ASSINE

Servidor de prefeitura no ES que espetou gato com vergalhão é preso

O servidor público de Linhares Victor Brandão Machado, de 43 anos, foi preso nesta quinta-feira (26) após confessar que cometeu as agressões contra o animal. Ele já foi transferido para uma penitenciária de Linhares

Linhares / Rede Gazeta
Publicado em 26/11/2020 às 18h19
Atualizado em 26/11/2020 às 23h38
Victor Brandão machado se apresentou na Delegacia Regional de Linhares
Victor Brandão machado se apresentou na Delegacia Regional de Linhares . Crédito: Reprodução

O servidor público da prefeitura de Linhares Victor Brandão Machado, de 43 anos, foi preso nesta quinta-feira (26) após confessar que espetou um gato várias vezes com um vergalhão na cidade do Norte do Espírito Santo. Durante o depoimento prestado à  Polícia Civil nesta manhã, ele afirmou que tinha a intenção de matar o gato. O servidor já foi transferido para uma penitenciária do município.

O homem, que chegou a ser considerado foragido e foi procurado por dois dias, se apresentou na delegacia da cidade com um advogado nesta manhã (26). O delegado Romel Pior de Abre Júnior, responsável pela investigação do caso, falou sobre a confissão de Victor.

“Ele alega que a intenção foi matar o gato e não torturar. Ele tentou dar algumas estocadas com um pedaço de vergalhão, mas o gato se esquivava. Por essa razão ele teve que desferir mais de um golpe. Durante o interrogatório ele disse que estava arrependido”, disse o delegado.

O servidor público prestou depoimento por aproximadamente duas horas. Ele afirmou que tentou matar o animal porque o gato entrava na casa dele constantemente. O acusado também disse que está passando por problemas psicológicos.

Gato foi torturado em Linhares
Gato foi torturado em Linhares . Crédito: Reprodução

"Segundo ele, o animal entrava na casa dele, urinava, defecava e causava inúmeros prejuízos. De acordo com o que ele nos disse, ele ficava privado de poder abrir a janela e a porta da casa. Ele disse que está passando por um momento depressivo e acabou tomando essa atitude drástica na madrugada de segunda-feira (23)", relatou o delegado.

O acusado é servidor público na prefeitura de Linhares há 11 anos e atualmente trabalha no setor administrativo da Secretaria de Saúde do município. No perfil dele em uma rede social, o servidor informa que atua como oficial administrativo da prefeitura.

Prefeitura de Linhares publicou uma nota oficial expressando indignação, tristeza e solidariedade diante dos atos de extrema crueldade contra o gato. A administração municipal também informou que todas as providências necessárias e legais já estão sendo tomadas pelos órgãos competentes com relação aos fatos. A nota oficial não fez menção a uma possível exoneração do servidor.

O advogado Marcos Soares, que defende Victor no processo, alegou que o cliente está arrependido.

"A gente não teve acesso à integralidade do processo ainda. A gente apresentou o Victor ao delegado, o Victor esclareceu os fatos. Contou a versão dele e disse que está arrependido. Ele não é o monstro que a sociedade tem pintado. Ele estava tendo transtornos com esse animal por mais de um ano. Isso não justifica o ato que ele cometeu, mas ele está arrependido pelo que fez", disse o advogado.

O CASO

Com o auxílio de outras pessoas, o gato foi retirado do local das agressões. O animal ficou com vários ferimentos pelo corpo e na cabeça. Ele foi encaminhado para o atendimento com um médico veterinário e recebeu pontos para fechar as feridas. Depois de recuperado, o gato será colocado para adoção.

HOMEM QUE APARECE NOS VÍDEOS NÃO É O AUTOR DO CRIME

Nas imagens do resgate do gato, o professor Cícero Ezequiel de Pádua aparece ajudando a retirar os vergalhões do corpo do animal. Apesar disso, algumas pessoas confundiram ele com o suposto agressor do gato.

Em nota, a Polícia Civil salientou que o homem não é o autor dos maus-tratos. Após a repercussão do caso, o professor gravou um vídeo para informar que não tinha relação com as agressões. Na manhã desta terça-feira (24), ele também esteve na Delegacia Regional de Linhares para esclarecer a situação.

Cícero não é o autor das agressões contra o animal
Cícero não é o autor das agressões contra o animal . Crédito: TV Gazeta

"Nas redes sociais, algumas pessoas estavam afirmando que iriam me matar. Eu sou uma pessoa que ama os animais e estou torcendo para a recuperação do gatinho", disse.

LEI MAIS DURA

No último dia 29 de setembro, o presidente Jair Bolsonaro sancionou uma lei que aumenta a punição para quem praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. A legislação abrange animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, incluindo cães e gatos, que acabam sendo os animais domésticos mais comuns e as principais vítimas desse tipo de crime.

A nova lei cria um termo específico para esses animais. Agora, como define o texto, a prática de abuso e maus-tratos a animais será punida com pena de reclusão de dois a cinco anos, além de multa e a proibição de guarda.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Linhares Polícia Civil linhares Maus tratos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.