ASSINE

Risco de contaminação: passageiros denunciam ônibus e terminais lotados

Usuários do sistema Transcol registraram em vídeo aglomeração dentro e fora dos veículos. Eles relatam que redução da frota nos horários de pico oferece riscos de contaminação para quem depende do transportes público diariamente

Publicado em 22/07/2020 às 11h12
Atualizado em 22/07/2020 às 11h20
Ônibus que faz a linha 520 seguindo para o Terminal de Carapina, na Serra
Ônibus que faz a linha 520 lotado, seguindo para o Terminal de Carapina, na Serra. Crédito: Sebastião Lopes

Absurdo, perigoso e assustador. É assim que alguns passageiros do Sistema Transcol descrevem o dia a dia de quem precisa encarar ônibus e terminais lotados durante o período de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus na Grande Vitória.

O medo tem fundamento. A quarta fase do inquérito sorológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) apontou que 29,1% dos capixabas que testaram positivo passaram mais de 30 minutos dentro dos ônibus, onde quase nunca é possível respeitar a distância mínima de um metro, recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com as aulas presenciais suspensas e as restrições ao modo de funcionamento do comércio adotadas no início da pandemia, o governo do Estado reduziu a circulação para 1.100 veículos. Em março, quando ainda circulava 100% da frota, eram cerca de 1.300 ônibus

Segundo a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb-ES), o número de passageiros que usam o sistema por dia caiu de 600 mil para 260 mil e a quantidade de viagens realizadas nos horários de pico foram reduzidas em 90%.

Para evitar aglomeração, o secretário de Estado de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi), Fábio Damasceno, chegou a recomendar que os usuários do Transcol aguardem um ônibus vazio para garantir o distanciamento. A declaração foi dada em entrevista ao Bom Dia Espírito Santo, da TV Gazeta, em maio. Mas os usuários afirmam que, com a redução da frota, os veículos estão sempre cheios. Vídeos gravados por eles mostram lotação em ônibus e terminais.

Na opinião do jardineiro José Priezo de Souza, de 59 anos, o atual modelo do sistema está prejudicando a população. Segundo ele, os ônibus estão ainda mais lotados nos períodos que são considerados por ele horários de pico: às 7h e às 18h.

A pandemia mudou a rotina de toda a família dele. Casado, o jardineiro que mora no bairro Oriente, em Cariacica, é pai de duas meninas, de 7 e 4 anos.  Por volta das 4h40, ele embarca no ônibus 544 que faz a linha Terminal de Carapina - Terminal de Itacibá e segue para o trabalho em um condomínio na Rodovia do Contorno, na Serra.

Para  voltar, ele segue até o Terminal de Carapina e embarca no 504 (Terminal de Jacaraípe - Terminal de Itacibá). A mulher dele trabalha como doméstica. Por medo do contágio no trajeto de ônibus ao trabalho, desde o início do coronavírus no Estado, ela dorme no serviço durante a semana e volta para casa às sextas-feiras. As filhas ficam com os avós enquanto os pais trabalham.

José Priezo de Souza

Jardineiro

"Não existe a chance de esperar o próximo ônibus vazio. O que está acontecendo é um absurdo. Tem pouco carro rodando e a gente tá sofrendo muito. Todo mundo tem medo. Saio de casa para trabalhar às 4h da manhã, o ônibus tá cheio. À tarde, tá cheio também. Uns usam máscara e outros não. Como não ter medo desse jeito?"
^Onibus do Transcol com aviso de
Aviso em ônibus do Transcol pede para passageiros usarem máscara. Crédito: Carlos Alberto Silva

MEDIDAS DE SEGURANÇA

No relato do José,  um ponto que chama a atenção é a falta do Equipamento de Proteção Individual (EPI). Em uma reunião entre o Ministério Público e a Secretária de Estado de Mobilidade Urbana e Infraestrutura (Semobi) ficou definido que a entrada nos terminais só seria possível se o usuário estivesse usando máscara. 

O encontro também resultou na definição de que nenhum passageiro poderia seguir viagem em pé, os ônibus deveriam transitar com um número máximo de pessoas e nos terminais o distanciamento social de 1,5 metro seria fiscalizado.

Para a servidora pública Patrícia Azevedo nada disso está funcionando. Moradora de Jacaraípe, na Serra, todas as manhãs ela embarca no ônibus 806 que faz a linha até o Terminal de Jacaraípe. De lá, usa o 875 e segue até o Terminal de Laranjeiras.

Patrícia Azevedo

Servidora pública

"Esses dois terminais não suportam o fluxo de gente. Não tem espaço para fazer distanciamento. Você vê uma fila embolada na outra. Tento me distanciar, mas é difícil. Dentro do ônibus, tenho medo de pegar a Covid porque é todo mundo respirando junto o mesmo ar por muito tempo"
Usuários de transporte coletivo em um ponto de ônibus de Vila Velha
Usuários de transporte coletivo em um ponto de ônibus de Vila Velha. Crédito: Carlos Alberto Silva

DISTANCIAMENTO

Érica Portes, de 40 anos, mora em Santa Luzia, em Cariacica Sede, e trabalha em Vitória como auxiliar de almoxarifado. Na saída de casa, tem ao menos quatro opções de ônibus até o Terminal de Itacibá, no mesmo município.

A viagem dura cerca de 40 minutos. De lá, segue pelo 504 ou o 500, que passam na Avenida Vitória, já na Capital. Ela é taxativa: manter qualquer distanciamento social dentro dos ônibus ou nos terminais já não era possível antes da Covid-19, quando toda a frota estava em circulação.

Érica Portes

Auxiliar de almoxarifado

"Quem depende de transporte público não tem como fazer distanciamento. Andar de ônibus hoje é ainda mais perigoso e assustador. O certo era viajar uma pessoa sozinha em cada cadeira, mas não acontece. Se voltassem com aqueles ônibus que foram retirados de circulação, talvez amenizaria um pouco a situação"

ÁLCOOL E MÁSCARA

Na bolsa, máscaras reservas e álcool em gel. A que ela usa no rosto é trocada a cada três horas. O medo de ser infectada pelo novo coronavírus fez a assistente administrativo Juliana dos Santos Guimarães, de 33 anos, dobrar os cuidados com a saúde durante a rotina. Ela conta que no Transcol a sensação foi multiplicada.

Juliana Guimarães

Assistente administrativo

"Morro de medo de ser contaminada, justamente porque sou do grupo de risco. Sempre uso álcool quando entro no ônibus e depois que eu desço. Já vi pessoas colocando a máscara somente dentro do coletivo e muita gente sem nenhuma. Além de usar máscara, usar álcool em gel é o mínimo que devemos fazer"

Juliana mora em Coqueiral de Itaparica, Vila Velha, e sai de casa às 8h. Do bairro, pega o 606 para o Terminal de Vila Velha. De lá, tem opção de embarcar em outras três linhas (507, 501, 541) que passam na Reta da Penha, em Vitória. Ela trabalha na Praia do Canto, também na Capital.

“Evito pegar ônibus cheio, e sento do lado da janela. Às vezes, se o ônibus está vazio, mas vejo que não tem lugar ao lado da janela, nem entro. Quando estou na fila do Terminal de Vila Velha, faço o máximo para manter a distância de 1,5 metro, mas não tem muita saída já que o terminal fica lotado em horário de pico. No ônibus é praticamente impossível manter esse distanciamento”, reclama.

Uso de máscaras no transporte coletivo.

No bairro Glória, em Vila Velha, é possível ver pessoas atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
No bairro Glória, em Vila Velha, é possível ver pessoas atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Carlos Alberto Silva
Vitória - ES - Coronavírus - Coletivo passa pela avenida Jerônimo Monteiro, Centro.
Passageira usa máscara em coletivo que passa pela avenida Jerônimo Monteiro, Centro. Vitor Jubini
Vitória - ES - Coronavírus - Ponto de ônibus na avenida Jerônimo Monteiro, Centro.
Passageiros atendem a recomendação do governo e usam máscaras contra o coronavírus. Vitor Jubini
Vitória - ES - Coronavírus - Motorista dirige coletivo pela avenida Jerônimo Monteiro, Centro.
Motorista dirige coletivo pela avenida Jerônimo Monteiro, Centro de Vitória. Vitor Jubini
Motorista do Transcol no Terminal do Ibes segue a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
Motorista do Transcol no Terminal do Ibes segue a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Carlos Alberto Silva
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Carlos Alberto Silva
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Carlos Alberto Silva
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
No Terminal do Sistema Transcol, em Vila Velha, é possível ver usuários do sistema atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Carlos Alberto Silva
Vitória - ES - Coronavírus - Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro. Vitor Jubini
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.
Coletivo passa pela Rodovia Serafim Derenzi em São Pedro.

O QUE DIZ A CETURB

Questionada sobre a quantidade de linhas que sofreram alteração, a Companhia Estadual de Transporte Coletivo de Passageiros (Ceturb-ES) informou somente que está realizando 90% das viagens nos horários de pico. Confira a nota na íntegra:

  • A Ceturb-ES informa que a frota do Sistema Transcol está operando com 1.100 veículos e realizando 90% das viagens nos horários de pico. Antes da pandemia, eram transportados, em média, cerca de 600 mil passageiros por dia. Agora, essa média é de 260 mil passageiros por dia. O Sistema Transcol vem adotando uma série de medidas para diminuir o risco de contágio no transporte coletivo desde o início das restrições de circulação em decorrência da pandemia. Entre elas, estão o reforço na higienização dos coletivos com hipoclorito de sódio diluído, conforme orientações da Secretaria da Saúde (Sesa); Higienização e desinfecção diária nos terminais, além de disponibilização de sabonete nos banheiros; distribuição de máscaras para passageiros nos terminais;  obrigatoriedade do uso de máscaras para passageiros e colaboradores do sistema; superdimensionamento da operação para garantir o transporte, minimizando o risco de contaminação; recomendação para que passageiros embarquem somente em veículos com assentos disponíveis; disponibilização de botão de denúncia de lotação e do não uso de máscara no aplicativo ônibus GV;  marcação das filas nos terminais e recomendação aos passageiros para manutenção do distanciamento mínimo de 1,5 metro; retirada dos veículos com ar-condicionado de circulação; além distribuição de álcool gel e máscaras para trabalhadores do sistema, entre outras medidas.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.