ASSINE

Nova empresa assume fábrica de polpas em Linhares e vai abrir 120 vagas

Unidade que era da Leão Alimentos e produzia o suco Del Valle estava desativada desde abril. Agora o empreendimento será operado pela Agrotrop, fundada por empresários do ramo do processamento de frutas

Colatina / Rede Gazeta
Publicado em 03/08/2021 às 17h44
Centro de Distribuição da empresa em Linhares. Crédito: Leão Alimentos/Divulgação
Centro de Distribuição da empresa em Linhares. Crédito: Leão Alimentos/Divulgação

Após ter as operações encerradas em abril pela Leão Alimentos e Bebidas, a fábrica de sucos localizada em Linhares, no Norte do Espírito Santo, será assumida por uma nova empresa que vai retomar as atividades no local e pretende contratar 120 funcionários até o fim de 2021.

O empreendimento será focado na produção de polpas e será operado pela Agrotrop, empresa fundada por empresários que já trabalhavam com o ramo do processamento de frutas. 

A produção será feita no parque fabril da antiga Trop Frutas, localizada no bairro Canivete, às margens da BR 101. O espaço abrigava a operação da Leão, empresa de sucos da Coca-Cola no Brasil, e produzia para a marca Del Valle.

A nova operação será tocada por Alexander Rochefeller Ribeiro de Oliveira Pinto, carioca de Niterói, e Marcelo Yano, paulista de Marília, que se uniram para fundar a Agrotrop.

Alexander Rochefeller (Alex) e Marcelo Yano, da Agrotop, investidores responsáveis pela fábrica
Alexander Rochefeller (Alex) e Marcelo Yano, da Agrotop, investidores responsáveis pela fábrica. Crédito: Felipe Reis/Secom-Linhares

Segundo os empresários, a companhia deve absorver colaboradores que estavam trabalhando no espaço antes do encerramento das atividades. Eles explicaram que 20 pessoas já foram contratadas para a fase inicial de implantação. Esse número deve chegar a 50 até o fim de agosto e pular para 120 até dezembro de 2021.

Nessa primeira fase, a empresa vai processar maracujá, abacaxi, goiaba e manga. Para 2022, a projeção é agregar outras culturas presentes na região como abóbora, cenoura, cajá, jaca e abacate. Com essa perspectiva de ampliação, o número de postos de trabalho deve chegar a 250 no próximo ano.

A retomada da processamento de polpas tem um peso importante na cadeia de fornecedores da região, que é grande produtora de frutas. São centenas de agricultores envolvidos no processo. Segundo os empresários, a maior parte da produção da indústria, cerca de 80%, será exportada para países da América do Sul como Chile, Colômbia e Peru. Os outros 20% serão destinados ao mercado doméstico.

Os dois empresários relatam que já tem experiência com o processamento de frutas e destacam o bom ambiente de negócios que encontraram no Espírito Santo. “Eu já trabalhei em outros Estados, mas gostei da maneira direta como fomos tratados aqui no Espírito Santo. Isso facilitou nossas negociações", revelou Yano.

O prefeito de Linhares, Guerino Zanon, comemorou a chegada da nova companhia. “Esta indústria reforça a vocação regional, já que o norte capixaba é um grande produtor de frutas. Então a nossa produção será industrializada aqui, gerando mais valor agregado”, disse o prefeito.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.