ASSINE

Mais votado em Vila Velha, Arnaldinho Borgo sobe o tom nas críticas no 2° turno

“Eu sou candidato por causa de Max, da incompetência dele em administrar a cidade”, declarou o candidato após o resultado das urnas

Vitória
Publicado em 15/11/2020 às 23h40
Arnaldinho Borgo recebeu 36% dos votos válidos e vai ao segundo turno
Arnaldinho Borgo recebeu 36% dos votos válidos e vai ao segundo turno. Crédito: Carlos Alberto Silva

Desbancando forças tradicionais da política na cidade, o vereador Arnaldinho Borgo (Podemos) foi o candidato mais votado para a Prefeitura de Vila Velha neste domingo (15). Com 36% dos votos válidos (73.122) ele vai para o segundo turno e enfrenta o atual prefeito, Max Filho (PSDB). O tucano teve 22,91% dos votos (46.523). 

Arnaldinho está em seu segundo mandato como vereador e concorre pela primeira vez ao cargo de prefeito. Em seu primeiro discurso após o resultado das urnas já deu o tom de sua estratégia neste segundo turno. “Eu sou candidato por causa de Max, da incompetência dele em administrar a cidade”, declarou.

A diferença entre os dois candidatos foi de 26.599 votos. No primeiro turno, 11 nomes disputaram a preferência dos eleitores canela-verde. A segunda etapa da eleição será realizada no dia 29 de novembro.

Durante a maior parte da corrida eleitoral, Arnaldinho correu por fora, aparecendo em terceiro lugar nas pesquisas, em uma disputa polarizada por Max Filho e Neucimar Fraga. Na mais recente sondagem feita pelo Ibope, divulgada na sexta-feira (13), no entanto, ele aparecia tecnicamente empatado com os dois, considerando o limite da marem de erro. Ao contrário de seus adversários, não poupou críticas às gestões passadas, com ataques mais direcionados ao atual prefeito, postura que já exercia na Câmara municipal.

Nesta reta final, Arnaldinho intensificou as caminhadas em várias regiões de Vila Velha e engrossou o discurso de combate à “velha política”, colocando-se como o candidato da renovação, mesmo não sendo um rosto tão novo nas urnas. Essa estratégia deve ser reforçada na campanha para o segundo turno.

“As pessoas mostraram que elas querem renovação, que elas não aguentam mais essa velha política na cidade, que fez Vila Velha ser uma cidade dormitório”, afirmou o candidato,

Com uma coligação pequena, composta por apenas três partidos (Podemos, PTC e Solidariedade), o vereador não contou com muitos aliados durante a corrida. O principal representante do seu partido, o senador Marcos do Val (Podemos), escolheu apoiar outro candidato na cidade, o tenente-coronel Wagner (PL).

"Tenho o máximo respeito pela escolha dele.  Ele escolheu apoiar um candidato que perdeu para um vereador", alfinetou. O militar ficou em quarto lugar na disputa, com 6,73% dos votos válidos (13.661).

A busca pelo apoio de outros candidatos é algo ainda incerto, segundo o candidato. Questionado sobre o assunto, ele desconversa. Diz que está aberto a conversas mas é assertivo: “Não vamos nos aliar à velha política, nós somos aliados do povo”. E emenda: "Não tive padrinhos políticos, ninguém colocou a mão na minha cabeça e disse que eu seria prefeito. Fiz uma campanha limpa, baseada em propostas."

Arnaldinho comemorou o resultado da apuração caindo nos braços de aliados, em um evento fechado para amigos na sede do Podemos, na Praia das Gaivotas, bairro onde mora, em Vila Velha. O vice dele, Victor Linhalis (Solidariedade), também estava no local. 

Confira a entrevista com o candidato:

O senhor deixou para trás duas lideranças políticas tradicionais em Vila Velha, se consagrando o candidato mais votado no primeiro turno. A que o senhor credita o resultado de hoje?

A cidade reconheceu que a gente representa a renovação e novas ideias. A nossa campanha foi sempre pautada em propostas, em mostrar que nós planejamos Vila Velha e queremos que as políticas públicas funcionem e cheguem ao povo. Somos a nova política e a nova política é você não fazer troca, é não vender a prefeitura.

A sua campanha foi uma das mais críticas em relação à gestão atual e administrações passadas. O prefeito Max Filho será seu adversário no segundo turno. Esse tom vai ser mantido?

Não é uma crítica, é uma constatação a questão da velha política e da oposição à atual administração. A gente não faz campanha baseada em crítica, a gente faz uma campanha propositiva, limpa, honesta. Queremos de fato debater propostas de políticas públicas, e é isso que esperamos do nosso adversário.

Qual sua estratégia para vencer o segundo turno?

A nossa estratégia é conseguir levar para a população todas as nossas propostas. Vamos continuar ouvindo e conversando com o povo para que Vila Velha se transforme na melhor cidade para se viver e se empreender.

O candidato Neucimar Fraga ficou fora do segundo turno. Ele obteve cerca de 39 mil votos, que vão para algum candidato no segundo turno. O senhor pretende busca essa aliança?

A nossa aliança é com o povo, todos os que querem a renovação estão prontos para caminhar no nosso projeto.

Mas o senhor aceitaria o apoio de Neucimar caso ele te procurasse? Não acha importante?

A gente quer caminhar com o povo, a nossa prioridade é com o povo e não com os políticos de fato, com A ou B. A importância, neste momento, é conseguir mostrar o planejamento que fizemos para Vila Velha. É isso que vai levar a gente à vitória.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.