ASSINE

As cidades do ES onde o mercado de trabalho está mais aquecido

Nem todos os municípios têm se recuperado da crise econômica do coronavírus no mesmo ritmo. Saiba onde houve a criação de mais postos de trabalho neste ano

Publicado em 30/10/2020 às 05h00
Atualizado em 30/10/2020 às 05h06
Carteira de Trabalho e previdência social
Carteira de Trabalho. Crédito: Fernando Madeira

A recuperação econômica pós-pandemia tem dados sinais claros. Há três meses consecutivos, o Espírito Santo registra saldo positivo no emprego, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que contabiliza trabalhadores com carteira assinada. Isso significa que, desde julho, houve mais contratações do que demissões no Estado.

Contudo, a retomada do emprego formal não tem acontecido de forma homogênea entre os municípios. Enquanto alguns gozam de um saldo positivo no acumulado do ano, de janeiro até setembro, outros ainda amargam perdas pesadas.

Na Serra, por exemplo, somente em setembro, houve a criação de 2.258 vagas de emprego. Considerando o número de contratações feitas a mais do que as demissões no ano de 2020, o saldo positivo é de 1,2 mil postos de trabalho. Isso significa que, em cerca de três meses, a cidade não só conseguiu recuperar todos os postos de trabalho perdidos durante o auge da crise econômica do coronavírus - entre março de junho - como ampliou as vagas disponíveis.

O mesmo aconteceu com Aracruz, no Norte do Estado, que tem saldo positivo neste ano de 1,6 mil vagas. 

Na outra ponta da tabela (veja abaixo), alguns municípios ainda sofrem para se recuperar dos estragos da pandemia.

Vitória, por exemplo, amarga um saldo negativo de 4,3 mil vagas. Ainda que nos últimos três meses a cidade tenha registrado avanços positivos - como a criação de quase mil postos em setembro - ainda não foi suficiente para compensar as baixas dos meses anteriores.

O mesmo ocorreu com Vila Velha e Cariacica, que, no acumulado do ano, fecharam 3 mil e 2,3 mil vagas, respectivamente.

PARTICULARIDADES DE CADA CIDADE

O economista-chefe da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e diretor executivo do Ideies, Marcelo Saintive, lembra que o setor industrial não sofreu com restrições de atividades como ocorreu com o comércio e os serviços. Por isso, ele avalia que cidades onde a indústria é mais presente, como Serra e Aracruz, tenham “segurado” mais empregos e voltado a contratar mais rápido, uma vez que a economia global começou a aquecer.

“Vitória e Vila Velha têm uma concentração maior de comércio e serviços, e só agora eles estão contratando com mais força. Isso é natural, porque o distanciamento social fez com que o comércio voltasse mais tarde. Por isso, elas estão demorando mais a se recuperar”, avalia.

Em abril, mês com pior saldo de emprego no país, o comércio do Espírito Santo chegou a fechar mais de 5 mil postos de trabalho com carteira assinada.

ARACRUZ SE BENEFICIOU DE DESEMPENHO INDUSTRIAL

Sobre Aracruz, Saintive aponta que a indústria de transformação foi a que mais empregou no pós-pandemia, o que beneficiou o município.

Em março deste ano, por exemplo, o casco de um novo navio-plataforma da Petrobras chegou ao Espírito Santo para ter a construção finalizada no Estaleiro Jurong Aracruz (EJA).

A Suzano também tem um parque industrial na cidade e, segundo o IBGE, a produção do setor de celulose cresceu 50% em julho de 2020 em comparação com o mesmo mês de 2019.

LOGÍSTICA E CONSTRUÇÃO CIVIL

A secretária municipal de Trabalho, Emprego e Renda da Serra, Aline de Oliveira, cita que na cidade foi notado um crescimento do setor de logística e de limpeza e manutenção.

“Além disso, nós fomos atrás dessas vagas. Montamos um call center que entrava em contato com as empresas e depois repassava por e-mail ou WhatsApp para quem estava procurando trabalho”, conta.

O economista Eduardo Araújo lembra ainda que a construção civil tem peso importante na retomada do emprego, pois demanda muita mão de obra. Segundo dados do Caged, somente em setembro, no Espírito Santo, a construção civil foi responsável pela abertura de 1.553 novos postos de trabalho

“O segmento de construção civil emprega muito e acaba favorecendo as cidades nesse sentido. Nesse conjunto, entram tanto as edificações residenciais como obras de engenharia da chamada construção pesada”, aponta.

Ainda mais em cidades menores, obras públicas de infraestrutura, por exemplo, podem provocar um “boom” de empregos, já que a base de trabalhadores não é tão grande.

SINAL DE RETOMADA

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip, os números do emprego no Estado mostram dinamismo econômico.

“A sinalização é de retomada. Em setembro tivemos a informação importante de que o comércio contratou mais. Para nós é importante, porque ele tem base muito grande de micro e pequenas empresas e foi um dos setores que mais sentiu na pandemia. Não está no desejado ainda, mas já é uma informação importante de que a economia está girando”, avalia.

DESAFIO PARA FUTUROS PREFEITOS

Essa também é a avaliação do economista-chefe da Findes. Ele aponta que o Espírito Santo tem condições de sair da crise econômica mais depressa que outros entes federativos, e os municípios podem vir a reboque.

“Aqueles mais preparados, com planejamento fiscal mais organizado e melhores ambientes de negócios, certamente, vão sair na frente. É muito importante que os novos gestores (novos prefeitos) se organizem para fazer um bom desenho de política pública de imediato, pensando em como podem alavancar rapidamente a economia do seu município”, aponta.

Para Eduardo Araújo, com o fim dos auxílios federais no ano que vem, o papel dos prefeitos na implementação de políticas de geração de emprego e renda será ainda mais central.

“Os prefeitos terão que começar mandatos tendo a questão de ambiente de negócios como sendo carro-chefe das gestões municipais. Precisarão ‘estender o tapete vermelho’ para quem está pensando em empreender na sua cidade”, diz.

Aracruz Cariacica Empregos (ES) Serra Vila Velha Vila Velha Vitória (ES) Findes aracruz indústria Comércio Mercado de trabalho

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.