nas eleições 2020 mas não tiveram sucesso nas urnas
Deputados estaduais foram candidatos nas eleições 2020, mas não tiveram sucesso nas urnas. Crédito: Montagem/Ales

As urnas não foram generosas com oito dos 11 deputados estaduais que disputaram prefeituras em municípios do Espírito Santo. Eles tentaram ser eleitos em VitóriaVila VelhaSerraGuarapari e Linhares. Apesar da derrota, não têm muito o que perder. Eles foram eleitos em 2018, assumiram o mandato no início de 2019 e agora continuam nas cadeiras de deputado estadual até 31 de janeiro de 2023. A maioria não se licenciou para fazer campanha, tentando conciliar as duas agendas: a de candidato e a de deputado.

Seguiram para o segundo turno apenas os deputados Euclério Sampaio (DEM), que concorre em Cariacica, e Lorenzo Pazolini (Republicanos), que disputa em Vitória. Ambos foram os mais votados em cada município. Em comum também têm o partido adversário. Euclério vai enfrentar Célia Tavares e Pazolini, João Coser. Célia e Coser são filiados ao PT.

Dos 11, apenas um já saiu vencedor: Enivaldo dos Anjos (PSD). O deputado vai deixar seu quinto mandato na Assembleia para assumir a Prefeitura de Barra de São Francisco, a qual conquistou com mais de 15 mil votos, 69,07% dos votos válidos. Quem assume a vaga no parlamento é o 1º suplente, o ex-deputado estadual Luiz Durão (PDT). Durão chegou a ser preso em flagrante em 2019, acusado do crime de estupro, mas foi absolvido em segunda instância na última quarta-feira (11).

A Serra foi a cidade mais disputada por parlamentares estaduais. Concorreram lá Vandinho Leite (PSDB), Alexandre Xambinho (PL) e Bruno Lamas (PSB), nenhum foi para o 2º turno. O vereador Fabio Duarte (Rede), candidato apoiado pelo atual prefeito, Audifax Barcelos (Rede), enfrenta no próximo dia 29 o deputado federal Sergio Vidigal (PDT).

Vandinho recebeu 35.838 votos (16,87%). Xambinho teve 11.931 (5,62%) e Bruno Lamas, 10.899 (5,13%). Bruno foi o único parlamentar que pediu licença para se dedicar à campanha.

Hudson Leal (Republicanos) foi o único deputado estadual que concorreu à Prefeitura de Vila Velha. Durante a pré-campanha, e até nas convenções partidárias, seus colegas de Assembleia Dr. Hércules (MDB) e Rafael Favatto (Patriota) também se colocavam na disputa, mas as candidaturas acabaram não se confirmando. Hudson, no entanto, não teve o apoio de nenhum dos dois companheiros de Casa, que optaram por ficar com Neucimar Fraga (PSD). Neucimar ficou em 3º lugar na disputa.

Hudson acabou em 6º, com 6.499 votos, o que  representa 3,2% dos votos válidos.

A BRIGA PELO 2º TURNO EM VITÓRIA

Quem acompanha as sessões da Assembleia Legislativa pode perceber que, por mais que em alguns momentos os deputados discordem e se ataquem, no geral o clima é amistoso. Mesmo em momentos de tensão, os parlamentares se dirigem uns aos outros como "vossa excelência" e é comum ver piadas e brincadeiras que rendem risadas de todos, independentemente do espectro político. 

O clima não foi o mesmo entre os deputados que disputavam a Prefeitura de Vitória durante a propaganda de TV e rádio. Pazolini (Republicanos) e Gandini (Cidadania), que não tinham embates marcantes no plenário, trocaram farpas e acusações durante a campanha eleitoral, ainda que não no parlamento. 

A disputa foi acirrada até o final. Pazolini foi para o segundo turno com 53.014 votos  (30,95%) e Gandini, com 36.172 (21,12%) acabou ficando fora da disputa. Quem enfrenta Pazolini na segunda etapa é o ex-prefeito João Coser (PT).

Quem também concorreu na Capital foi o deputado Capitão Assumção (Patriota). Colocando-se como o candidato bolsonarista na disputa, ele teve 7,22% dos votos válidos, somando 12.365 votos. 

CAMPANHAS SEM SUCESSO NO INTERIOR

Houve, ainda, deputados concorrendo em outros municípios. Carlos Von (Avante) tentou pela terceira vez conquistar o cargo de prefeito de Guarapari, mas perdeu para o atual prefeito, Edson Magalhães (PSDB). Edson teve  23.068 votos (36,76%) e Von,  20.453 (32,60%). O parlamentar também concorreu em 2012 e 2016.  Em 2016, perdeu por 154 votos.

Já em Linhares, Marcos Garcia (PV) entrou na corrida pela prefeitura da cidade, mas o atual prefeito, Guerino Zanon (MDB), que já despontava como favorito, venceu com 54,44% dos votos.

Marcos Garcia teve pouco mais de 7 mil votos (9,4%). Foi a primeira vez que ele disputou a prefeitura.

A deputada federal Norma Ayub (DEM) também não conquistou a prefeitura de Marataízes. Foi a primeira vez que ela concorreu ao cargo de prefeita no município, mas não a primeira experiência disputando prefeituras. Ela foi prefeita de Itapemirim, outra cidade do Sul do Estado, por dois mandatos (2004 a 2012) e em 2016 tentou voltar ao cargo, sem sucesso. 

Casada com o deputado estadual Therodorico Ferraço (DEM), que tem grande influência na política da região, a candidatura de Norma não engatou e ela ficou em 3º lugar na disputa, com 5.421 votos (23,05%). A eleição, inclusive, não teve um bom resultado para Ferraço. Seu apadrinhado político Diego Libardi (DEM) também perdeu em Cachoeiro de Itapemirim, onde teve 17,74% dos votos.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.