ASSINE

Bombeiros descartam detonação em prédio que desabou em Vila Velha

O capitão Loreto afirmou que, caso tivesse acontecido uma detonação, haveria vestígios como uma cratera no local e resquícios de material explosivo

Tempo de leitura: 5min
Bombeiros trabalham no resgate dos sobreviventes do desabamento em Cristóvão Colombo
Bombeiros trabalham no resgate dos sobreviventes do desabamento em Cristóvão Colombo. Crédito: Vitor Jubini

Corpo de Bombeiros descartou a hipótese de que tenha acontecido uma detonação no prédio que explodiu e desabou no bairro Cristóvão Colombo, em Vila Velha, na manhã do dia 21 de abril deste ano, matando três pessoas. O laudo, concluído e apresentado pela corporação nesta terça-feira (5), apontou que um vazamento de gás foi o que causou a explosão no edifício.

O capitão Loreto, do Corpo de Bombeiros negou, veementemente, a possibilidade de ter acontecido uma detonação no prédio. Ele afirmou que, se este fosse o caso, haveria vestígios, como formação de uma cratera no ponto central da explosão e resquícios de explosivos.

Capitão Loreto

Corpo de Bombeiros

"Não tinham características de detonação, como cratera. Não tinha resquício de material explosivo. A gente sabe que explosivos são regulamentados pelo Exército, então é de difícil acesso. A gente não encontrou evidência de explosivos, então descartamos uma detonação"

O capitão Loreto explicou que o laudo da perícia do Corpo de Bombeiros apontou que o gás vazou de uma botija que estava na casa de Eduardo Cardoso, uma das vítimas, a partir de um problema na conexão.

Ainda conforme o Corpo de Bombeiros, na casa de Eduardo havia equipamentos que estavam mal conectados aos circuitos elétricos, além de outros materiais inflamáveis que podem ter causado a ignição. Isso, somado ao vazamento da botija de gás - que foi encontrada nos destroços com o regulador quebrado - causou a explosão que culminou no desabamento do edifício.

Segundo o capitão Loreto, foram encontradas duas botijas de gás no local do desabamento, sendo uma vazia (que foi a que causou a explosão) e uma ainda cheia, que não teve relação com o acidente. Ele pontuou que o vazamento de gás começou no primeiro pavimento.

Vila Velha
Marcações em vermelho indicam os locais onde as vítimas foram encontradas sobre os escombros. Crédito: Divulgação/Bombeiros

"As fontes encontradas foram isqueiro, tomada, interruptor, equipamentos eletrônicos e eletrodomésticos e um maçarico portátil. Um desses objetos causou a explosão, mas não foi possível definir qual", disse.

PROBLEMAS NA ESTRUTURA DO PRÉDIO

O capitão Loreto ressaltou ainda que a estrutura do prédio apresentava problemas, o que potencializou os efeitos da explosão. Ele apontou, ainda, que a baixa ventilação no edifício fez com que o gás vazado ficasse retido.

"Uma possível perda de força estrutural causada por infiltração, baixa ventilação, porque era um ambiente pouco ventilado, baixo volume do ambiente. O escoamento (do gás) era difícil, com poucas aberturas, vai acumulando. A gente não encontrou regularização de projeto falando quanto peso a estrutura aguentava", completou.

Reconstituição do prédio que desabou em Vila Velha

Vila Velha
Projeção mostra o térreo do prédio que desabou e os locais onde haviam botijas de gás. Divulgação/Bombeiros
Vila Velha
Projeção mostra como era o edifício visto pelos fundos. Divulgação/Bombeiros
Vila Velha
Projeção em 3D mostra como era o prédio que desabou visto da rua. Divulgação/Bombeiros
Projeção em 3D mostra como era o prédio que desabou visto da rua
Projeção em 3D mostra como era o prédio que desabou visto da rua
Projeção em 3D mostra como era o prédio que desabou visto da rua

Loreto afirmou também que, como o apartamento era muito pequeno, somado à baixa ventilação, os efeitos da explosão foram mais devastadores. Ele disse que, caso a explosão tivesse acontecido em um ambiente maior, a energia causada poderia ter se dissipado e não teria destruído a estrutura do prédio.

"Se fosse uma explosão em um ambiente mais amplo, haveria uma dissipação de energia. Quando há a explosão em um ambiente menor, a energia atinge as estruturas", reforçou.

ENTENDA O CASO

Um prédio de três andares desabou na Rua Antônio Roberto Feitosa, bairro Cristóvão Colombo, em Vila Velha, na manhã do dia  21 de abril. O imóvel ficou completamente destruído. Moradores ouviram um estrondo antes do imóvel desabar.

Bombeiros trabalharam no resgate das vítimas até a madrugada do dia 22. De acordo com informações obtidas pela reportagem junto a vizinhos e pessoas próximas, as quatro pessoas que estavam no prédio são um senhor de 68 anos, identificado como Eduardo, a filha dele, Camila, e ainda Sabrina, neta do idoso, de 15 anos. No segundo andar, morava uma doceira identificada como Larissa, também filha do senhor de 68 anos, que foi a primeira a ser resgatada. Camila, Sabrina e o idoso morreram após o desabamento.

Imagens do Google Street View de 2019 mostram como era o edifício que desmoronou. As causas do desabamento ainda serão investigadas.

QUEM ERAM AS VÍTIMAS

  1. Eduardo Cardoso | Pai 
  2. Camila Morassuti Cardoso | Filha 
  3. Larissa Morassuti | Filha 
  4. Sabrina Morassuti Lima | Neta
Eduardo,  Larissa, Camila e Sabrina. Avô, tia, mãe e neta, respectivamente, estavam no prédio que desabou em Vila Velha
Eduardo, Larissa, Camila e Sabrina. Avô, tia, mãe e neta, respectivamente, estavam no prédio que desabou em Vila Velha. Crédito: Arquivo pessoal

A primeira a ser retirada dos escombros foi a doceira Larissa, por volta das 12h15. Ela morava no segundo andar do imóvel e foi resgatada com vida e consciente.

Por volta das 14 horas, Camila Morassuti Cardoso — irmã de Larissa, foi encontrada e retirada dos destroços, mas teve a morte confirmada no local. Por volta das 15h45, os bombeiros confirmaram que localizaram a adolescente Sabrina. Ela chegou a conversar com os militares, mas não resistiu e faleceu.

Já na madrugada da sexta-feira (22), o idoso foi encontrado morto. As buscas foram encerradas e os bombeiros descartaram a possibilidade de uma quinta vítima estar no imóvel no momento do desabamento, o que foi cogitado no início das buscas. 

EXPLOSÃO REGISTRADA EM VÍDEO

O exato momento da explosão foi registrado por uma câmera. Na imagem, consta o horário de 7h14. Segundo relatos de vizinhos, um forte estrondo foi ouvido pouco antes do imóvel de três andares cair. Rosana, que é vizinha do edifício que explodiu e desabou, relata ter escutado um barulho parecido com explosão.

"Era umas 7h30, eu estava dormindo, aí escutei um barulho pensando que fosse na casa de cima da minha filha. Aí meu esposo e meu filho saímos correndo, aí eu gritei: 'É a casa da Larissa. Embaixo mora o pai dela, a irmã e a sobrinha. Em cima mora ela e a casa acima dela estava vazia. Senti uma catinga de gás, os vidros da minha casa estão todos quebrados. Ouvi um barulho muito forte, parecia uma bomba, nunca vi isso na minha vida", contou.

Outro vizinho do prédio contou que o portão da casa dele foi arremessado com a explosão.

"Meu quarto fica nos fundos da minha casa e, por volta das 7h, a gente escutou o estrondo, achei até que era a minha casa porque o último andar aqui está em reforma, quando a gente veio correndo aqui para fora o meu portão estava no chão e vi a casa da Larissa que tinha desabado", relatou Antony.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.