ASSINE

Morte de assessor de Assumção completa 2 meses sem solução no ES

O crime aconteceu por volta das 17h30 do dia 7 de julho. A vítima, que também era policial militar da reserva, foi executada a tiros dentro de uma padaria em Itapuã

Publicado em 11/09/2020 às 15h37
Mario André do Carmo Morandi estava em uma padaria quando foi assassinato nesta terça-feira (7), em Vila Velha
Mario André do Carmo Morandi estava em uma padaria quando foi assassinato nesta terça-feira (7), em Vila Velha. Crédito: Reprodução | Facebook

O crime contra o policial militar da reserva, que era assessor do gabinete do deputado Capitão Assumção (Patriota), Mário André Morandi, completou dois meses e continua sem solução. Ele foi executado a tiros por volta das 17h30 do dia 7 de julho, dentro de uma padaria em Itapuã, Vila Velha. 

De acordo com informações da Polícia Civil, o caso segue sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha e até o momento nenhum suspeito foi detido. A PC também informou que outros detalhes não serão repassados para que a apuração dos fatos seja preservada.

Mário André do Carmo Morandi foi admitido no gabinete do deputado Capitão Assumção no dia 12 de fevereiro de 2019 e trabalhava em regime comissionado, segundo o site da Transparência da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales). Morandi também era conhecido do ex-deputado federal Carlos Manato, que também confirmou a identidade do policial e lamentou o ocorrido, à época.

O CRIME

Conforme informou inicialmente a Polícia Militar, o crime aconteceu à tarde, em via pública, e o policial teve o óbito confirmado no local. Mas segundo testemunhas, o crime teria sido cometido por indivíduos que passaram em um carro preto, que chegaram a descer do veículo e entrar na padaria para cometer o homicídio. A perícia da Polícia Civil foi acionada à ocasião.

No final da noite de 7 de julho, o carro usado no assassinato, um Toyota Corolla, foi encontrado queimado na Rodovia Leste Oeste. O crime causou tumulto no local e moradores relataram ter ouvido mais de cinco tiros.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.