Abstenções superam votos de derrotados em 3 dos 4 municípios da Grande Vitória

Número de ausentes foi maior que a quantidade de votos recebida pelos perdedores no segundo turno das eleições de 2020

Publicado em 29/11/2020 às 21h05
Atualizado em 29/11/2020 às 21h37
Data: 27/12/2019 - ES - Vitória - Fachada da sede do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo
Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo (TRE-ES): qualquer abstenção é indesejada. Crédito: Carlos Alberto Silva

O número de votos recebidos pelos candidatos derrotados no segundo turno das eleições municipais de 2020 é menor que o número de abstenções em três dos quatro municípios da Grande Vitória que foram às urnas neste domingo (29). 

Vitória foi o único município capixaba em que o segundo colocado recebeu mais votos que o número de eleitores ausentes no segundo turno. João Coser (PT) alcançou 72.684 votos (41,50%), enquanto as abstenções chegaram a 65.740 (26,14%).

O prefeito eleito, Lorenzo Pazolini (Republicanos), recebeu 102.466 votos (58,50%). Foram registrados ainda 4.484 (2,41%) votos brancos, e 6.090 (3,28%) nulos.

Em Vila Velha, o número de votos recebidos por Max Filho (PSDB) – 62.236, equivalente a 30,97% dos votos válidos – foi ultrapassado não apenas por Arnaldinho Borgo (Podemos) – 138.741 votos (69,03%) – como também pelas abstenções (90.645, o equivalente a 28,76%). O município também registrou 9.809 (4,37%) votos brancos e 13.793 (6,14%) nulos.

Na Serra, Fabio Duarte (Rede) recebeu 91.931 votos (45,10%), enquanto o número de eleitores ausentes neste domingo chegou a 104.526 (31,90%). Sergio Vidigal (PDT) foi eleito com 111.920 votos (54,90%). Foram computados ainda 8.112 (3,64%) votos brancos, e 11.181 (5,01%) nulos.

No primeiro turno, 86.059 (26,26%) deixaram de ir às urnas, e 241.611 (73,74%) compareceram.

Em Cariacica, Célia Tavares (PT), que foi derrotada, recebeu 67.111 votos (41,31%), enquanto as abstenções chegaram a 78.541 (29,93%). Euclério Sampaio (DEM), eleito o próximo prefeito do município, recebeu 95.356 (58,69%) votos. Outros 9.789 (5,32%) votaram branco, e 11.617 (6,32%) optaram pelo voto nulo.

No primeiro turno, as ausências chegaram a 67.691 (25,80%). Contudo, 194.723 (74,20%) foram às urnas.

"AUSÊNCIAS SÃO PREJUDICIAIS"

Embora considere que a pandemia do novo coronavírus, que é uma situação de caráter excepcional, possa ter influenciado o número de abstenções registrado nestas eleições, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES), desembargador Samuel Meira Brasil Júnior, frisou que as ausências são prejudiciais.

"Neste ano, estamos em uma situação excepcional e é difícil estabelecer qualquer parâmetro para saber qual o número de abstenções poderia ser esperado. Qualquer número de abstenção não é desejado e, por menor que seja, este número ainda é maior do que a Justiça Eleitoral gostaria", afirmou. 

O número de abstenções no segundo turno aumentou 5,32 pontos percentuais do primeiro para o segundo turno no Espírito Santo. No primeiro turno, foram 24,02% ausentes no Estado. Agora, neste segundo turno, foram 29,34%. 

29,34%

ABSTENÇÕES NO SEGUNDO TURNO NO ES

O desembargador frisou que o desejo da Justiça Eleitoral é de que cada cidadão possa comparecer e escolher livre e conscientemente o seu candidato, mas à medida que alguém não exerce o seu direito fundamental e constitucional de voto "acaba abrindo mão de seu direito inalienável e temos outras pessoas escolhendo em seu lugar o seu governante. E qualquer número de abstenção, por menor que seja, vai ser maior que o que gostaríamos que fosse".

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.