ASSINE

Animais marinhos capturados no ES eram vendidos ilegalmente no RJ

De acordo com agentes, após serem coletados em Marataízes, os animais eram transportados para as cidades de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos

Publicado em 08/10/2020 às 10h49
Dentre os animais marinhos retirados ilegalmente dos recifes de corais, estão arraias
Dentre os animais marinhos retirados ilegalmente dos recifes de corais, estavam as arraias . Crédito: Foto de Kristian Laine/ Pexels

Polícia Civil do Rio de Janeiro realizou, nesta quarta-feira (7), a "Operação Poseidon" para desarticular uma organização criminosa que coleta ilegalmente animais marinhos em risco de extinção na cidade de Marataízes, no Espírito Santo, para vender a lojistas do Estado do Rio, assim como São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais. Segundo as informações divulgadas pela polícia, duas pessoas foram presas e mais de 100 animais apreendidos.

A operação que buscava cumprir seis mandados de busca e apreensão na capital do Rio de Janeiro e em cidades da Região dos Lagos foi coordenada pela Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), e também contou com o apoio da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), da 126ª DP (Cabo Frio) e do Ministério Público.

De acordo com os agentes da ação, após serem coletados em Marataízes, os animais eram transportados para as cidades de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, no Rio. Em seguida, armazenados em um depósito e vendidos para outros lugares.

ATÉ TUBARÕES

As investigações mostram que os presos são os operadores do esquema, que conta com pescadores e revendedores de animais e possui uma loja física para a comercialização em Cabo Frio. Dentre os animais marinhos retirados dos recifes de corais, estavam tubarões, arraias, cavalos-marinhos, estrelas-do-mar e corais ameaçados de extinção e com a coleta proibida.

Para a Polícia Civil, a organização cometeu crimes ao agravar danos ao meio ambiente e problemas que estão relacionados ao risco biológico ao bioma marinho, já que, uma vez retirados de habitat natural e misturados a outros animais exóticos durante o armazenamento, os peixes e corais não podem mais retornar ao local de origem.

ANIMAIS SERÃO EXPOSTOS 

O fim da operação acontecerá após a análise do material apreendido durante a ação. E os animais serão encaminhados ao AquaRio, considerado o maior aquário marinho da América do Sul. Desse modo, com o término da quarentena, serão expostos com o objetivo de conscientizar o público e transmitir educação ambiental.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.