Médica capixaba é uma das primeiras a receber vacina de Oxford no Brasil

A pneumologista Margareth Dalcolmo se tornou uma das maiores referências em Covid-19 no Brasil . Ela foi imunizada neste sábado (23)

Publicado em 23/01/2021 às 15h49
Atualizado em 23/01/2021 às 17h59
Pneumologista Margareth Dalcolmo foi a segunda a ser vacinada com o imunizante de Oxford no Brasil
Pneumologista Margareth Dalcolmo foi a segunda a ser vacinada com o imunizante de Oxford no Brasil. Crédito: Fiocruz/Reprodução/YouTube

Margareth Dalcolmo, médica capixaba que se tornou uma das maiores referências em Covid-19 no Brasil em meio à pandemia da doença, recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford na tarde deste sábado (23). Com outros especialistas, ela foi uma das primeiras a receber o imunizante no Brasil. Veja o vídeo:

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu dois milhões de doses da vacina, que também começará a ser distribuído para os estados brasileiros em breve. Além da capixaba, que também é pesquisadora da Fiocruz, os infectologistas Evandro Chagas e Helio Cruz (ambos da Fiocruz) também foram vacinados em uma cerimônia que deu início a imunização com a vacina de Oxford no país. 

Após receber a dose, Margareth disse, em entrevista, que este foi um dia simbólico. "Pensei (ao receber a vacina) que vai chegar um dia em que poderemos realmente comemorar. Hoje é um dia simbólico, mas chegará um dia que teremos a cobertura vacinal desejada, de 70% da população, e com as doses produzidas pelos dois grandes institutos públicos do país, Butantan e Fiocruz".

O Espírito Santo, conforme anunciado pelo Ministério da Saúde, receberá 35,5 mil doses da vacina de Oxford/AstraZeneca na manhã deste domingo (24)

As vacinas já começaram a deixar a fábrica da Fiocruz, no Rio de Janeiro, na tarde deste sábado (23) para separação e distribuição para os Estados e municípios.

No início da semana, Margareth emocionou com discurso que fez durante cerimônia do Prêmio São Sebastião da Cultura, no Rio. A médica capixaba criticou o atraso no envio das vacinas ao Brasil e chegou a ser apoiada por personalidades da mídia e políticos brasileiros nas redes sociais

Em determinado ponto do discurso, Margareth lamentou: "Algumas notícias me chegaram agora e vou compartilhar... É um momento crucial (choro)... Isso me emociona porque fiquei surpresa, acho que agora é hora da sociedade brasileira mostrar realmente o que tenho tentado chamar como médica e cidadã de consciência cívica. É inaceitável que neste momento, no Brasil, nós tenhamos que acabar de receber a notícia de que as vacinas não virão da China e da Índia"

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.