ASSINE

Ministério da Agricultura encontra lote de cerveja contaminada no ES

A identificação do lote contaminado foi feita após recolhimento das notas fiscais de estabelecimentos que vendiam cervejas da Backer. O lote tinha sido distribuído para um supermercado da Grande Vitória

Publicado em 16/01/2020 às 11h17
Atualizado em 16/01/2020 às 13h27
Cerveja Capixaba da marca Backer comercializada no Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Backer
Cerveja Capixaba da marca Backer comercializada no Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Backer

O Ministério da Agricultura encontrou um lote contaminado da cerveja Capixaba, da cervejaria Backer, no Espírito Santo. O lote de número 1348, divulgado pela Polícia Civil de Minas Gerais como um dos que continham a substância dietilenoglicol, foi identificado pelo Ministério da Agricultura após análise de notas fiscais de um supermercado da Grande Vitória. A bebida, porém, já havia sido recolhida pelo estabelecimento, que faz parte da rede Carone.

As informações foram repassadas à reportagem de A Gazeta pelo superintendente do Ministério da Agricultura no Espírito Santo, Aureliano Nogueira.

Aureliano Nogueira

Superintendente do Ministério da Agricultura no ES

"Os dados com notas fiscais estão sendo enviados pelos estabelecimentos, mas já foi identificada a presença do lote 1348 do rótulo Capixaba em um supermercado. O produto estava na prateleira, mas acreditamos que ele não tenha sido consumido"

O lote será encaminhado para Belo Horizonte, onde serão feitas as análises de laboratório para confirmar a existência de dietilenoglicol na bebida. Apesar de a bebida ter sido disponibilizada para venda, segundo o Ministério da Agricultura, não é possível afirmar que a cerveja tenha sido comprada por algum cliente do supermercado.

Peritos da Polícia Civil analisam amostra da cerveja Belorizontina, da Backer. Crédito: Reprodução | Polícia Civil
Peritos da Polícia Civil analisam amostra da cerveja Belorizontina, da Backer. Crédito: Reprodução | Polícia Civil

"Conseguimos fazer uma ação preventiva e cautelar, e os estabelecimentos recolheram imediatamente após a nossa notificação. No caso deste supermercado foi feito até antes. Acredito que, por causa disso, essa cerveja não chegou a ser consumida", ressaltou.

A rede Carone informou que todos os lotes da cerveja Backer foram recolhidos das prateleiras assim que as primeiras notícias de contaminação foram divulgadas, antes mesmo da notificação do Ministério da Agricultura.

O Ministério da Agricultura não soube informar o volume de cervejas do lote contaminado que chegou ao Espírito Santo. As notas fiscais continuam sendo recolhidas para identificação dos lotes.  Até o momento, foram identificados sete lotes com a presença de dietilenoglicol. Confira abaixo quais são:

Lotes da cerveja onde foi encontrada a substância dietilenoglicol. Crédito: Divulgação/Ministério da Agricultura
Lotes da cerveja onde foi encontrada a substância dietilenoglicol. Crédito: Divulgação/Ministério da Agricultura

ENTENDA O CASO

Já no início de 2020, a existência de uma doença misteriosa, que causava problemas renais e neurológicos, em Minas Gerais, começava a ser investigada em Minas Gerais. Oito pessoas haviam sido internadas com os mesmos sintomas na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O caso evoluiu, e com ele a descoberta de que a doença misteriosa, na verdade, era uma intoxicação causada pela substância dietilenoglicol, usada no processo de resfriamento na fabricação de cerveja.

O engenheiro capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro é uma das vítimas contaminadas por dietilenoglicol. Ele está internado em um hospital de Belo Horizonte. Crédito: Reprodução
O engenheiro capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro é uma das vítimas contaminadas por dietilenoglicol. Ele está internado em um hospital de Belo Horizonte. Crédito: Reprodução

Após análises da Polícia Civil, o composto, que é tóxico, foi encontrado em amostras da cerveja Belorizontina e também da Capixaba, ambas da cervejaria Backer. De acordo com a própria empresa,  as cervejas são a mesma, só possuem rótulo diferente. Posteriormente o Ministério da Agricultura informou que a água usada no processo de produção da cerveja estava contaminada. 

VÍTIMAS DE INTOXICAÇÃO

O sogro dele, o bancário Paschoal Demartini Filho, 55 anos, morreu e foi a primeira morte confirmada do caso. A segunda morte foi divulgada pela Polícia Civil na última quarta-feira. A terceira morte, de um idoso de 89 anos, foi confirmada no dia seguinte, nesta quinta-feira (16).

A morte de uma idosa, que aconteceu em Pompéu, no interior de Minas Gerais, está sendo investigada, mas a relação com a doença ainda não foi oficialmente confirmada. Para saber mais sobre o caso, clique aqui.Para saber mais sobre o caso, clique aqui.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Grande Vitória Cervejaria Backer capixaba capixaba Cerveja Cerveja Contaminada

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.