ASSINE

Com gol do capixaba Pedro Rocha, Flamengo vence o Bangu na volta do Carioca

Em ritmo de treino, Rubro-Negro não teve dificuldades para vencer o primeiro jogo do futebol brasileiro em meio à pandemia do novo coronavírus

Publicado em 18/06/2020 às 23h09
Atualizado em 18/06/2020 às 23h20
Pedro Rocha marcou o gol que sacramentou a vitória do Flamengo e comemorou com Gabigol
Pedro Rocha marcou o gol que sacramentou a vitória do Flamengo e comemorou com Gabigol. Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

Foram 96 dias sem entrar em campo, mas o período sem jogos oficiais parece não ter tido qualquer impacto na equipe de Jorge Jesus. No retorno do futebol no Rio de Janeiro, em meio à pandemia do novo coronavírus e próximo ao hospital de campanha instalado no complexo do Maracanã, o Flamengo venceu o Bangu por 3 a 0 na noite desta quinta-feira (18) e garantiu sua classificação antecipada para as semifinais da Taça Rio. Os gols do Fla foram marcados por Arrascaeta, Bruno Henrique e Pedro Rocha.

Agora com 12 pontos, o Flamengo lidera o Grupo A, seguido pelo Boavista, que tem seis e entra em campo nesta sexta, às 15h30, contra a Portuguesa, na Ilha. O Bangu, por sua vez, é o terceiro lugar da chave, com quatro pontos, e, na próxima quinta, recebe a Cabofriense em casa, no Estádio Moça Bonita. Já classificado para a semifinal do segundo turno do Estadual, o Flamengo volta a campo na quarta, contra a Portuguesa. Campeão da Taça Guanabara, o time de Jorge Jesus pode conquistar o Carioca direto se vencer também a Taça Rio.

RUBRO-NEGRO EM RITMO DE TREINO 

Mandante, o Bangu entrou em campo com três zagueiros, três volantes e uma postura clara: se defender e aguardar uma chance de contra-atacar. A estratégia não deu certo. Além de não ameaçar a meta de Diego Alves em nenhum momento, o time de Eduardo Allax não mostrou resistência defensiva.

Em ritmo de treino, em palco esvaziado sem a torcida, o Flamengo teve o controle do jogo desde o apito inicial. Com Filipe Luís e Bruno Henrique, a equipe de Jorge Jesus apostou nas subidas pela esquerda. O primeiro gol, contudo, saiu pelo outro lado. Rafinha avançou e cruzou. A defesa do Bangu não afastou e a bola ofereceu-se a Arrascaeta, que abriu o placar no Maraca. 

Treinando há cerca de um mês no Ninho do Urubu, o Flamengo manteve o padrão tático sob o comando do Mister, com muita movimentação e boas triangulações, especialmente pelos lados. Por outro lado, a falta de ritmo de jogo dos rubro-negros, após três meses sem entrar em campo, era visível. 

Desta forma, com o Flamengo tranquilo com a posse de bola e ocupando o campo de ataque, o jogo seguiu sem grandes emoções até os 17 minutos da etapa final - quando Vitinho e Michael entraram nos lugares de Arrascaeta e Everton Ribeiro, respectivamente. Logo que entrou, Michael acionou Gabigol pela direita e a dupla funcionou: assistência para Bruno Henrique fazer 2 a 0. 

Em uma rara oportunidade em que conseguiu acelerar o jogo e ameaçar a meta de Diego Alves, Juan Felipe, da entrada da área, finalizou forte, mas lá estava o camisa 1 rubro-negro, atento para evitar o gol do Bangu que teve a melhor chance 25 minutos do segundo tempo. As 10 trocas realizadas - cinco para cada lado, como permitido em uma das mudanças no futebol "pós-pandêmico" - não alteraram de forma alguma o panorama da partida. Já nos minutos finais, Pedro Rocha deu números finais ao jogo: 3 a 0 para o Fla, com destaque também para o garçom Gabigol. que deu duas assistências no jogo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Futebol Coronavírus flamengo flamengo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.