ASSINE

Menina de 10 anos estuprada: MPES lista e investiga série de denúncias

Procedimentos preparatórios foram instaurados para apurar nove fatos em relação ao caso de estupro em São Mateus; entre eles está assédio moral e negativa da interrupção da gravidez

Publicado em 26/08/2020 às 19h23
Atualizado em 27/08/2020 às 11h48
Ministério Público abre oportunidades de estágio para diversos cursos.
Ministério Público do Espírito Santo já investigava o vazamento de informações sigilosas sobre a menina. Crédito: MPES

Procedimentos preparatórios vão verificar nove direitos que teriam sido violados por condutas assumidas em relação à menina de 10 anos — que após estuprada pelo tio em São Mateus, ficou grávida e interrompeu a gravidez em um hospital do Pernambuco. A instauração das investigações foi divulgada na tarde desta quarta-feira (26), pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

Os procedimentos foram abertos após o recebimento de denúncias sobre os fatos, que ferem interesses ou direitos coletivos. A conclusão desse trabalho deve acontecer em até 90 dias. Durante esse período, o MPES pode decidir pelo arquivamento, por oferecer uma Ação Civil Pública à Justiça ou dar início a um inquérito civil.

SERÃO APURADOS:

  1. O vazamento de informações após o primeiro atendimento à vítima;
  2. A omissão do serviço de obstetrícia de São Mateus em atender à vítima;
  3. O assédio moral à vítima dentro da rede municipal de proteção para que mudasse a vontade de interromper a gravidez;
  4. A condução da vítima de São Mateus para Vitória sem conhecimento da família;
  5. A negativa da interrupção da gestação legal pelo sistema de saúde do Espírito Santo;
  6. vazamento de dados da vítima e do destino, que foram expostos em redes sociais;
  7. O descumprimento de decisão judicial pelo Município de São Mateus;
  8. O vazamento de dados detalhados da família para indivíduos que tentaram constranger a responsável pela vítima para que mantivesse a gravidez, bem como a conduta de todos os envolvidos;
  9. O não cumprimento ex-ofício pelo sistema de saúde da Portaria nº 1.508, de 1º de setembro de 2005, do Ministério da Saúde, que dispõe sobre o Procedimento de Justificação e Autorização da Interrupção da Gravidez nos casos previstos em lei, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Este vídeo pode te interessar

Mediante justificativa, o prazo para apuração desses procedimentos preparatórios pode ser prorrogado por mais 90 dias. Segundo o Ministério Público do Espírito Santo, essas nove investigações são independentes de outras que já estão em curso, como os inquéritos policias.

A Gazeta acionou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), o Hospital Universitário Cassiano de Moraes (Hucam) e a Prefeitura de São Mateus, citados na lista do MPES.

O QUE DIZ O HUCAM

Por meio de nota, o Hucam reafirmou que a instituição não tem condições técnicas e equipe especializada para realizar a interrupção de gravidez com mais de 22 semanas de gestação e peso fetal de 500g. Nessas situações, seria necessária a intervenção de uma equipe especializada para que a vida do feto fosse interrompida antes da retirada. "Esta não é uma técnica utilizada em nenhum hospital do Espírito Santo", garantiu.

"Se o Hucam tivesse conduzido a interrupção da gravidez da menina em questão, sem o devido protocolo e sem equipe preparada, poderia ter levado a um risco maior para a paciente. Logo que se diagnosticou a impossibilidade técnica, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) encontrou a solução de encaminhá-la para um hospital com protocolos próprios que garantissem uma intervenção segura e o direito inegável à paciente", explicou.

Sobre a transferência da menina de São Mateus para Vitória, o Hucam afirmou que não a realizou; e que a paciente chegou ao hospital no dia 14 de agosto. A instituição também lembrou que uma investigação interna já foi instaurada para apurar possíveis vazamentos de dados sigilosos da menina. "O Hucam está à disposição do MPES para prestar os devidos esclarecimentos", adiantou.

O QUE DIZ A PREFEITURA DE SÃO MATEUS

Por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, que está acompanhando o caso, o município afirmou que não pode comentar casos concretos envolvendo a menina, conforme notificação enviada pela Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude de São Mateus, no último dia 13 de agosto.

O QUE DIZ A SESA

A Secretaria da Saúde informa que até o momento não recebeu nenhuma notificação do Ministério Público do Espírito Santo, e esclarece que o caso segue em sigilo de acordo com determinação da Justiça. Ressalta que o Sistema Único de Saúde (SUS) ofereceu toda assistência à menor, atendendo a determinação judicial para a interrupção da gravidez.

ANDAMENTO MAIS RECENTE

Na última segunda-feira (24), o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJESaceitou a denúncia do MPES contra o tio da menina. O homem de 33 anos de idade, então, passou a ser réu no processo relacionado aos abusos sexuais que ele teria praticado contra a sobrinha, ao longo dos últimos anos.

RESUMO DO CASO

O crime veio a público no início de agosto, depois de a menina procurar um hospital estadual de São Mateus, com dores abdominais. Exames constataram que ela estava grávida, o que a levou a revelar que era abusada sexualmente pelo tio desde 2016. Ou seja, desde quando ela tinha apenas seis anos de idade.

Por direito previsto em lei, a menina interrompeu a gravidez, mas em um hospital da cidade de Recife (PE), após recusa do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), em Vitória, que alegou não ter capacidade técnica de realizar o procedimento. A menina recebeu alta no último dia 19 e já foi acolhida por programas de proteção no Espírito Santo.

Depois de ficar foragido por seis dias, o tio acabou preso na madrugada da terça-feira (18), na casa de parentes, em Betim (MG). Horas depois, ele foi levado ao Departamento Médico Legal (DML) em Vitória; e à noite deu entrada em uma penitenciária do Complexo de Xuri, em Vila Velha.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo MPES MPES São Mateus Abuso em São Mateus abuso sexual espírito santo estupro estupro de vulnerável são mateus

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.