ASSINE

Mulher é encontrada morta com marcas de tiros em Serra Sede

O corpo da vítima – que não teve a identidade revelada – foi encontrado próximo a uma estátua. Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM) e que nenhum suspeito foi preso

Publicado em 11/09/2020 às 11h49
Atualizado em 11/09/2020 às 13h05
Viatura da Polícia Civil
A Polícia Civil investiga o crime. Crédito: Carlos Alberto Silva

Uma mulher foi encontrada morta, com marcas de tiros em Serra Sede, na noite desta quinta-feira (10). O corpo da vítima estava próximo a uma estátua.

Segundo a Polícia Militar, familiares da mulher – que não teve a identidade revelada – estiveram no local e não souberam informar a autoria e motivação do crime. A perícia da Polícia Civil também foi ao local. O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser liberado pelos familiares e para ser feito o exame cadavérico, que apontará a causa da morte.

De acordo com apuração da TV Gazeta, a vítima é Kerliane Soares Bravo Gonçalves, de 40 anos. Familiares contaram que ela foi criada frequentando a igreja, mas há cerca de 10 anos, devido ao vício em drogas, foi morar nas ruas.

Um morador em situação de rua que era amigo da vítima contou que viu o momento do crime. “Um homem parou o carro de cor prata do outro lado, abaixou o vidro e atirou nela. Atingiu a cabeça dela”. Ele ainda disse que há três meses ela já havia sofrido um atentado devido a uma dívida de R$ 10, o que pode ter motivado o crime.

Uma moradora de Serra Sede, que não quis ser identificada, disse que aumentou a quantidade de moradores em situação de rua na região. “É o caso que acontece devido ao tanto de moradores de rua migrando para serra sede”, contou.

A TV Gazeta procurou a Prefeitura da Serra, que informou que não registrou aumento aumento do número de moradores em situação de rua na Serra. A prefeitura afirmou que durante a pandemia aumentou o atendimento para a população em situação de rua, com a abertura de um novo centro com cinco abrigos que funcionam 24h por dia, oferecendo alimentação e kits higiene.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM). "Até o momento nenhum suspeito foi detido e outras informações não serão repassadas para que a apuração dos fatos seja preservada", explicou.

A Polícia Civil destaca que a população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.