ASSINE

Veja quais partidos apoiam os candidatos a prefeito na Grande Vitória

Nas quatro maiores cidades do Espírito Santo, são 48 candidatos a prefeito que dividem entre si o apoio de 30 dos 33 partidos registrados atualmente no país. Mas há aqueles que contam apenas com o seu próprio partido, sem coligação. Veja a lista

Vitória
Publicado em 11/11/2020 às 21h02
Partidos políticos que estão em coligações ou chapas puro-sangue na disputa a prefeito na Grande Vitória
Partidos políticos que estão em coligações ou chapas puro-sangue na disputa a prefeito na Grande Vitória. Crédito: Montagem

As eleições municipais entraram na reta final, provocando embates entre candidatos na Grande Vitória – principalmente na Capital –  no horário eleitoral e nas redes sociais, mas muitos eleitores ainda desconhecem as alianças partidárias por trás de cada chapa. Só nas quatro maiores cidades do Espírito Santo – Vitória, Serra, Vila Velha e Cariacica –, são 48 candidatos a prefeito que dividem entre si o apoio de 30 dos 33 partidos registrados atualmente no país.

A Gazeta consultou as coligações formais registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e identificou que, dos 48 candidatos, 25 estão na disputa nas chamadas chapas puro-sangue, que contam apenas com o seu próprio partido. Outros 23 fizeram alianças com outras siglas, formando coligações.

Apesar de haver coligações em que é possível notar o alinhamento ideológico entre os partidos, em muitos casos se identifica uma união de siglas de espectros políticos e ideologias bem diferentes quando comparados com os seus posicionamentos no âmbito nacional.

Em Vitória, por exemplo, o Cidadania (antigo PPS), partido historicamente de centro-esquerda, tem como candidato a prefeito o deputado estadual Fabrício Gandini e, como vice, o vereador Nathan Medeiros, que está no PSL, sigla que elegeu Jair Bolsonaro (hoje sem partido) em 2018 e que concentra políticos considerados de direita.

Na Serra, a Rede Sustentabilidade, também de centro-esquerda, tem como candidato a prefeito o atual vereador Fabio Duarte, que é apoiado pelo prefeito Audifax Barcelos (também da Rede), mas conta em sua coligação com o Patriota, sigla de direita que tem apoiado candidatos bolsonaristas pelo país.

Já em Vila Velha, o PDT, de centro-esquerda, está unido ao Patriota na coligação que tem como cabeça de chapa o ex-prefeito Neucimar Fraga (PSD).

Não entram nessa lista de alianças os apoios informais, que não foram registrados em convenção partidária e comunicados ao TSE, como é o caso do PT da Serra, que apoia informalmente a chapa de Sergio Vidigal (PDT), mas não está na coligação.

Para o cientista político Fernando Pignaton, essa mistura de espectros é uma consequência do pluripartidarismo do país e do  "empreendedorismo político", com partidos que possuem "donos" tanto em âmbito federal como nos Estados e municípios e, assim, negociam apoios ou levam essas siglas para as coligações de seus aliados locais.

"O empreendedorismo político é um conceito do Luiz Werneck Vianna (sociólogo) que mostra que os partidos no Brasil viraram um tipo de empresa. É algo extremamente nefasto. Dessa forma, são feitas negociações com o dono do partido de acordo com os seus interesses eleitorais, na maioria das vezes não são alianças programáticas, em torno de um tema ou por ideologia, e sim pela conveniência", analisa.

Segundo Pignaton, esse cenário acaba tornando o voto uma difícil missão para o eleitor, uma vez que, na grande maioria dos casos, ele não tem uma identificação com um partido nem conhece o seu programa.

Fernando Pignaton

Cientista político

"Não existe vida partidária no Brasil. Quando se tem uma vida partidária desorganizada como é a nossa, já fica difícil votar em eleições nacionais. Nas eleições municipais, então, que se vota considerando os problemas locais, não há mais nenhuma coerência. Os partidos e as alianças não são programáticos"

Nesse contexto, o cientista político defende uma ampla reforma política no país. "Em outros países há dois, três, ou no máximo cinco partidos. Fica muito mais fácil decidir. Nos Estados Unidos, por exemplo, é como se você tivesse um carro e pudesse optar por duas direções, direita ou esquerda. Já aqui no Brasil o sistema político é um Boeing de 33 botões que a gente não sabe ao certo para onde cada um leva. Ninguém sabe bem como escolher. Fica um localismo despolitizado na disputa dos municípios."

Já a quantidade de candidatos a prefeito em chapas puro-sangue está relacionada ao fim das coligações para eleições proporcionais (cargo de vereador) nesta eleição. "Sem as coligações, os partidos passaram a depender apenas de si para ter uma cota mínima dos votos e conseguir uma vaga. Então, mesmo que em muitos casos saibam que não terão chances de ganhar, eles acreditam que, lançando candidatos a prefeito, a legenda aparece mais e se cria um movimento político que ajuda (a eleger) os vereadores", pontua Pignaton.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.