ASSINE

Voo barulhento da meia-noite volta a incomodar na Grande Vitória

Avião cargueiro mais antigo que opera no Estado decola todas as noites do Aeroporto de Vitória. Entenda o motivo de o ruído ser tão alto

Publicado em 11/06/2020 às 12h18
Atualizado em 11/06/2020 às 14h19
O Boeing 727-200 Full-Cargo da Total Linhas Aéreas é um cargueiro que atende a rede postal noturna dos Correios
O Boeing 727-200 Full-Cargo da Total Linhas Aéreas é um cargueiro que atende a rede postal noturna dos Correios. Crédito: Total Linhas Aéreas/Divulgação

Quem mora em alguns bairros de VitóriaVila Velha ou mesmo na Serra já conhece. Todas as noites, entre 23h e meia-noite, um avião decola do Aeroporto de Vitória fazendo bastante barulho. Essa operação ocorre desde 2015, mas há relatos de que, nos últimos dias, o som das turbinas do avião cargueiro mais antigo que sai do Espírito Santo ficou mais alto.

Trata-se de uma operação diária da companhia cargueira Total Linhas Aéreas. O avião é um Boeing 727-200 que faz o transporte de encomendas da rede postal noturna dos Correios. A aeronave pousa todos os dias em Vitória, vinda do Aeroporto do Galeão (RJ), e decola todas as noites para o Aeroporto de Guarulhos (SP).

Vizinhos do Eurico de Aguiar Salles, como moradores de Jardim Camburi, em Vitória, são os mais afetados. Nas redes sociais, alguns chegaram a dizer que conseguem ouvir de suas casas até a zoeira do taxiamento da aeronave.

De acordo com a Aeroportos Sudeste do Brasil (ASeB), concessionária que administra o Aeroporto de Vitória e que é subsidiária da empresa suíça Zurich Airport, esse ruído pode estar se destacando por efeito da quantidade de voos limitada e do isolamento social que reduziu a barulheira nas cidades, consequências da pandemia do novo coronavírus.

Mas afinal, por que será que esse avião faz tanto barulho? A reportagem de A Gazeta fez a pergunta diretamente para a Total, que explicou que o motivo é a tecnologia mais antiga do avião, sobretudo dos motores. A empresa, no entanto, afirmou que o ruído é o mesmo de sempre.

"O nosso avião é um projeto mais antigo. Por isso, os motores causam mais ruído que os de aviões mais modernos. Entretanto, o nosso avião é certificado pelas autoridades aeronáuticas e cumpre os requisitos de ruído previstos na legislação. O barulho emitido pelas nossas aeronaves é o mesmo desde o início da operação, que, em Vitória, se iniciou em 2015", informou a empresa.

Para se ter uma ideia, o último avião desse modelo a ser fabricado pela Boeing foi há 36 anos, em 1984. Informações do site da Total dão conta ainda que ele tem capacidade de carga de aproximadamente 25 toneladas e autonomia de voo de 3.300 quilômetros.

"O Boeing 727-200 full-cargo, uma aeronave com tradição e história, é amplamente utilizado no segmento de carga aérea, presente nas maiores companhias no mundo. Oferece altos níveis de segurança e confiabilidade", disse.

A empresa conta hoje com cinco aeronaves do tipo, fabricadas entre 1976 e 1981. No Brasil, esse modelo de avião já foi usado para transporte de passageiros em grandes companhias, como as extintas Varig e Vasp.

Veja abaixo um vídeo do internauta Ariel Gracelli que mostra a decolagem do avião e o barulho que é feito:

MAS PODE ESSE BARULHO TODO A ESSA HORA?

Quem regula e fiscaliza ruídos aeronáuticos é a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Outro órgão também é acionado, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) da Aeronáutica, quando os barulhos são provocados por mudanças nas rotas ou porque o avião voa mais baixo do que o limite estabelecido.

A Anac disse que em setembro de 2016 foi feita uma reclamação no órgão devido ao ruído aeronáutico, mas como a queixa não era de barulho na área aeroportuária e sim em bairros sobrevoados pela aeronave, a agência não tem competência para deliberar sobre o tema, cabendo ao Decea verificar possíveis irregularidades.

A Anac ressaltou ainda que qualquer cidadão pode registrar reclamações quanto ao barulho de operações de aviação. "Para registrar uma reclamação ou manifestação relativa ao ruído aeronáutico, o usuário deve realizar na Comissão de Gerenciamento de Ruído Aeronáutico (CGRA), que é obrigatória para todos os aeródromos que possuam um Plano Específico de Zoneamento de Ruído – PEZR, como é o caso do Aeroporto de Vitória." 

Em último caso, pode-se registrar ainda manifestação relativa ao ruído aeronáutico no site da Anac, por meio de formulário disponível aqui.  

O Decea foi procurado, mas não enviou resposta até o fechamento desta matéria.

Já a ASeB informou que está comprometida em cumprir os requisitos da Anac sobre os limites de ruído aeronáutico. A concessionária ressaltou ainda que o Aeroporto de Vitória é certificado no quesito e segue operando conforme dados aprovados.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.