ASSINE
Jornalista de A Gazeta há 10 anos, está à frente da editoria de Esportes desde 2016. Como colunista, traz os bastidores e as análises dos principais acontecimentos esportivos no Espírito Santo e no Brasil

Futebol brasileiro vive em um mundo paralelo durante a pandemia

Abundância de testes nos clubes ao mesmo tempo que a população amarga dificuldades, retorno do Carioca com curva da Covid-19 ainda em alta, técnico na praia.... Vírus? Que vírus?

Publicado em 27/06/2020 às 06h00
Atualizado em 27/06/2020 às 06h01
Flamengo venceu o Bangu no retorno do Carioca em um triste Maracanã
Flamengo venceu o Bangu no retorno do Carioca em um triste Maracanã. Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

Brasil caminha para quatro meses de pandemia do novo coronavírus com um sentimento de divisão. Uma parcela da sociedade que continua em casa cumprindo à risca as medidas de distanciamento social, enquanto a outra praticamente vive sua vida normal. Mais uma polarização em um país, que se acostuma a cada dia com a disputa entre dois posicionamentos, seja para qual assunto for.

Em meio a um cenário de 55 mil mortos e mais de um milhão de infectados pela Covid-19, o país começa a ver uma estabilização nos números da doença e vislumbrar uma queda na curva de contaminação. Tudo isso também sob o temor de uma segunda onda, que pode ser provocada pelas pessoas que retornam às ruas por necessidade ou para se livrar do desgaste mental provocado por todo esse momento delicado que vivemos.

Dentro dessa realidade temos o futebol, que parece existir em mundo paralelo diante de tudo que está acontecendo. Mas em algumas oportunidades se revela como é o Brasil em sua essência. Nos últimos dias, o principal esporte do país tem sido responsável por acontecimentos muito discutíveis.

Um dos mais revoltantes é o acesso das equipes aos testes de contágio para o coronavírus. Ainda que os clubes sejam privados, é assustador o acesso fácil à testagem, que pode até ser repetida, em jogadores e demais colaboradores, enquanto a população fica a mercê dos escassos testes na saúde pública.

Com relação ao retorno das competições, ao contrário do exemplo do futebol europeu em retomar os campeonatos após confirmar a redução no número de casos e mortes, a Federação de Futebol do Rio de Janeiro, com o apoio fundamental de Vasco e Flamengo, decidiu promover a volta do Carioca em um momento de números alarmantes da pandemia.

Ignorou tudo para realizar um triste Bangu x Flamengo no Maracanã, sem público, sem transmissão de TV e sem justificativa. A partida aconteceu ao lado de um hospital de campanha para pacientes com Covid-19 na imediações do Maracanã, onde, inclusive morreram pessoas no dia da partida. Não há empatia. O “um minuto de silêncio” em homenagem às vítimas da doença se mostra falso e vazio.

Já que as decisões já foram tomadas para a volta de treinos e jogos no país. É natural pensarmos então que os envolvidos estejam tomando todos os cuidados necessários, não é? Doce ilusão. Que o diga Renato Gaúcho, técnico do Grêmio, que cobra comprometimento de seus jogadores nos treinos, mas não abre mão de curtir a praia no Rio de Janeiro, mesmo em meio à pandemia. Mais Brasil do que isso impossível.

E assim seguimos, na vida e no futebol, uma incansável luta para vencer o coronavírus. Vai ser difícil.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.