ASSINE

Covid-19: ES volta a ter 300 pacientes em leitos de UTI após 5 meses

Número considera a situação da rede pública estadual nesta quinta-feira (20). Taxa de ocupação de leitos intensivos destinados à pandemia está perto de80%

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 20/01/2022 às 17h53

Diante da quarta onda da pandemia e de uma explosão de casos da Covid-19, o Espírito Santo voltou a ter, nesta semana, exatamente 300 pacientes internados em leitos públicos de UTI devido à doença – o que não acontecia desde o início de agosto do ano passado. O número consta, nesta quinta-feira (20), no Painel Ocupação de Leitos Hospitalares, atualizado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa)

Hospital Jayme Santos Neves, na Serra, recebe trinta e seis pacientes com Covid-19 vindos de Manaus
Pacientes são internados em leitos de UTI quando estão em estado grave; isso significa que 300 pessoas estão lutando contra o coronavírus para sobreviver. Crédito: Fernando Madeira

Após cerca de cinco meses, o patamar foi novamente alcançado na última segunda-feira (17), depois de uma crescente na internação, que começou a ser observada em dezembro, pouco antes das festas de Natal e Ano Novo e da confirmação da transmissão comunitária da variante Ômicron no Estado.

Na última sexta-feira (14), o governador Renato Casagrande já havia alertado que o número de internados com casos confirmados do coronavírus na rede estadual estava crescendo e chegou a dobrar no período de apenas um mês, apesar de ainda não configurar o que chamou de uma "situação de alarde".

Considerando tanto os leitos de UTI quanto os de enfermaria, o Espírito Santo tem 488 internados nesta quinta-feira (20), chegando ao 10º dia seguido acima de 450. Até então, a última vez em que este nível tinha sido alcançado era em outubro do ano passado. Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde.

Segundo especialistas e o próprio secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, a previsão é que os casos sigam aumentando nas próximas semanas. Diferentemente do que ocorreu nas ondas anteriores, a expectativa é que, devido à cobertura vacinal, o número de mortes não apresente um crescimento igualmente acelerado.

Ainda assim, para conter a nova fase de expansão da pandemia, o governo do Estado anunciou a adoção de algumas medidas. Entre elas:

Além disso, o governador Renato Casagrande reforçou, em seu último pronunciamento, a importância da vacinação contra a Covid-19 para manter os óbitos em queda e evitar maior pressão no sistema de saúde. "Quem relaxou, por favor, se vacine. Seja com a primeira, segunda ou terceira dose", pediu.

O QUE DIZ A SESA

Em nota, a Sesa explicou que existe a possibilidade de suspender parcialmente as cirurgias eletivas e que possui um "plano de contingência" que prevê o aumento de até 300 leitos de enfermaria, para Covid-19 e Influenza, até o início de fevereiro, para garantir o acesso da população à internação hospitalar.

A pasta também reforçou que a ocupação de 78,13% nos leitos de UTI diz respeito à disponibilidade atual de vagas na rede pública e ressaltou que a capacidade máxima de expansão é de 1.098 leitos intensivos – o que faz com que a taxa de ocupação baixe para 27,32%.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.