ASSINE

Itapoã é o bairro com mais casos de coronavírus em Vila Velha

Bairro é um dos mais populosos do município e soma 22 notificações da doença. O balanço é relativo às 14 horas do último sábado (11) e foi divulgado neste domingo (12) pela Secretaria de Estado da Saúde, que alerta que número pode ser maior

Publicado em 13/04/2020 às 08h08
Atualizado em 13/04/2020 às 09h23
Vila Velha - Coronvavírus - Movimento do calçadão Em Itapuã e Pra Costa.
Itapoã é a região com mais casos de coronavírus em Vila Velha. Nos últimos dias, aumentou o fluxo de pessoas não seguindo as recomendações de isolamento social. Crédito: Vitor Jubini

Vila Velha é a cidade do Espírito Santo que mais registrou casos do novo coronavírus. Segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) neste domingo (12), o município canela-verde já soma 125 pessoas infectadas, sendo que 22 delas estão no bairro Itapoã, o que concentra mais casos de Covid-19 no município.

Na mesma data, a Sesa também deu um novo detalhamento em relação às notificações em todo o Estado e também divulgou a quantidade de pessoas acometidas com Covid-19 por bairros. Em Vila Velha, Itapoã aparece na dianteira de casos notificados. Até às 14 horas do último sábado (11), 22 pessoas foram contabilizadas com o novo coronavírus. Em seguida vem Praia da Costa, com 17 e Praia de Itaparica, com 9 notificações.

Depois de Vila Velha, a capital Vitória concentra mais casos confirmados do novo coronavírus, com 111 registros. Na Capital, Jardim Camburi lidera a lista dos bairros com mais casos, concentrando 38 confirmações da doença.

Este vídeo pode te interessar

MAIS CASOS

A Secretaria de Estado da Saúde reforça, contudo, que esses números podem ser maiores, devido à limitação na quantidade de testes realizados nos municípios. Além disso, o relatório da pasta computa apenas os casos confirmados, não apontando os que podem estar assintomáticos com a doença.

Por isso mesmo, a Sesa, orienta a manutenção dos cuidados básicos com a higiene, como lavar as mãos com água e sabão, usar álcool 70% na impossibilidade de higienizar as mãos, além de permanecer em isolamento social, evitando ir à rua desnecessariamente.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.