ASSINE

Coronavírus: Matriz de Risco do ES deve passar por mudanças

O Estado apresenta uma tendência do aumento de casos confirmados, internações e óbitos provocados pelo novo coronavírus

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 11/03/2021 às 16h14
Atualizado em 11/03/2021 às 16h14
Mapa de risco 08 03 21
última Matriz de Risco divulgada pelo governo do Estado. Crédito: Governo do Espírito Santo

Com 83,84% dos leitos de UTI destinados ao tratamento de Covid-19 ocupados, a tendência do aumento de internações e óbitos provocados pela doença e o colapso do sistema de saúde em diversos estados brasileiros, o governo do Espírito Santo deve mudar a Matriz de Risco de Convivência nesta sexta-feira (12).

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, o governo também estuda a possibilidade de adotar medidas que devem ser seguidas por todos os 78 municípios capixabas. O objetivo principal é conter o avanço da pandemia observado em outras regiões.

"É possível que a gente atualize algumas medidas e que o Estado passe a ter algumas restrições a serem adotadas, ou na matriz de risco, de acordo aos níveis, ou algumas medidas transversais que se apliquem a todos os municípios. Essas medidas estão sendo avaliadas e amanhã (sexta) a conclusão será anunciada pelo governador", informa Nésio.

A Matriz de Risco de Convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias.

Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início no dia 20 de abril.

Novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com respirador no Hospital Jayme Santos Neves, na Serra.
Leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com respirador no Hospital Jayme Santos Neves, na Serra. Crédito: Reprodução/TV

OCUPAÇÃO DE LEITOS

O aumento da taxa de ocupação de leitos destinados a pacientes com complicações decorrentes da Covid-19 desenha a pressão hospitalar registrada no Espírito Santo neste momento. Na marca de 83,84% são considerados os leitos que fazem parte do Sistema Único de Saúde (SUS) usados para atendimento exclusivo de pacientes com o coronavírus.

A Sesa destaca que em seu plano de expansão serão abertos 158 leitos até o final de abril. A maioria deve ficar disponível ainda neste mês de março. Outros dez já foram entregues no último sábado (6), em Vitória.

Durante entrevista à CBN Vitória, o secretário frisou a importância do distanciamento, o uso de máscara e o isolamento de pacientes suspeitos como medidas essenciais para reduzir o risco e interromper a cadeia de transmissão.

Nésio Fernandes

Secretário de Estado da Saúde

"Sem dúvida alguma nós teremos mais municípios no risco alto e no moderado a partir deste final de semana. Infelizmente, a gente pode viver ao longo de todo esse ano uma crise com a pandemia caso a vacinação não seja acelerada e a gente não consiga ter maior coesão social"

De acordo com o 47º Mapa de Risco da Covid-19, a única cidade do Estado em risco alto atualmente é Ibatiba. Outros 50 municípios apresentam risco moderado enquanto 27 ocupam o quadro de risco baixo. 

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.