ASSINE

Envolvido na morte de empresário na Serra tem 15 anos

O adolescente já foi apreendido 5 vezes, por crimes como roubo e tráfico de drogas; ele dirigia o carro utilizado no roubo seguido de morte contra José Geraldo Rizzo, na manhã desta segunda-feira (14)

Publicado em 14/09/2020 às 16h57
Atualizado em 14/09/2020 às 20h23
Polícia Militar no local do crime em Jardim Limoeiro, na Serra
Polícia Militar em frente ao carro utilizado no crime em Jardim Limoeiro, na Serra. Crédito: Reprodução | TV Gazeta

O responsável por dirigir o carro utilizado no assalto que resultou na morte do empresário José Geraldo Rizzo, na manhã desta segunda-feira (14), é um adolescente que foi apreendido logo depois do crime. Ele tem apenas 15 anos de idade, mas já acumula cinco passagens pela polícia. Entre os crimes cometidos anteriormente estão roubo e tráfico de drogas.

Parte da ficha criminal do rapaz foi revelada pelo tenente-coronel Leonardo Celante, durante uma entrevista concedida nesta tarde (14), no 6º Batalhão da Polícia Militar, na Serra – cidade onde aconteceu o crime que vitimou o empresário de 61 anos, dono de uma rede de supermercados.

Tenente-coronel Leonardo Celante

Comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar

"As informações que nós temos é que esse menor, ao ouvir os disparos, tentou fugir nesse veículo, que foi abordado pelos policiais. Ele já tem uma passagem criminal extensa. Desde dezembro de 2019 até hoje, essa é a quinta vez que ele foi apreendido por crimes diversos, entre eles roubo e tráfico de drogas"

Os tiros ouvidos pelo adolescente teriam sido os efetuados pelo comparsa dele, que realizou o assalto ao empresário. O assaltante disparou três vezes contra a vítima, perto de uma agência bancária, localizada no bairro Jardim Limoeiro, onde seria feito o depósito de R$ 52 mil em dinheiro.

Segundo informações passadas pelo delegado José Luiz Pazeto, da 3ª Delegacia Regional da Serra, esse segundo criminoso já foi identificado. “Ele é conhecido como Costela, de 27 anos. Acredito que a prisão dele seja questão de horas", afirmou no início da noite.

AS PASSAGENS POLICIAIS

  • 4 de dezembro de 2019: o adolescente foi detido pela Força Tática do 6º Batalhão da Polícia Militar, conduzindo um veículo roubado.
  • 23 de fevereiro de 2020: acabou detido no Parque da Cidade ao tentar roubar o veículo de um 3º Sargento da PM. Junto dele foram apreendidos um pistola, 13 munições, dois carregadores e um celular.
  • 13 de julho de 2020: o jovem foi detido com 32 buchas de maconha e 23 pinos de cocaína, em um local conhecido como "Paredão", na Rua Rio de Janeiro, no bairro Jardim Limoeiro, conhecido pelo intenso tráfico de drogas.
  • 15 de agosto de 2020: acabou apreendido por causa da posse de maconha, na Rua Manaus, que também faz parte do chamado "Paredão".

SUSPEITA DE CRIME PLANEJADO COM INFORMAÇÕES PRIVILEGIADAS

Segundo o jovem, ele foi convidado pelo comparsa para participar da ação criminosa, em troca de uma quantia em dinheiro. O convite teria sido feito há cerca de uma semana. “Essa pessoa executaria o crime com o apoio dele, mas cabe à Polícia Civil averiguar todas as informações”, explicou Celante.

No entanto, diante da dinâmica do assalto seguido de morte, a Polícia Militar acredita que houve, de fato, planejamento e uso de informações privilegiadas por parte dos criminosos. “A gente acredita que eles já foram sabendo que esse comerciante faria o depósito. De onde veio essa informação, não posso afirmar agora”, disse.

VÍTIMA ESTAVA ARMADA

No momento do assalto, o empresário José Geraldo Rizzo estava armado com uma pistola, que também foi roubada. De acordo com informações passadas por testemunhas ao repórter André Falcão, da TV Gazeta, a vítima era um policial da reserva. Ou seja, estava aposentado.

Embora ainda não seja uma certeza, o tenente-coronel Leonardo Celante apontou que o criminoso pode ter realizado os disparos por esse motivo. “Infelizmente, o comerciante teve a vida ceifada por um indivíduo que, talvez, por perceber que a vítima portava uma arma de fogo, realizou os disparos”, disse.

CARRO UTILIZADO TAMBÉM ERA ROUBADO

Apreendido, o carro branco utilizado no crime tinha restrição de furto e roubo. Segundo informações da PM, o veículo havia sido roubado no último dia 10, por volta das 22h, no bairro Laranjeiras, que também fica na Serra. Nesta segunda-feira (14), ele estava com a placa adulterada.

IRMÃO JÁ FOI VÍTIMA DE ASSALTO PARECIDO HÁ 3 ANOS

Em julho de 2017, o sócio e irmão do empresário, Luiz Rizzo, também foi assaltado e baleado em frente a uma agência bancária, durante a manhã de uma segunda-feira, na qual faria o depósito de uma quantia em dinheiro. Naquela ocasião, o crime aconteceu no bairro Jacaraípe, na Serra.

De acordo com a família, por causa de um disparo que atingiu a região do abdômen, ele precisou ficar 92 dias internado em um hospital particular – para onde José Geraldo também foi levado na manhã desta segunda-feira (14), mas não resistiu aos ferimentos causados pelos três tiros.

INVESTIGAÇÕES

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o caso foi registrado, inicialmente, como latrocínio e que o adolescente de 15 anos foi autuado em flagrante por atos infracionais análogos ao crime e à receptação. Ele será encaminhado ao Centro Integrado de Atendimento Socioeducativo (Ciase).

O caso segue sob investigação com o objetivo de localizar o segundo suspeito, que segue foragido. Na Delegacia Regional da Serra, o dono do carro utilizado no crime não reconheceu o adolescente como autor do roubo, cometido na semana passada.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Assalto Polícia Civil Serra Polícia Militar crime homicídio serra

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.