ASSINE

Um em cada 10 contribuintes do IR precisa devolver o auxílio emergencial

Segundo dados da Receita Federal no Espírito Santo, cerca de 58% dos contribuintes que são alertados para a necessidade de devolução do auxílio retificam a declaração de Imposto de Renda. Veja o que fazer

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 15/04/2021 às 20h45
Atualizado em 15/04/2021 às 20h45
Vitória - ES - Aplicativo Caixa Tem
Vitória - ES - Aplicativo Caixa Tem. Crédito: Vitor Jubini

Um em cada dez contribuintes que entregam a declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2021, referente ao ano de 2020, é notificado sobre a necessidade de devolução do auxílio emergencial, recebido indevidamente no ano passado.

A informação foi esclarecida nesta quinta-feira (15) pelo delegado da Receita Federal em Vitória, Eduardo Augusto Roelke, durante live realizada no Instagram de A Gazeta para esclarecimento de dúvidas sobre o envio da declaração.

“Esse ano tivemos o dobro de emissões de declarações no primeiro mês. E a cada dez documentos entregues, um Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) era emitido para que o contribuinte fizesse a devolução do auxílio", disse. 

O delegado explicou ainda que "nem todos estavam interessados em fazer a devolução, e cerca de 58% das pessoas que receberam essa mensagem retificaram a declaração”.

O ajuste geralmente consiste na exclusão do dependente, seja um cônjuge, filho ou outros familiares inclusos no documento, que tenham recebido a ajuda do governo federal no ano passado.

Eduardo Augusto Roelke

Delegado da Receita Federal em Vitória

"Muitos consideram que, nesses casos, não é vantajoso manter aquela pessoa da família como dependente na declaração. Ainda mais porque é um débito que não é parcelado. É preciso devolver o valor do auxílio de uma vez só"

O auditor fiscal e representante no Estado do projeto Cidadania Fiscal da Receita Federal Juliano Rezende Gama, explica que, neste ano, ficou estabelecido que as pessoas que tiveram rendimentos tributáveis superior a R$ 22.847,76 em 2020 e receberam parcelas do auxílio emergencial no ano passado terão que preencher a declaração de IR e devolver o valor recebido.

Da mesma maneira, caso dependentes dos contribuintes - listados na declaração - tenham recebido a assistência, esses valores também precisarão ser devolvidos. No Espírito Santo, a previsão é de que 62 mil contribuintes precisem devolver auxílio emergencial ao governo.

“Quando a declaração é enviada, é feito um cruzamento com os dados do Ministério da Cidadania e, se identificado o recebimento indevido, o Darf é emitido para devolução dos valores, que podem ser tanto do titular da declaração, quanto dos dependentes. Mas não é a Receita quem exige a devolução. Nós apenas fizemos uma parceria com o governo para que os recursos possam ser devolvidos dessa maneira.”

Desta forma, ele explica que excluir o dependente que recebeu o auxílio da declaração de IR não configura necessariamente um crime tributário. Mas, a pessoa que recebeu o auxílio pode ser questionada pelo Ministério da Cidadania.

“O governo já tem feito isso, tem enviado SMS exigindo a devolução. E chega a ser uma questão de cidadania. Se a pessoa não tinha porque receber, deve devolver o auxílio.”

DEVOLUÇÃO DO AUXÍLIO NO IMPOSTO DE RENDA

Pessoas que tiveram rendimentos tributáveis superior a R$ 22.847,76 em 2020 e receberam parcelas do auxílio emergencial no ano passado terão que preencher a declaração de Imposto de Renda (IR) e devolver o valor da ajuda recebida pelo governo federal. Entenda abaixo:

Quais valores devem ser devolvidos?

A devolução de valores deve ser apenas relativa às parcelas do auxílio emergencial (de R$ 600 ou R$ 1.200). A obrigação não inclui as parcelas da extensão (parcelas de R$ 300 ou R$ 600, no caso de cota dupla).

Como devolver o auxílio recebido indevidamente?

O reembolso ao governo vai ocorrer pela própria declaração. Após finalizar o cadastro de financeiro, o contribuinte emitirá pelo programa uma Darf (documento de arrecadação da Receita Federal) para a devolução das parcelas.

Haverá um Darf para cada CPF que tenha recebido auxílio. "Caso algum dependente informado na declaração também tenha recebido o auxílio emergencial, no recibo haverá um Darf para o titular e um para cada dependente", informou o governo.

Retirar dependentes da declaração dá algum problema?

Para fins tributários, não há problemas excluir da declaração de Imposto de Renda o dependente que tenha recebido o auxílio emergencial indevidamente. A inclusão de dependentes na declaração é opcional.

Mas isso não significa que a exigência de devolução do auxílio deixa de existir. A devolução pelo Darf é uma opção, oferecida pelo governo federal em parceria com a Receita Federal. Mas o o Ministério da Cidadania, que é o responsável pelo auxílio, ainda pode exigir o ressarcimento a quem recebeu o benefício indevidamente.

QUEM NÃO TEM DIREITO AO AUXÍLIO

É considerado indevido o pagamento do auxílio emergencial ao trabalhador que:

  • tinha vínculo de emprego formal ativo;
  • recebia benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, ressalvados o abono-salarial, e os benefícios do Programa Bolsa Família; 
  • tinha renda familiar mensal per capita acima de meio salário-mínimo (R$ 550); seja membro de família que aufira renda mensal total acima de três salários mínimos (R$ 3.300); 
  • seja residente no exterior; 
  • no ano de 2019: tenha recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70; 
  • tinha a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive a terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil; tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil; 
  • tinha sido incluído incluído como dependente no Imposto de Renda 2020 (ano-base 2019), na condição de: cônjuge; companheiro com o qual o contribuinte tenha filho ou com o qual conviva há mais de cinco anos; ou filho ou enteado: (com menos de 21 anos de idade; ou com menos de 24 anos que esteja matriculado em estabelecimento de ensino superior ou de ensino técnico de nível médio);
  • esteja preso em regime fechado ou tenha seu número no CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão;
  • tinha menos de 18 anos de idade, exceto no caso de mães adolescentes; 
  • possua indicativo de óbito nas bases de dados do Governo federal ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte de qualquer natureza; 
  • seja estagiário, residente médico ou residente multiprofissional, beneficiário de bolsas de estudo concedidas por órgão público municipal, estadual, distrital ou federal.

COMO DEVOLVER O AUXÍLIO EMERGENCIAL SEM SER PELO IR?

Caso você tenha recebido o auxílio emergencial de forma indevida e não tenha feito a devolução por meio do Imposto de Renda, é possível fazer a devolução voluntária em um portal específico criado pelo Ministério da Cidadania (clique aqui).

Neste ambiente, você poderá gerar Guia de Recolhimento da União (GRU) para devolução dos valores recebidos indevidamente. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.