De doutorado a medicina: os planos dos prefeitos que vão ficar sem mandato em 2021

Os prefeitos de Cariacica, Serra, Vitória e Vila Velha fizeram da política uma carreira. Três não puderam tentar a reeleição e um foi derrotado em 2020. Enquanto 2022 não chega, eles têm outras atividades em mente

Publicado em 22/12/2020 às 14h29
Deixam os mandatos em 2020
Os prefeitos de Cariacica, Juninho; da Serra, Audifax Barcelos; de Vitória, Luciano Rezende, e de Vila Velha, Max Filho, encerram os mandatos em 31 de dezembro. Crédito: Montagem A Gazeta

Após terem feito da política uma carreira durante boa parte de vida, em alguns casos há quase três décadas, os quatro prefeitos das maiores cidades da Grande Vitória deixam o Executivo em 2020.

Três deles – Luciano Rezende (Cidadania), na Capital, Audifax Barcelos (Rede), na Serra, e Juninho (Cidadania), em Cariacica, encerram um ciclo de oito anos consecutivos à frente das respectivas prefeituras e, por isso, não poderiam disputar um novo mandato. O único que tinha condições de se reeleger era Max Filho (PSDB), que acabou derrotado em Vila Velha.

Sem mandatos em 2021, os atuais prefeitos de VitóriaSerraVila Velha e Cariacica afirmam que vão voltar a exercer as profissões das quais se licenciaram para ocupar cargos eletivos. A atividade política, contudo, não deve ser deixada de lado.

Nos bastidores, a expectativa é que a maioria deles cultive o capital político construído ao longo dos anos e se lance candidato em 2022. Confira os planos de cada um dos prefeitos da Grande Vitória. 

VITÓRIA 

Prefeito de Vitória
Prefeito de Vitória, Luciano Rezende finaliza oito anos de mandato à frente da cidade. Crédito: Divulgação/Cidadania

Luciano Rezende é médico, mas passou os últimos 25 anos na atividade política. Foi vereador durante quatro mandatos – de 1995 a 2008 – secretário municipal de Saúde e, antes de se tornar prefeito, ocupou uma cadeira na Assembleia Legislativa como deputado estadual (2010-2012).

O prefeito não conseguiu fazer seu sucessor na Prefeitura de Vitória este ano – o candidato da situação, o deputado estadual Fabrício Gandini (Cidadania), ficou para trás ainda no primeiro turno. 

Apesar da derrota eleitoral do grupo de Luciano, ele é um aliado do governador Renato Casagrande (PSB). Há quem o cogite como um possível sucessor do socialista no governo do Estado, mas a maior aposta é que ele venha como candidato a uma vaga no Senado ou na Câmara dos Deputados nas próximas eleições.

O prefeito afirma que vai se afastar por um tempo da política, retomando as atividades como médico e atuando como professor universitário.

SERRA

Prefeito da Serra Audifax Barcelos
Audifax Barcelos deixa o comando da Serra em 2020, após oito anos como prefeito. Crédito: A Gazeta

Em seu terceiro mandato à frente da Prefeitura da Serra, os dois últimos sendo consecutivos, Audifax Barcelos deixa o cargo eletivo, mas vai continuar atuando na política. O prefeito não pretende desperdiçar o capital construído ao longo de sua trajetória de quase vinte anos de vida pública. 

"Ainda não passa pela minha cabeça abandonar a política", afirma.

O redista iniciou na política nos anos 2000, como secretário de Sergio Vidigal (PDT), hoje seu adversário político e para quem ele passa o cargo de chefe do Executivo em 2021. Audifax também tentou fazer um sucessor na cidade, o vereador Fabio Duarte (Rede). Fabio até foi para o segundo turno, mas foi derrotado.

Com apoio de Vidigal, Audifax disputou pela primeira vez a eleição para prefeito da Serra em 2004 e foi eleito. Logo depois, os dois romperam e passaram a se revezar no comando da cidade, enfrentando-se em outros pleitos. 

Antes de se eleger novamente para prefeito, em 2012, Audifax passou pela Assembleia Legislativa, como deputado estadual, e também pela Câmara dos Deputados, onde ficou por dois anos até voltar a comandar a Serra.

O atual prefeito diz que pretende descansar neste período inicial e voltar a atuar como economista, auxiliando alguns políticos, inclusive. Ele não descarta concorrer em 2022 e diz que o nome está disponível ao partido. 

“Ainda é cedo para falar na próxima eleição, mas posso vir candidato sim. Vou me reunir com a Rede e discutir o que é melhor", afirma. Audifax diz que pode concorrer tanto para governador quando para o Senado. 

VILA VELHA

Arnaldinho Borgo e Max Filho durante debate promovido por A Gazeta
Max Filho deixa o cargo de prefeito de Vila Velha após não conseguir se reeleger em 2020. Crédito: Fernando Madeira

Entre todos os atuais prefeitos da Grande Vitória, Max Filho é o que está há mais tempo na política. Filho do ex-governador Max Mauro, o prefeito iniciou na vida pública em 1988, quando foi eleito vereador de Vila Velha aos 20 anos. 

Desde então, Max traçou uma carreira na política, disputando 10 eleições até hoje. O tucano só não disputou o pleito de 2008, quando encerrava seu segundo mandato consecutivo como prefeito de Vila Velha. Ele não teve, contudo, a mesma sorte no pleito deste ano. O prefeito foi derrotado por Arnaldinho Borgo (Podemos) e não conseguiu se reeleger.

Apesar de ser servidor concursado do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES), Max está licenciado do cargo já algum tempo, visto que ocupou, durante a maior parte da vida, um cargo eletivo. Ele também já foi deputado estadual e federal. O tucano afirma, contudo, que vai voltar a atuar no órgão a partir do ano que vem. 

O prefeito desconversa ao falar sobre as eleições de 2022. "Ainda é cedo demais para pensar nisso. Quero terminar meu mandato e voltar a cumprir minha função no TRT", afirma. Apesar disso, ele é cotado para ser candidato a uma vaga no Congresso em 2022. 

CARIACICA

O prefeito de Cariacica Juninho em entrevista à TV Gazeta nesta quinta-feira (23)
O prefeito de Cariacica, Juninho, ficou oito anos comandando a cidade. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

Após dois mandatos como prefeito, Juninho deixa a Prefeitura de Cariacica e pretende se dedicar aos estudos. Entre os planos está iniciar um doutorado na área esportiva, em que tem formação, e viver em um país de língua inglesa.

Entre os atuais prefeitos, Juninho é o que tem a atividade política mais recente. Começou como vice-prefeito, na gestão de Helder Salomão (PT), entre 2009 e 2012, e tentou uma vaga na Câmara dos Deputados em 2010, mas não se elegeu. Em 2012, lançou a candidatura a prefeito e foi eleito para o primeiro dos seus dois mandatos.

Até entrar na política, Juninho era conhecido por ser jogador de futebol da Desportiva Ferroviária, de Cariacica. Formou-se na área de Educação Física, em que atuou por algum tempo e para onde pretende voltar. O prefeito fez mestrado durante seu último mandato e agora vai ingressar em um doutorado. 

"Vou participar de processos seletivos na área de políticas sociais ou públicas, nessa área de educação física, do esporte. Pretendo fazer o doutorado aqui no Estado mesmo. Também estou já com planejamento bem adiantado para fazer uma imersão em uma cidade de língua inglesa e ter fluência no idioma", comentou. 

De acordo com com ele, os planos políticos só voltam à cena no fim do ano que vem. "Ainda não comecei a pensar nisso porque quero focar na minha vida pessoal. Em relação a 2022, só mais para o fim de 2021 que eu devo decidir algo", afirma. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.