ASSINE

Capixaba e Belorizontina são a mesma cerveja da Backer, só muda o rótulo

A Backer, que fabrica as cervejas, disse que ambas são produzidas no mesmo tanque e só adquirem rótulos diferentes. Em sete lotes foram encontrados dietilenoglicol, substância altamente tóxica

Publicado em 15/01/2020 às 10h14
Atualizado em 22/01/2020 às 11h38
Cerveja Capixaba é a versão da Belorizontina feita pela cervejaria Backer para o Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Backer
Cerveja Capixaba é a versão da Belorizontina feita pela cervejaria Backer para o Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Backer

As cervejas Belorizontina e Capixaba, que tiveram lotes contaminados pela substância tóxica dietilenoglicol, são a mesma bebida. De acordo com a Backer, fabricante das cervejas, apenas o rótulo é diferente. Ambas, porém, são vendidas no Espírito Santo. 

"A Belorizontina e a Capixaba são a mesma cerveja, feitas no tanque número 10, que está sendo investigado pela Polícia Civil. Elas só recebem rótulos diferentes, mas são a mesma, é isso", declarou Paula Lebbos, CEO da cervejaria Backer.

CEO da Backer pediu que a Belorizontina e a Capixaba não sejam consumidas . Crédito: Reprodução/Backer
CEO da Backer pediu que a Belorizontina e a Capixaba não sejam consumidas . Crédito: Reprodução/Backer

Até o momento, a Polícia Civil encontrou dietilenoglicol, substância usada no resfriamento de cerveja, em seis lotes da Belorizontina e um da Capixaba. Os lotes são: L2-1354, L2-1348, L2-1197, L2-1604, L2-1455, L2-1464 e L2-1348 (Capixaba).

A contaminação é apontada como a principal causa de duas mortes e 17 internações, todos os casos em hospitais de Minas Gerais. Até que a investigação seja concluída, a Backer pediu que as pessoas não bebam nenhum dos rótulos.

Paula Lebbos

CEO da cervejaria Backer

"Não bebam nem a Belorizontina e nem a Capixaba, qualquer que sejam os lotes. Eu não sei o que está acontecendo, então eu peço que não bebam até que a investigação seja concluída"

A CEO reafirmou que a Backer não usa dietilenoglicol no processo de resfriamento e que nunca adquiriu a substância. A cervejaria aguarda a investigação da Polícia Civil para explicar como a contaminação aconteceu. "Temos 70 tanques na cervejaria e, em todos eles, utilizamos o monoetilenoglicol para resfriamento. A Backer nunca comprou dietilenoglicol", destacou.

Polícia investiga a contaminação em tanque de cerveja da Backer. Crédito: Uarlen Valério/ O Tempo/  Folhapress)
Polícia investiga a contaminação em tanque de cerveja da Backer. Crédito: Uarlen Valério/ O Tempo/ Folhapress)

ENTENDA O CASO

Já no início de 2020, a existência de uma doença misteriosa, que causava problemas renais e neurológicos, em Minas Gerais, começava a ser investigada em Minas Gerais. Oito pessoas haviam sido internadas com os mesmos sintomas na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O caso evoluiu, e com ele a descoberta de que a doença misteriosa, na verdade, era uma intoxicação causada pela substância dietilenoglicol, usada no processo de resfriamento na fabricação de cerveja.

O capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro é uma das vítimas internadas em Belo Horizonte por causa da intoxicação causada por dietilenoglicol . Crédito: Reprodução
O capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro é uma das vítimas internadas em Belo Horizonte por causa da intoxicação causada por dietilenoglicol . Crédito: Reprodução

Após análises da Polícia Civil, o composto, que é tóxico, foi encontrado em amostras da cerveja Belorizontina, da cervejaria Backer. Posteriormente, a presença da substância também foi confirmada no rótulo Capixaba, da mesma cervejaria e produzida no mesmo tanque. 

Até quarta-feira (15), 17 casos e duas mortes estavam sendo investigados por suspeita de intoxicação por dietilenoglicol. Destes, quatro já foram confirmados, entre eles o do engenheiro capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro, 37 anos, que está internado em estado grave em Belo Horizonte, onde mora com a mulher. 

O sogro dele, o bancário Paschoal Demartini Filho, 55 anos, morreu e foi a primeira morte confirmada do caso. Uma segunda morte foi divulgada pela Polícia Civil nesta quarta-feira. A morte de uma idosa, que aconteceu em Pompéu, no interior de Minas Gerais, está sendo investigada, mas a relação com a doença ainda não foi oficialmente confirmada. Para saber mais sobre o caso, clique aqui.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Minas Gerais Cervejaria Backer Cerveja Cerveja Contaminada

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.