ASSINE

Arnaldinho afirma que o recado dado nas urnas foi de renovação

Vitorioso nas eleições em Vila Velha, Arnaldinho criticou o atual prefeito que o chamou de "candidato Red Bull". Max Filho (PSDB), que saiu derrotado, afirmou que era preciso mais do que energia para comandar a cidade

Vitória
Publicado em 29/11/2020 às 19h50
Atualizado em 29/11/2020 às 22h46
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas, exibindo uma latinha do energético Red Bull   . Crédito: Carlos Alberto Silva

Com 138.741 votos, mais do que o dobro obtido pelo atual prefeito Max Filho (PSDB), o vereador Arnaldinho Borgo (Podemos) deixará sua cadeira na Câmara Municipal de Vila Velha, onde esteve nos últimos oito anos, para ocupar a da Prefeitura. Ele foi escolhido por 69,03% dos eleitores para comandar a cidade a partir de 2021, pelos próximos quatro anos.

“É um dia muito sonhado por mim. Vamos construir uma cidade por várias mãos, sem a presença da velha política. O recado foi dado nas urnas e o pedido é claro, de renovação”, disse em seu primeiro pronunciamento após eleito prefeito. 

Antes mesmo da apuração final, Arnaldinho já comemorava a vitória em Vila Velha.  O resultado foi confirmado às 17h50, com 84% das urnas apuradas. Mas o prefeito eleito, que acompanhava tudo de casa, na Praia das Gaivotas, preferiu esperar os 100% para cair nos braços dos apoiadores. Por volta das 18h30, chegou à sede do Podemos, a poucos metros do condomínio onde mora. 

Na comemoração, o que chamou a atenção foi a bebida usada para celebrar a vitória. Arnaldinho fez questão de exibir uma latinha de Red Bull, nome do energético que foi usado pelo seu oponente Max Filho para apelidá-lo.

No debate transmitido por A Gazeta, na última quinta-feira (26), Max ironizou o rival, que havia dito, durante entrevista, que era preciso ter energia para governar Vila Velha. O prefeito afirmou que o vereador não iria resolver os problemas da cidade tomando Red Bull

“Me chamaram de menino, mas esse menino tem muita energia e não precisa de Red Bull para comandar Vila Velha”, alfinetou o adversário enquanto festejava, em cima de um trio elétrico. Ao lado dele estavam o vice, Victor Linhalis (Solidariedade), e o prefeito de Viana e presidente estadual do Podemos, Gilson Daniel.

Eleições 2020: a festa da vitória de Arnaldinho Borgo em Vila Velha

Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas. Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas. Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas. Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas
Arnaldinho Borgo comemorando a vitória nas urnas . Carlos Alberto Silva
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha. Carlos Alberto Silva
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha
Na festa da vitória, Arnaldinho Borgo (Podemos) abriu lata de energético da marca que o rendeu apelidos durante a campanha

A festa teve direito a champanhe, um palanque repleto de vereadores eleitos, e até um “caixão de Max Filho”, carregado por apoiadores do prefeito eleito. O tucano saiu derrotado com 30,97% dos votos válidos, o que corresponde a 62.236.

Arnaldinho contou também com uma ligação do governador, Renato Casagrande (PSB), para parabenizá-lo. Agradeceu, e garantiu que vai trabalhar junto com o governo estadual. "Vila Velha vai precisar muito da sua ajuda a partir do dia 1º de janeiro. Estaremos juntos", respondeu a Casagrande.

O PSB, partido de Casagrande, estava na coligação de Max Filho. No entanto, o governador não se manifestou sobre o pleito na cidade. Ele já tinha dito que não se posicionaria em cidades onde tivesse mais de um aliado, como é o caso de Vila Velha. O Podemos é um dos partidos que faz parte da base do governador. 

CAMPANHA 

Arnaldinho iniciou a corrida em Vila Velha atrás nas pesquisas eleitorais. Escolheu dois motes para a sua campanha: apostou no discurso de renovação e na rejeição do eleitor ao prefeito Max Filho.

"Eu não tenho padrinhos políticos. É hora de renovar, vamos varrer a velha política de Vila Velha", repetia à exaustão.

Desde o início da disputa, fez uma série de críticas ao prefeito, mantendo a postura que assumiu durante seus dois mandatos como vereador na Câmara Municipal. A fórmula garantiu a ele, já no primeiro turno, 36% dos votos válidos, sendo o candidato mais votado.

No segundo turno, intensificou a agenda nas ruas e cresceu nas pesquisas. Encontrou um Max Filho também disposto ao combate, e rebateu. No último debate antes da eleição, realizado por A Gazeta, protagonizaram um duelo de acusações.

Arnaldinho consolidou a preferência nas urnas neste domingo, reforçando uma tendência nas duas últimas eleições municipais em Vila Velha: o eleitor canela-verde não costuma reeleger prefeitos. Não reelegeu em 2012, em 2016 e, agora, em 2020. 

Em entrevista coletiva à imprensa após a confirmação de sua vitória, Arnaldinho falou sobre união com a Câmara,  o processo de transição para a nova gestão e afirmou o compromisso de renovação no comando da cidade. Confira:

O senhor venceu com ampla vantagem nas urnas. Teve mais de 138 mil votos. A que o senhor credita esta vitória? E como encara essa responsabilidade depositada no senhor por tantos eleitores?

Vila Velha está cansada, passou mais de 40 anos sendo governada pelos mesmos políticos e não avançou. Nós apresentamos propostas factíveis para a cidade e os eleitores entenderam que era hora de renovar, acreditaram que podemos ter uma cidade diferente. Vila Velha agora é uma cidade de paz, de união, desenvolvimento. A gente não tem problema com responsabilidade, vamos governar para todos, inclusive para os que não votaram.  Acordo muito cedo, durmo muito tarde e trabalho muito para levar os serviços públicos da nossa cidade. 

Qual vai ser seu primeiro ato quando tomar posse como prefeito de Vila Velha?

A cidade vai estar em pandemia, então a saúde é nossa prioridade. Nós queremos identificar como podemos fazer a prevenção para que os números excessivos de contaminação e mortes diminuam em Vila Velha. 

Como vereador, o senhor sempre se portou como oposição. Durante a campanha eleitoral, vimos embates entre o senhor e o atual prefeito. Como vai ser esse processo de transição? O senhor pretende liderar essa conversa com Max Filho?

O líder da equipe de transição sou eu, mas a equipe vai ser formada. Temos bons nomes, o prefeito Gilson Daniel, de Viana, um ótimo administrador, o nosso vice, Doutor Victor Linhalis, que é advogado.  Temos vereadores capacitados, nomes bons não faltam. Faremos uma equipe de transição para realizar conversas e chegar dia 1º de janeiro com a máquina andando. Acabaram as eleições, o tempo é de paz, democracia, diálogo. 

Como vai ser o seu relacionamento com outros grupos políticos na cidade, como o de Max  Filho e do ex-prefeito Neucimar Fraga?

Nós também temos um grupo político, que nasceu no dia de hoje. Todos os que desejam uma cidade de paz, união, renovação, estão convidados a fazer parte dessa administração, a conversar, dialogar. 

O senhor é vereador e esteve por oito anos no Legislativo da cidade. Hoje, no seu palanque, estavam presentes vários vereadores eleitos. Como vai ser o seu relacionamento com a Câmara Municipal?

Os vereadores que estavam aqui e os outros que não estavam têm o mesmo sentimento, de união. Estamos todos juntos em um projeto para ver Vila Velha sair da cidade dormitório, do marasmo.  Queremos transformá-la na melhor cidade para se viver e trabalhar. Não acredito que terá oposição, vamos dialogar juntos, com muita democracia. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.