ASSINE

Casagrande fala em "estabilidade" e não apoia impeachment de Bolsonaro

PSB, partido do governador do ES, no entanto, aprovou, em junho, resolução que endossa o afastamento do presidente da República do cargo

Publicado em 17/07/2020 às 19h38
Vitória - ES - Governador do Estado, Renato Casagrande (PSB).
Governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), no Palácio Anchieta após ter se recuperado da Covid-19. Crédito: Vitor Jubini

A Executiva nacional do PSB, sigla do governador do Espírito Santo, Renato Casagrandeaprovou, no mês passado, uma resolução que apoia o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Casagrande é secretário-geral do PSB e, de acordo com o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, o texto da resolução foi uma unanimidade, contou com o endosso, inclusive, do capixaba. De lá pra cá, no entanto, o governador não demonstrou muito entusiasmo pelo impeachment.

Ele evitou ter que escolher entre o papel de dirigente partidário e o de governador. No final do mês passado,  Casagrande chegou a avaliar, numa transmissão ao vivo feita pela Revista Istoé, que Bolsonaro trabalhava para aumentar o risco de ser impedido, o que o governador considerava pouco viável já naquele momento.

Na última quinta-feira (16), já recuperado após ter contraído Covid-19, ele recebeu a reportagem de A Gazeta no Palácio Anchieta. Com o devido uso de máscaras e distanciamento, por precaução. A entrevista completa será publicada neste sábado (18).

Questionado, então, sobre a resolução do PSB e se seria mesmo partidário do impeachment do presidente da República, Casagrande deixou claro que sua resolutividade, na prática, é outra.

Não só é favorável ao que chamou de “estabilidade”, como avalia, mais uma vez, ser pouco provável que o presidente seja afastado do cargo.

"A posição de defender impeachment é do partido. Eu, como governador, tenho que me afastar disso. É preciso que avaliemos que um presidente da República só sofre impeachment se perder apoio na sociedade e no Congresso. O presidente Bolsonaro tem ainda um apoio forte na sociedade e está conseguindo articular um apoio no Congresso Nacional. A luta política de um partido é para poder fazer o debate e mudar o comportamento do governo, mas não tem nenhuma perspectiva de impeachment do presidente da República", definiu.

Mas Casagrande torce para que tal perspectiva se viabilize?, perguntou a reportagem.

Renato Casagrande (PSB)

Governador do Espírito Santo

"Não. Torço para que as coisas se normalizem. Precisamos no Brasil de estabilidade. O presidente Jair Bolsonaro foi eleito para cumprir os quatro anos de mandato. Acho que a desorganização política nesses últimos anos tem prejudicado o país"

O governador também disse não acreditar que Bolsonaro vá mudar de comportamento mesmo após ter declarado que foi infectado pelo novo coronavírus – o presidente minimiza a doença que já matou mais de 75 mil brasileiros em poucos meses – e também criticou o que chamou de politização da pandemia.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.