ASSINE

ES regulamenta regra para Fundo Soberano se tornar sócio de empresas

Estado publica nesta sexta decreto para autorizar fundo investir em negócios que atuam no ES ou que são daqui e querem expandir para outros Estados

Publicado em 26/11/2020 às 11h40
Atualizado em 26/11/2020 às 15h49
Tyago Hoffmann, Secretario de Estado do Governo
Tyago Hoffmann, Secretario de Estado do Governo. Crédito: Ricardo Medeiros

O governo do Espírito Santo apresentou nesta quinta-feira (26) o decreto da regulamentação do Fundo Soberano do Estado do Espírito Santo (Funses). O texto será publicado na edição desta sexta-feira (27) do Diário Oficial do Estado (DIO-ES). Criado em 2019 para formar, com o dinheiro do petróleo, uma poupança intergeracional, o recurso tem a intenção de garantir o desenvolvimento socioeconômico do Estado pelas próximas décadas. 

Com isso, o governo poderá ser sócio de empresas. Porém, o dinheiro só poderá ser investido em empresas que tenham ligação com o Estado e para ser sacado terá que atender a regras específicas. Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), até a última terça-feira (24), o Funses, já soma R$ 360 milhões em caixa.  

O anúncio é feito na manhã desta quinta-feira (26), no Álvares Cabral, em Vitória, durante o lançamento do Plano Espírito Santo - Convivência Consciente. O programa de retomada da economia capixaba tem o objetivo de adotar ações que contribuam para o enfrentamento da crise causada pelo novo coronavírus e que estimulem o dinamismo econômico local. O decreto será publicado nesta sexta-feira (27) no Diário Oficial.

O Fundo Soberano do Estado é um fundo híbrido que servirá para o Estado fazer uma boa poupança e também será utilizado pelo Espírito Santo para fazer outros investimentos. Todo o recurso que chega ao fundo soberano é dividido em dois caminhos:  investimento em negócios privados, feito pelo Banco de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo (Bandes), e poupança estadual, que estará sobre os cuidados do Banestes.

Dessa forma, 60% do recurso do Funses ficará disponível para o governo investir em novos negócios, tendo participações em empreendimentos que julgar competitivos. Segundo o secretário de Estado de governo, Tyago Hoffman, em fala durante o evento, o Estado só vai investir o dinheiro em empresas de fora do Espírito Santo quando essas estiverem vindo para o território capixaba, por exemplo, na expansão do negócio no Estado.

Tyago Hoffman

secretário de Estado de governo

"O fundo pretende ser um indutor do crescimento no nosso território e indutor do crescimento das empresas capixabas fora do Estado"

O Bandes poderá investir o dinheiro do Funses em fundos de investimento estruturados, ações de sociedades empresariais e debêntures emitidas em ofertas públicas. Sendo que a participação do Fundo Soberano em sociedades empresariais será realizada apenas por meio de fundos de investimento regulamentados pela CVM.

Para que isso ocorra, o banco publicará editais de chamada pública que poderá realizar: subscrição de cotas em fundos de investimentos estruturados regulamentados pela CVM ou selecionar gestores/administradores para constituição de fundos de investimento estruturados.

Já os 40% restantes do Funses formam uma poupança estadual que não pode ser sacado a qualquer momento. Segundo as regras, apenas quando for possível ter um saldo remanescente de R$ 2 bilhões, atualizados, após o saque, ou em situação de crise muito profunda, que tornem as finanças públicas do Estado deficitárias, a poupança poderá ser acionada. "Esse recurso é para gerações futuras e não para a nossa geração", explicou Hoffman.

De acordo com o regulamento, que será publicado nesta sexta-feira (27), ao Banestes caberá constituir um fundo multimercado que terá como cotista exclusivo o Funses, na condição de investidor profissional. Esse fundo terá como objetivo gerar mecanismos de poupança, com finalidade intergeracional e para mitigar possíveis riscos fiscais e auxiliar a condução da política financeira em períodos anticíclicos.

Ele terá como meta de rentabilidade mínima 100% da variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Além disso, as aplicações precisam ser considerados de baixo risco de crédito e o limite máximo de concentração de investimento em uma mesma pessoa jurídica será de 20%.

Renato Casagrande durante Espírito Santo o lançamento do plano de investimentos nesta quinta-feira (26)
Renato Casagrande durante o lançamento do plano de investimentos. Crédito: Ricardo Medeiros

Durante a abertura do evento, o governador do Estado, Renato Casagrande (PSB), lembrou que nenhum outro Estado tem um Fundo Soberano, como o Espírito Santo. "Estamos tirando parte da receita para guardar para o futuro. Temos um Fundo Soberano, que vai se associar a investimentos privados, dentro das ações estratégicas que temos, e vai nos permitir dar continuidade aos projetos", enfatizou.

O secretário de Estado de governo, Tyago Hoffman, lembrou que em 2014, o governador tomou a decisão de criar o fundo soberano. "Naquela época já tentávamos um acordo com a Petrobras e tivemos a felicidade de, em 2019, no nosso retorno [ao governo], conseguir levar isso adiante. Não seria justo usar todo esse recurso sem pensar nas futuras gerações. Poderíamos colocar recurso no caixa, fazer muitas entregas, mas é uma fonte de recursos finita", ressaltou.

O secretário comentou ainda que o Estado aprendeu muito, com o Fundo Soberano brasileiro, sobre o que não se fazer. Hoffman aponta que, no caso nacional, o governo federal criou um fundo e, quando dava, depositava algum recurso nele. 

Tyago Hoffman

secretário de Estado de governo

"Precisávamos de uma fonte de recursos específica. Conhecemos também o fundo soberano de Singapura e da Noruega, que nos serviram como base. No Fundo Soberano do Espírito Santo, parte dele vai ser voltada para aplicação em empresas capixabas, e outra parte vai para uma poupança intergeracional"

O Funses terá um site próprio mostrando os recursos disponíveis, aplicações e prestação de contas. Além disso, terá outras regras para facilitar a fiscalização de órgãos esternos. O secretário de Estado de governo afirma que foram criadas regras muito rígidas para o saque do recurso.  

O FUNDO SOBERANO DO ES

Atualmente, o Espírito Santo é o 4º maior produtor de gás natural do país e o 3º maior produtor de petróleo. Com isso, o Estado recebe receitas ordinárias vindas da exploração, produção e comercialização do petróleo, do gás natural e dos seus derivados. Ao Espírito Santo são pagos royalties, participação especial e tributos (ICMS), que totalizam pouco mais de 20% da receita corrente líquida estadual.

Em abril do ano passado, o Estado assinou um acordo com a Petrobras e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) para dar fim a disputa jurídica em torno do Parque das Baleias, localizado no Litoral Sul do Estado, na parte capixaba da Bacia de Campos. O dinheiro que tem entrado no caixa do Tesouro é uma consequência da unificação de uma série de campos de petróleo que, para efeito de cálculo das compensações, é considerado apenas um, desde 2012.

Antes a Petrobras só pagava ao Estado as participações referentes a Jubarte, Baleia Franca e Baleia Azul e de forma separada. Porém, como as plataformas atuam de forma integrada, a unificação teve a intenção de corrigir distorções no cálculo do benefício. Agora também fazem parte da conta os campos de Baleia Anã, Cachalote, Caxaréu, Mangangá e Pirambu.

A lei que criou o fundo foi sancionada em junho do ano passado. Quando passou pela Assembleia Legislativa do Estado, foi aprovado por todos os deputados presentes na votação. 

(Com informações de Caroline Freitas/A Gazeta)

ASSISTA A TRANSMISSÃO DO LANÇAMENTO DO PLANO ESPÍRITO SANTO

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Governo do ES empresas espírito santo Sefaz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.