ASSINE

Médicos explicam: isolamento social é a melhor medida de combate à Covid-19

Após o infectologista Aloisio Falqueto classificar o isolamento como uma medida desnecessária para conter a pandemia, outros especialistas apontam os benefícios da estratégia

Publicado em 04/05/2020 às 20h33
Atualizado em 05/05/2020 às 07h41
O médico Aloísio Falqueto em cima do caminhão no ato em apoio a Bolsonaro
O médico Aloísio Falqueto em cima do caminhão no ato em apoio a Bolsonaro. Crédito: Reprodução da internet

Em um vídeo que circula pelas redes sociais, o médico infectologista Aloísio Falqueto polemizou o isolamento social ao afirmar que trata-se de uma medida desnecessária para conter a pandemia do novo coronavírus. A fala foi feita durante uma manifestação política em favor dos ideais bolsonaristas, em Vila Velha, durante o último domingo (03). 

Aloísio Falqueto

Infectologista

"O pessoal fala “você não está preocupado com a vida”. Estou preocupado e muito. Não é necessário esse isolamento total, não tem prova científica que ele funciona, não muda em nada a curva natural. Eu chamo atenção que nós deveríamos ter dado ainda mais foco às pessoas idosas, com comorbidades e doenças debilitantes, e foi esquecido praticamente. Porquê é ‘fique em casa’ e ninguém falava mais nada. O que tem que ser feito é isolar e proteger"

A reportagem de A Gazeta procurou o médico Aloísio Falqueto, mas por telefone, ele disse que não falaria com a imprensa. A reportagem também foi atrás de outros médicos e representantes da classe para responder: o isolamento social dá certo? A resposta foi SIM, o isolamento é um recurso para minimizar os danos da Covid-19 e salvar vidas.

POSICIONAMENTO DE OUTROS ESPECIALISTAS

Alexandre Rodrigues

Médico e presidente da Sociedade dos Infectologistas do Espírito Santo

"Todo o mundo adotou essa medida. Entre os países que não adotaram no início da pandemia estão Inglaterra e Suécia, que tentaram separar apenas grupos de risco, mas tiveram que recuar. Não queremos mudar apenas os números de uma pandemia recomendando o distanciamento social. Queremos salvar vidas que, muitas vezes, são vistas apenas como números por alguns."

Ao ser questionado sobre os efeitos do isolamento social, o  presidente da Sociedade dos Infectologistas do Espírito Santo e médico, Alexandre Rodrigues,  disse que a medida não faz a pandemia desaparecer.  "O isolamento é para reduzir a transmissão no menor intervalo de tempo. A partir do momento que falamos que é um vírus de alta transmissibilidade, ter menos pessoas circulando, menos proximidade,  diminuir o contato,  veremos que, ao longo do tempo, algumas pessoas  já terão obtido a doença e  o risco de contato com o vírus será menor", destacou. 

Rodrigues pontuou que o resultado a curto prazo do isolamento é um crescimento mais lento do número de casos e consequentemente,  um percentual menor de casos graves também.  Já a longo prazo, haverá o achatamento da curva.   

Lauro Ferreira

Infectologista

"Todos os lugares que até agora controlaram fizeram isolamento social. Não podemos esquecer casos como Milão e Nova York, que se negaram a isso e depois os representantes tiveram que pedir desculpas. A doença diminuiu o seu impacto foi atrás de isolamento em todos os países.Falar que isso é uma bobagem é falta de respeito com quem está na linha de frente desse combate. Há enfermeiros morrendo, médicos morrendo. Tem pessoas em geral morrendo e muitos jovens. Hoje, por causa dessa doença, eu prefiro fazer um apelo a razão para que as pessoas acreditam no que está acontecendo"

O  também infectologista Lauro Ferreira, compartilha o mesmo pensamento de Alexandre Rodrigues, e ressaltou os benefícios do isolamento social, e se mostrou surpreso em ouvir representantes da classe médica indo contra o isolamento. Ele é ainda mais enfático ao falar sobre a necessidade de se fazer o isolamento da maneira correta, inclusive não gerando aglomerações por qualquer motivo que seja, por exemplo, protestos. "Se a gente continuar fazendo um isolamento mal feito, vamos prolongar essa agonia sem conseguir minimizar danos ou sem conseguir reverter a curva, que é quando há uma infecção de um pra um apenas", explicou.

Crispim Ceruti

Infectologista

"Trata de questão científica. As análises de dados mostram, sistematicamente, a evolução da curva epidêmica, de lugares diferentes do mundo. Há diferença de impacto quando se tem um isolamento social, o benefício da conduta é clara"

Para o médico infectologista Crispim Ceruti, isolamento social e distanciamento social não são ações políticas ou ideológicas. Mas uma questão científica acima de tudo.

O que diz o CRM

O Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) disse em nota que  adota as orientações das sociedades de especialidades médicas e das autoridades sanitárias do Brasil. Alguns países adotaram o isolamento vertical como estratégia; o Brasil adotou o horizontal, quando é recomendado que todos fiquem em casa. Qualquer medida de isolamento é dura, mas necessária para deter o avanço de uma doença.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Coronavírus no ES Isolamento social

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.