ASSINE

"Escola deve ser a última coisa a voltar", diz secretário de Educação

Vitor de Angelo avalia que, pelas caraterísticas da educação escolar, o retorno dos alunos precisa de um prazo para a adoção dos protocolos de saúde necessários

Publicado em 13/05/2020 às 21h13
Sala de aula
Sala de aula vazia: Secretaria de Estado da Educação (Sedu) faz planejamento para retomada das atividades, ainda sem data definida. Crédito: Pixabay

Com as aulas presenciais suspensas há quase dois meses devido à pandemia do novo coronavírus, pais, alunos, professores e gestores vivenciam a expectativa do retorno. A projeção da Secretaria de Estado da Educação (Sedu), porém, é que, entre tantas atividades que tiveram suas rotinas alteradas e paralisadas, o ensino escolar deve ser o último a voltar. As características da educação presencial vão exigir um prazo maior para a adoção de novos protocolos. 

O secretário estadual da Educação, Vitor de Angelo, explica que a decisão para a retomada vai se basear nas orientações da Saúde porque a volta às aulas não será como foi o início do ano letivo, em fevereiro. Quando os indicadores da Covid-19 permitirem atividades presenciais nas escolas, ainda assim deverão ser implementadas medidas de distanciamento social.

"Voltar as aulas não é como reabrir o comércio que não tem que alterar lei, nem nada. Estabelece protocolo e volta. Na educação, para diminuição de alunos em sala de aula, por exemplo, só posso fazer isso dividindo a turma e isso não tem base legal. Essas medidas precisam ser construídas porque a educação não segue a lógica da pandemia. Assim como deu trabalho organizar as atividades não presenciais, para a volta também teremos muito a fazer", argumenta o secretário.

Vitor de Angelo ressalta que, mesmo sem uma data definida para a retomada, a Sedu está elaborando um planejamento de atividades tendo julho como referência. Mas o secretário faz questão de esclarecer que não significa que será este o mês do retorno das aulas. Pode ser antes, ou mesmo depois, dependendo do comportamento da Covid-19 em território capixaba.

"Não podemos anunciar algo que as autoridades de saúde é que devem dizer se pode ou não acontecer. O que a Sedu faz é operacionalizar no ambiente escolar as orientações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Quando disser que poderemos voltar,  voltaremos. Isso vai acontecer em alguma hora e, por isso, precisamos nos planejar. A escola deve ser uma das últimas atividades a retornar."

Assim que houver autorização da área da saúde para a volta às aulas, Vitor de Angelo lembra que ainda haverá necessidade de estabelecer os protocolos  com os municípios e a rede privada, para que a retomada das atividades seja feita de maneira conjunta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.