Sem opção ao IBC, Conab descarta usar Carmélia para armazenar grãos

O espaço localizado em Vitória vai a leilão em setembro. Desde fevereiro, a União busca por um novo local, mas até o momento não tem um substituto

Publicado em 21/08/2020 às 05h00
Atualizado em 21/08/2020 às 05h00
Galpões do IBC em Jardim da Penha.
Galpões do IBC em Jardim da Penha. Crédito: Vitor Jubini

Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) descartou a ideia de usar o Teatro Carmélia para armazenagem de grãos. Os galpões do antigo Instituto Brasileiro do Café (IBC), em Jardim da Penha, Vitória, onde os produtos estão armazenados atualmente, serão leiloados pela União em setembro deste ano. Sem opção ou perspectivas de um novo espaço, o agronegócio capixaba corre o risco de ficar sem um lugar para estocar milho e café na Grande Vitória.

A Conab no Espírito Santo busca um novo espaço para armazenagem desde fevereiro, quando foi notificada pela União. A "solução" que vinha sendo estudada pelo governo federal era usar o espaço do Teatro Carmélia, também na Capital capixaba. 

Contudo, mesmo sendo um ativo federal, a possibilidade não agradou em nada os moradores, autoridades e, principalmente, artistas capixabas. A Câmara Municipal de Vitória converteu o espaço em patrimônio histórico municipal na tentativa de impedir que isso ocorresse. Depois de muita polêmica envolvendo seu uso, nesta semana, a Conab desistiu de usá-lo.

Conab

em nota

"Com relação ao uso do Teatro Carmélia, após vistoria técnica realizada pela companhia, foi verificado que o prédio não possui os requisitos necessários para as operações da estatal. O assunto [o novo local] continua em discussão pela Conab com a superintendência da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) no Espírito Santo para encontrar uma solução que atenda melhor aos interesses de todos os envolvidos"
Teatro Carmélia vai ser usado para armazenamento de sacos de café.
Vista aérea do Teatro Carmélia, em Vitória. Crédito: Vitor Jubini

O espaço do teatro teria a capacidade de armazenar 7 mil toneladas de grãos, volume inferior ao guardado pelos armazéns da Conab em Jardim da Penha (42 mil toneladas). A Conab-ES está em busca de um local um pouco menor que o atual, porém, muito maior do que o teatro. Ele deverá alocar até 30 mil toneladas de grãos. 

30 MIL TONELADAS

CAPACIDADE DE ARMAZENAGEM QUE A CONAB-ES BUSCA

"Queremos uma unidade mais moderna, com um silo metálico ao lado de um armazém convencional, para armazenagem de milho, café, feijão, arroz, além das cestas básicas", ressaltou o superintendente regional interino da Conab-ES, Kerley Mesquita de Souza, em entrevista para A Gazeta.

Até o momento, a companhia não apontou qualquer alternativa ao IBC, o que preocupa quem depende dos serviços que ela oferta. Além da armazenagem de milho e de café, equipamentos para Defesa Civil Nacional e cestas básicas para doar às comunidades quilombolas e indígenas, do Espírito Santo e de parte do Rio de Janeiro, também são guardados no local. 

Atualmente, cerca de 500 pequenos produtores fazem parte do Programa de Abastecimento Social, comprando milho direto nos galpões, a chamada Venda em Balcão. Em todo o Estado, são mais de 5 mil produtores cadastrados para esse atendimento.

LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA

Atualmente, os grãos da Conab no Estado estão depositados em três centros: Colatina (com capacidade de 72 mil toneladas), Cachoeiro de Itapemirim (30 mil toneladas) e Vitória (42 mil toneladas). A preocupação com a falta de um local para armazenar grãos é ainda maior, porque a localização do armazém é estratégica, pela proximidade do maior produtor de ovos do país, Santa Maria de Jetibá.

É importante lembrar ainda que o milho armazenado no local também contribuiu para evitar a morte de milhares de animais durante a greve dos caminhoneiros, em maio de 2018. Na época, 6 mil toneladas que estavam armazenadas no Estado foram comercializadas para criadores de aves e suínos e indústrias de processamento de ração animal, que não eram atendidos pelo programa de Venda em Balcão.

Outro impacto da mudança para um lugar menor é a redução do volume de armazenagem. De acordo com uma fonte do setor, a armazenagem dos grãos no Teatro Carmélia, por exemplo, só seria suficiente para estocar milho. Isso impediria a recepção de café para a realização de política de controle de preços, como ocorreu em 2013, ou de concentrar os grãos antes da exportação.

O Posto de Serviço de Classificação Vegetal que também fica em Jardim da Penha, neste ano, classificou mais de 40 mil sacas de café que foram exportadas para a Rússia. Os grãos receberam certificado de classificação e laudo da companhia. De acordo com o superintendente regional interino da Conab-ES, Kerley Mesquita de Souza, esse é um dos únicos postos da Conab no país que realiza esse serviço.

Galpões do Instituto Brasileiro do Café, o IBC, em Jardim da Penha.
Galpões do Instituto Brasileiro do Café, o IBC, em Jardim da Penha. Crédito: Vitor Jubini

(Com informações de Vilmara Fernandes/A Gazeta)

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.