ASSINE

Sergio Moro pede demissão do Ministério da Justiça do governo Bolsonaro

Após divergências com o presidente e a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, o ex-juiz anunciou que deixa o cargo

Publicado em 24/04/2020 às 11h45
Atualizado em 24/04/2020 às 17h02
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro
Sergio Moro pediu demissão do cargo de ministro da Justiça. Crédito: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Em pronunciamento nesta sexta-feira (24), Sergio Moro informou que deixa o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro. Ele afirmou que vai encaminhar a carta de demissão em breve ao presidente da República. A decisão foi tomada, segundo o ex-juiz, após o presidente não fornecer uma justificativa para demitir o diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo, publicada no Diário Oficial da União desta madrugada

Moro subiu o tom no discurso, que não foi transmitido por nenhum canal oficial do governo federal. Ele afirmou que o presidente queria ter uma pessoa que pudesse ligar para colher informações e relatórios de inteligência. "Ontem (quinta-feira), falei ao presidente que seria interferência política, e ele disse que seria mesmo", afirmou o agora ex-ministro.

"Interferência política pode levar a relações impróprias do diretor-geral e superintendes com o presidente da República e isso não posso concordar", complementou. 

Moro afirmou ainda que não houve interferência semelhante nos "governos anteriores" e durante a Operação Lava Jato. Como juiz federal no Paraná, ele era responsável pela operação e ganhou notoriedade com a atuação no período. 

Sergio Moro deixou a carreira de juiz para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Público do governo Jair Bolsonaro logo após a eleição de 2018. Sua saída foi repercutida na imprensa internacional.

Sergio Moro, ex- ministro da Justiça e Segurança Pública

Famoso pela atuação na Operação Lava Jato, o ex-juiz Sergio Moro aceitou virar Ministro da Justiça. Moro chegou ao Governo depois de ganhar notoriedade nacional e internacional por comandar os julgamentos da Operação Lava Jato
Famoso pela atuação na Operação Lava Jato, o ex-juiz Sergio Moro aceitou virar Ministro da Justiça. Moro chegou ao Governo depois de ganhar notoriedade nacional e internacional por comandar os julgamentos da Operação Lava Jato. Marcelo Camargo /Agência Brasil
A bandeira de sua gestão era o combate à corrupção e a tinha a  promessa de carta branca por parte do presidente Jair Bolsonaro.
A bandeira de sua gestão era o combate à corrupção e a tinha a  promessa de carta branca por parte do presidente Jair Bolsonaro. Carolina Antunes/PR
O ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro entrou no Governo Bolsonaro com status de super ministro. Mas ao longo do tempo foi vendo seu poder sendo diluído pelo presidente.
O ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro entrou no Governo Bolsonaro com status de super ministro. Mas ao longo do tempo foi vendo seu poder sendo diluído pelo presidente. Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Considerada uma derrota política, Moro viu o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) ser transferido pra o Banco Central. O ex-juiz era entusiasta do conselho sob seu comando e o vê como importante para seu combate à corrupção 
Considerada uma derrota política, Moro viu o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) ser transferido pra o Banco Central. O ex-juiz era entusiasta do conselho sob seu comando e o vê como importante para seu combate à corrupção . Marcelo Camargo/Agência Brasil
No governo Bolsonaro, Moro assumiu o ministério da Justiça e Segurança Pública, pastas antes tocadas pelos ministros Raul Jungmann (Segurança Pública) e Torquato Jardim (Justiça) no governo Temer.
No governo Bolsonaro, Moro assumiu o ministério da Justiça e Segurança Pública, pastas antes tocadas pelos ministros Raul Jungmann (Segurança Pública) e Torquato Jardim (Justiça) no governo Temer. Carolina Antunes/PR
Moro chegou ao Governo depois de ganhar notoriedade nacional e internacional por comandar, entre março de 2014 e novembro de 2018, os julgamentos da Operação Lava Jato 
Moro chegou ao Governo depois de ganhar notoriedade nacional e internacional por comandar, entre março de 2014 e novembro de 2018, os julgamentos da Operação Lava Jato . Marcos Corrêa/PR
O Ministro Sergio Moro se oferece para ir à CCJ (Comissão de Constituicão e Justiça) do Senado. O site Intercept divulgou conversas do ex-juíz com o procurador Deltan Dallagnol na época em que ele integravam a foça tarefa da Lava Jato
O Ministro Sergio Moro se oferece para ir à CCJ (Comissão de Constituicão e Justiça) do Senado. O site Intercept divulgou conversas do ex-juíz com o procurador Deltan Dallagnol na época em que ele integravam a foça tarefa da Lava Jato. Divulgação
O ex-Ministro Sergio Moro
O ex-Ministro Sergio Moro. Isac Nobrega/PR
O ex-Ministro Sergio Moro
O ex-Ministro Sergio Moro. Antonio Cruz/ Agência Brasil
O ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro
O ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Marcelo Camargo/ Agência Brasil
O ex-Ministro Sergio Moro
O ex-Ministro Sergio Moro. IsaacAmorim/MJ
O presidente Jair Bolsonaro e o então Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro durante jogo do Flamengo no Maracanâ
O presidente Jair Bolsonaro e o então Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro durante jogo do Flamengo no Maracanâ. Alex Farias/Photopress/Estadão Conteúdo
'Não há relação possível de morte de menina com proposta de legítima defesa' diz Moro
'Não há relação possível de morte de menina com proposta de legítima defesa' diz Moro. Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Sergio Moro, ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública 
Sergio Moro, ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública . José Cruz/Agência Brasil
O então Ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante visita ao ES 
O então Ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante visita ao ES . Fernando Madeira
Na ocasião, Moro conheceu de perto o trabalho desenvolvido pela Força Nacional em Cariacica
Na ocasião, Moro conheceu de perto o trabalho desenvolvido pela Força Nacional em Cariacica. Vitor Jubini
 O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante visita ao ES 
 O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante visita ao ES . Fernando Madeira
O ministro Sergio Moro chega ao Palácio Anchieta para reunião com o Governador Renato Casagrande
O ministro Sergio Moro chega ao Palácio Anchieta para reunião com o Governador Renato Casagrande. Carlos Alberto Silva
O ministro Sérgio Moro e o governador Renato Casagrande durante visita ao ES
O ministro Sérgio Moro e o governador Renato Casagrande durante visita ao ES. Carlos Alberto Silva
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se reuniu com o governador Renato Casagrande, e o prefeito de Cariacica Juninho, durante visita ao ES 
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se reuniu com o governador Renato Casagrande, e o prefeito de Cariacica Juninho, durante visita ao ES . Vinicius Valfré
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se reuniu com o governador Renato Casagrande durante visita ao ES 
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se reuniu com o governador Renato Casagrande durante visita ao ES . Fernando Madeira
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes. Vitor Jubini
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes
O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixa o Palácio Anchieta após reunião com o governador  Renato Casagrande. À sua esquerda, na saída do palácio, a vice-governadora Jaqueline Moraes

"NÃO É BOM", DIZ MOURÃO

Pouco após o anúncio, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que a saída de Moro é uma perda para o governo e ressaltou o bom trabalho feito pelo ex-juiz na pasta. "O Moro é um cara muito bom e excepcional. Eu acho que ele vinha fazendo um bom trabalho. Mas relação é relação, né", disse. "Não é bom, mas vida que segue", completou.

EX-PRESIDENTE PEDE RENÚNCIA DE BOLSONARO

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também comentou, em suas redes sociais, a saída do ministro. Ele ressaltou a gravidade das acusações feitas por Moro de que Bolsonaro teria a intenção de interferir nas investigações da Polícia Federal e pediu que Bolsonaro "poupe" o Brasil de um novo processo de impeachment.  "Que renuncie antes de ser renunciado", escreveu.

LAVA-JATO CONDENA ATITUDE DE BOLSONARO

Para a equipe da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, as acusações de tentativa de interferência de Bolsonaro são atos da "mais elevada gravidade". Para os procuradores, é "inconcebível" acesso do Planalto a informações sigilosas. Eles ressaltaram que escolha de pessoas para cargos na estrutura do Ministério da Justiça e da Polícia Federal não pode servir "para interferência político-partidária nas investigações e processos".

INVESTIGAÇÕES

Parlamentares já se mobilizam, inclusive, para investigar os fatos relatados por Moro em seu discurso. O deputado Aliel Machado (PSB-PR) já apresentou um requerimento de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à Câmara. A Ordem dos advogados do Brasil (OAB) também sinalizou que vai analisar os indícios de crime apontados por Moro.

IMPACTO ECONÔMICO

A saída de Moro tem afetado negativamente a economia brasileira, que já estava fragilizada por conta da crise do novo coronavírus. Após o pronunciamento de renúncia, a Bolsa caía 8,02% e o dólar estava em R$ 5,67. As cotações na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) chegaram a apresentar queda de 7,55% no fim da manhã.

Com aprofundamento da crise, analistas de mercado e economistas preveem um  cenário de instabilidade total e temem que o ministro da Economia, Paulo Guedes, também deixe o cargo.

REPERCUSSÃO NO ESTADO

Políticos e outras autoridades do Espírito Santo lamentaram a saída de Sergio Moro do posto de ministro. Para o governador Renato Casagrande, o governo Bolsonaro perdeu seu "selo de qualidade".  Já o presidente da Assembleia Legislativa, Erik Musso, afirmou que a saída do ex-juiz "fragiliza a democracia brasileira".

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.