ASSINE
Jornalista de A Gazeta há 10 anos, está à frente da editoria de Esportes desde 2016. Como colunista, traz os bastidores e as análises dos principais acontecimentos esportivos no Espírito Santo e no Brasil

Covid-19: "novo normal" chegou ao futebol e vamos ter que nos acostumar

Campeonato Alemão oferece o que é possível dentro dos limites necessários. Mas é impossível não sentir falta da torcida e da atmosfera que faz o esporte ser apaixonante

Publicado em 23/05/2020 às 06h01
Atualizado em 23/05/2020 às 18h07
Borussia Dortmund venceu o clássico com o Schalke 04 em seu retorno  no Campeonato Alemão
Borussia Dortmund venceu o clássico com o Schalke 04 em seu retorno no Campeonato Alemão. Crédito: Borussia Dortmund/Divulgação

Neste fim de semana, o Campeonato Alemão chegou à sua 27ª rodada, a segunda desde que a competição foi retomada ainda em meio à pandemia de Covid-19. Após o período de isolamento social, a Bundesliga foi a primeira grande competição do futebol europeu a realizar jogos com portões fechados e dezenas de medidas para proteger os jogadores do novo coronavírus. Seu sucesso pode abrir caminho para outros países que já vivem o achatamento da curva da doença, como aconteceu no país germânico.

Voltar a ver um jogo sendo transmitido ao vivo é um alívio. Mas por outra ótica é possível observar que o produto que assistimos é “algo parecido” com o esporte. O jogo é o mesmo, mas futebol é muito mais do que 22 jogadores disputando a bola em um terreno demarcado por quatro linhas. A alma do futebol está em sua atmosfera, nos estádios lotados e na festa do torcedor, parte fundamental do todo.

Óbvio que entendo e concordo que o Campeonato Alemão hoje nos oferece o que é possível de ser apresentado dentro dos limites impostos e necessários. Mas também não posso me furtar à percepção de que um elemento essencial no que ajuda o futebol a ser apaixonante faz uma falta tremenda.

É estranho até para os próprios jogadores. O ambiente dentro de campo fica diferente sem a pressão e os gritos dos torcedores. Jogar em casa ou fora? Tanto faz, o 12° jogador não estará lá para nenhum dos lados. Comemorar pode, mas de preferência sem abraçar os companheiros. Sabe como é, né? Tempos em que aglomeração não é uma boa opção. Mas na rodada de retorno do futebol alemão, os jogadores deixaram claro que é difícil segurar a emoção na hora da gol. Sobraram abraços. Sem bronca, ainda estamos em processo de aprender a lidar com esse novo mundo.

Se dentro de campo há a sensação de liberdade, fora dele todo cuidado é pouco. Todo mundo de máscara. Além da voz, o treinador agora tem que utilizar o olhar para orientar seus jogadores. Mais uma missão para os “professores”. E a imprensa? Nada de se apertar entre os colegas, muito menos ficar perto dos jogadores. Microfones a uma certa distância para evitar a proximidade.

Mudou para todos. O novo normal chegou ao futebol.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.