ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Quem está batendo em quem na campanha a prefeito de Vitória?

A dez dias do 1° turno, a campanha pela Prefeitura de Vitória virou uma pancadaria, tendo por alvo principal a atual gestão municipal – e, por extensão, Fabrício Gandini

Publicado em 05/11/2020 às 04h03
Atualizado em 05/11/2020 às 09h42
Pazolini, Mazinho e Coser, entre outros, batem na gestão de Luciano para atingir Gandini
Pazolini, Mazinho e Coser, entre outros, batem na gestão de Luciano para atingir Gandini. Crédito: Amarildo

A dez dias do 1º turno, a campanha pela Prefeitura de Vitória virou uma pancadaria, tendo por alvo principal a atual gestão municipal – e, extensivamente, Fabrício Gandini, o candidato do prefeito Luciano Rezende (ambos do Cidadania). Com destaque para Lorenzo Pazolini (Republicanos), vários candidatos estão fazendo críticas de todo lado à atual administração, numa espécie de “everybody hits Luciano”: todo mundo bate em Luciano.

Confira a seguir o que temos observado na estratégia dos candidatos na Capital:

PAZOLINI BATE EM GANDINI E LUCIANO

Na propaganda de rádio e TV, Pazolini já tem feito isso, mas deve intensificar nos próximos dias: mostrar que o prefeito Luciano Rezende prometeu algo em 2012, renovou a promessa em 2016 e agora Gandini está dizendo o mesmo, como se fosse uma “promessa requentada”. Em uma de suas inserções, o locutor fala um texto com essa mensagem, relacionado à promessa de construção de uma escola. O texto é coberto pela imagem parada de uma pessoa fazendo o conhecido gesto dos dedos indicadores girando.

No futebol, o gesto significa “substituição”, “mudança”, assim como na campanha de Luciano em 2012. Mas, no dia a dia dos brasileiros, também pode significar “fica para depois”. Fazemos o sinal sem nem perceber (às vezes com um indicador só girando para a frente).

COSER TAMBÉM...

No rádio e na TV, João Coser (PT) também está falando que projetos dele (como o Orla, na parte insular da cidade) ficaram paralisados por oito anos, durante a atual administração. Na segunda à noite, no horário nobre, disse que “a saúde de vitória está doente” e que faltam médicos nos postos, o que aumenta a fila para atendimento na rede municipal. “Chega de tanto retrocesso!", arrematou.

Mas a assessoria do candidato afirma que, nos últimos dias de campanha, seu tom não será de críticas à atual gestão.

HALPHER TAMBÉM...

Com poucos segundos de rádio e TV, o engenheiro Halpher Luiggi, do PL – partido de Magno Malta –, deixa cada vez mais claro que entrou nessa parada com o propósito de apontar problemas e criticar o governo do Cidadania. Dia desses, em sua curta aparição, o candidato destacou uma calçada repleta de lixo bem em frente a uma unidade de saúde. Na pré-campanha, o PL esteve perto de formar coligação formal com o Republicanos de Pazolini.

MAZINHO E NEUZINHA, IDEM

Mazinho (PSD) e Neuzinha (PSDB) também estão nessa fila da malhação de Luciano. Em propagandas recentes, os dois expuseram praticamente o mesmo problema: terrenos onde, segundo afirmam, já deveriam ter sido construídas escolas que até agora não saíram do chão. Mazinho chegou a exibir papéis que mostram, segundo ele, que a prefeitura já tem dinheiro em caixa para executar as referidas obras, mas não o fez. “Estão enganando vocês”, acusa o vereador.

Neuzinha também passou a pé por ruas íngremes, que dão acesso a bairros em morros da cidade e onde, de acordo com a vereadora, já deveriam circular linhas de ônibus em rotas que até hoje não existem para beneficiar os moradores dessas comunidades.

“MAZOLINI” BATE NA “VELHA POLÍTICA”

Mazinho também tem batido muito na “velha política”, para apresentar-se como antítese disso e reforçar sua imagem de candidato jovem, moderno e inovador (seu lema, desde o início da campanha, é “Inova e Vai!”). Pazolini não tem batido nessa tecla sistematicamente, mas, sem citar Gandini, defendeu-se em sua propaganda das investidas do adversário, que continua buscando associá-lo ao ex-presidente da Assembleia Legislativa José Carlos Gratz. Afirmou que está crescendo nas pesquisas e que, por isso, tem sido alvo de fake news e de ataques, o que classificou como “estratégia da velha política”.

SÁ BATE EM PAZOLINI

Enquanto isso, numa exceção a esta altura do processo, o vice-prefeito Sérgio Sá (PSB) passou a centrar fogo não tanto em Gandini, tampouco em Luciano, mas, principalmente, em Pazolini. Em programa veiculado nesta terça-feira (3), mostrou reportagens antigas sobre ocorrências de arrombamentos e assaltos à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), da época em que esta era chefiada por Pazolini: “Delegado que deixa a delegacia ser roubada agora quer falar de segurança?”, provocou. E emendou: “Segurança é muito mais do que questão de polícia”.

PRA ENCERRAR, UMA CURTINHA

Em sua primeira propaganda no horário eleitoral gratuito, a vereadora Neuzinha apareceu com um paletó azul muito comprido. Agora, encurtou no Ibope (de 7% para 4% na intenção de voto estimulada) e está aparecendo no vídeo com o cabelo bem mais curto.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.