ASSINE

Ifes tem ultrafreezers à disposição de vacinas e dialoga com governo do ES

Os equipamentos podem ser usados para armazenar as vacinas. Ufes também diz que está à disposição para apoiar e atender as solicitações dos órgãos de saúde

Vitória
Publicado em 13/01/2021 às 20h40
Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) do campus Vila Velha
Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) do campus Vila Velha tem ultrafreezer capaz de conservar vacinas. Crédito: Divulgação

A corrida pela imunização dos capixabas pode ganhar dois importantes aliados antes mesmo da chegada de uma vacina ao Espírito Santo. Ainda sem imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil, o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) informou que tem participado de conversas ao nível nacional e que dialoga com o governo do Estado para "cooperar com a vacinação". O Ifes disse ter três ultrafreezers à disposição para o armazenamento de vacinas. Eles podem atingir a temperatura de -86 ºC. A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) também garantiu que se "coloca à disposição para apoiar e atender as solicitações dos órgãos de saúde estadual e municipal".

Os ultracongeladores, muito comuns em laboratórios e instituições de pesquisas, podem ser úteis à campanha de vacinação. O imunizante da Pfizer desenvolvido em parceria com a BioNTech, por exemplo, exige esse tipo de cuidado, já que precisa ser armazenado em temperatura inferior a -70 ºC. A vacina Pfizer/BionTech ainda não teve o pedido de uso emergencial submetido à Anvisa.

Segundo o Ifes, os equipamentos estão localizados em AracruzPiúma Vila Velha. O uso durante a campanha de vacinação poderá ser feito preservando as pesquisas já em andamento nos laboratórios do Instituto.

Ainda de acordo com o Ifes, alguns freezers e geladeiras comuns, contando também com a infraestrutura física, poderão ser usados para colaborar com a campanha de vacinação.

Assim como o Instituto, a Ufes diz que pode colaborar com a logística de imunização contra a Covid-19 coordenada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Porém, não foi acionada até o momento.

Campus da Ufes em Goiabeiras: bandidos furtaram 120 metros de fios de cobre
 Ufes  também se coloca disponível para ajudar em vacinação. Crédito: Luciney Araújo/TV Gazeta

A Ufes, por meio da assessoria de comunicação, lembrou que já "participou ativamente" de outras campanhas de vacinação, como contra a febre-amarela e o sarampo. Não foi detalhado se a universidade possui ultrafreezers para o armazenamento de vacinas.

A reportagem de A Gazeta procurou o Governo do Estado para saber como andam as negociações com Ufes e Ifes, mas não obteve resposta.

O Brasil não tem data definida para o início da imunização e aguarda a resposta de dois pedidos feitos à Anvisa para uso emergencial de vacinas. As demandas da Fiocruz, com a vacina de Oxford, e do Butantan, com a Coronavac, devem ser atendidas no próximo domingo (17), quando podem ou não ser aprovadas para uso no país.

Em entrevista coletiva no último dia 11, o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, disse que assim que a vacina chegar ao Estado, os municípios capixabas vão recebê-las em até 48 horas. O secretário disse também que, se a vacinação começar até a última semana de janeiro, até 35 mil pessoas do grupo prioritário podem ser imunizadas ainda no primeiro mês de 2021.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.