ASSINE

Especialista contratado pela Backer nega contaminação de água da fábrica

O químico analisou a água e também de amostras da cerveja. Na análise foi encontrado dietilenoglicol apenas em três lotes de cerveja

Publicado em 21/01/2020 às 14h40
Atualizado em 21/01/2020 às 14h44
Técnicos do Ministério da Agricultura fecharam a fábrica da Backer nesta sexta-feira (10) . Crédito: Lucas Ragazzi | TV Globo
Técnicos do Ministério da Agricultura fecharam a fábrica da Backer nesta sexta-feira (10) . Crédito: Lucas Ragazzi | TV Globo

Resultados apresentados nesta terça-feira, 21, por um químico contratado pela cervejaria Backer, nega contaminação da água da fábrica por dietilenoglicol.  A presença da substância tóxica havia sido detectada pelo Ministério da Agricultura. 

A análise realizada pelo especialista contratado, o doutor em Química Bruno Botelho, apontou redução nos níveis da substância tóxica em três lotes das cervejas Belorizontina e Capixaba, produzidos entre 11 de novembro e 3 de janeiro. Contudo, ele não encontrou dietilenoglicol na água. As amostras para teste foram enviadas pela própria Backer.

Durante apresentação do resultado, o químico afirmou ser difícil que a contaminação tenha ocorrido por vazamento, ou seja, que o dietilenoglicol, usado no sistema de refrigeração na produção de cerveja, tenha se juntado ao líquido em alguma das etapas de sua fabricação.

Bruno Botelho

Doutor em Química

"O perfil de declínio da concentração de dietilenoglicol dificulta associar a um vazamento. Se fosse um vazamento, a concentração permaneceria constante"

Em seguida, durante questionamentos de repórteres, Botelho disse não ser possível descartar a possibilidade de vazamento por não ter conhecimento da fábrica da Backer. "Fui contratado para analisar a cerveja", disse.

Os resultados apresentados pelo químico mostram que o lote número L2 1348, de Belorizontina e Capixaba, produzido em 11 de novembro, tinha 0,83 grama por 100 mililitros de cerveja. Outro, o L2 1354, de 22 de novembro, tinha 0,67 grama por 100 mililitros do líquido. O terceiro, o L2 1557, de 3 de janeiro, continha 0,218 grama por mililitro do produto.

CONTAMINAÇÃO

Quatro pessoas morreram com suspeitas de contaminação por dietilenoglicol depois de tomarem a cerveja Belorizontina, em Minas Gerais. Do total, uma vítima teve a presença da substância confirmada no organismo. As outras três seguem sob investigação. A Secretaria de Estado de Saúde informou que, até esta terça-feira (21), foram feitas 21 notificações por suspeitas de contaminação pelo dietilenoglicol.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Cervejaria Backer Cerveja Cerveja Contaminada

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.