ASSINE

Vix Logística pede para abrir capital e pode ser a 3ª empresa do ES na B3

Empresa do Grupo Águia Branca entrou com pedido de IPO na CVM para realização de oferta primária e secundária de ações. Atualmente, só duas companhias capixabas estão na Bolsa de Valores de SP

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 28/07/2021 às 18h47
Atualizado em 28/07/2021 às 19h06
Ônibus elétrico
Ônibus elétrico da VIX Logística: empresa entrou com pedido de IPO. Crédito: Divulgação

A empresa capixaba Vix Logística, pertencente do Grupo Águia Branca, registrou na terça-feira (27) o pedido de Oferta Pública Inicial de Ações (IPO, na sigla em inglês) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A abertura de capital na Bolsa de Valores brasileira, a B3, foi aprovada pelo conselho da companhia em assembleia realizada na última segunda-feira (26).

Se aprovado o IPO pela CVM, a Vix Logística será a terceira empresa do Espírito Santo a ser listada na B3. Atualmente, estão na Bolsa a Fertilizantes Heringer, que abriu capital em 2007, e o Banestes, presente na bolsa nacional desde 1977. Em abril, o PicPay entrou com pedido de abertura de capital na Bolsa da Nasdaq, nos Estados Unidos.

Os acionistas da Vix aprovaram a realização de oferta primária e secundária de ações. O objetivo é utilizar os recursos captados para financiar a expansão de frota, em todas as suas linhas de negócio, e expansão geográfica do aplicativo V1. A oferta é coordenada pelo BTG Pactual, Itaú BBA, Citi, XP Investment Banking, e Bradesco BBI. 

O Grupo Águia Branca  registrou um faturamento de R$ 5,6 bilhões em dezembro de 2020. De acordo com prospecto preliminar, a companhia tem uma importante representatividade nos resultados do grupo, respondendo por 33,7% da receita e 75% do Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Ainda segundo o documento, a empresa registrou lucro líquido de R$ 67 milhões no primeiro semestre deste ano e Ebitda de R$ 254 milhões. Já em 2020, a Vix Logística registrou lucro de R$ 75 milhões, 66,6% superior ao de 2019, e Ebitda de R$ 425 milhões, uma alta de 21,4% em comparação com o ano anterior.

Com 50 anos de história, a companhia opera nos segmentos de logística dedicada, gestão e terceirização de frotas, logística automotiva e com o V1, uma plataforma de mobilidade 100% digital em que atua com transporte por aplicativo, aluguel de carros e veículos por assinatura.

No segmento de logística automotiva, a companhia atua principalmente no modal rodoviário realizando o transporte de veículos zero km. No segmento de logística dedicada, atua em operações de logística interna de indústrias junto aos setores de mineração, óleo e gás, siderurgia e celulose  em todo o território nacional.

No segmento de gestão e terceirização de frotas, a companhia atua em vários setores, como por exemplo serviços, mineração, químicos, entre outros. Já no segmento V1, trabalha com transporte por aplicativo, aluguel de carros e assinatura de aluguel de veículos atendendo o público corporativo e também pessoas físicas em toda Grande Vitória.

O relatório ainda aponta que apesar de a sede da empresa estar localizada no Espírito Santo, a contribuição do Estado representa, atualmente, cerca de 14% da receita da companhia. Juntos, os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo respondem por 62% das receitas da empresa.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Grupo Águia Branca Bolsa de Valores Vix Logística Negócios Mercado Financeiro

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.