ASSINE

ES Gás vai investir R$ 300 milhões para atender mais 96 mil consumidores

Companhia de distribuição, que assinou o contrato nesta quarta (22) e começa a operar em 1° de agosto, tem planos ampliar malha de gás canalizado em quase 300 quilômetros em 10 anos

Publicado em 22/07/2020 às 18h10
Atualizado em 22/07/2020 às 19h06
Unidade do Terminal de Gás de Cacimbas
Unidade do Terminal de Gás de Cacimbas, em Linhares, onde se inicia o gasoduto de transporte "Cacimbas-Catu". Crédito: Gildo Loyola/Arquivo

ES Gás, nova concessionária de distribuição de gás natural no Espírito Santo que assinou o contrato de concessão nesta quarta-feira (22), planeja, para os próximos 10 anos, investimentos da ordem de R$ 300 milhões para ampliar a rede de distribuição no Estado. A empresa, uma sociedade entre o governo do Estado e a BR Distribuidora, começa a operar oficialmente em 1° de agosto.

A meta é construir mais de 292 mil metros de gasodutos de distribuição e ligar mais de 96 mil novos consumidores à rede do gás, que hoje atende a cerca de 60 mil consumidores em apenas 13 municípios capixabas.

projeto inicial será a interligação da rede de distribuição de Linhares ao gasoduto de transporte "Cacimbas-Catu", para ampliar a capacidade de fornecimento ao município de Linhares, atualmente limitada a 30.000 m³/dia. Hoje, a cidade é abastecida através de caminhões de Gás Natural Comprimido (GNC), o que acarreta custos operacionais adicionais relativos à compressão, ao transporte e à descompressão do gás natural.

O investimento, da ordem de R$ 40 milhões, possibilitará aumentar a malha de distribuição por meio da construção de 28km de dutos em aço carbono, com prazo de implantação de aproximadamente 13 meses. A capacidade nominal passará a ser de 200.000 m³/dia e estima-se uma redução da movimentação de quatro carretas totalizando cerca de 140 viagens/mês de ida e volta.

“Com as perspectivas de aumento de consumo, decorrente de novas plantas em fase de implantação no município, a companhia entende que chegou a hora de dotar a rede de Linhares de um sistema de abastecimento por gasoduto, o que suscitará a redução dos custos operacionais atuais”, explicou o diretor presidente da ES Gás, Heber Resende.

Segundo Heber, os projetos da empresa incluem a ampliação da malha de gás para mais bairros nas cidades já atendidas, e também o incremento de novos municípios na rede. Ele não falou possíveis locais, mas explicou que é preciso haver demanda (sobretudo de grandes empresas) e viabilidade técnica.

POPULARIZAÇÃO DO GÁS

A companhia tem planos de popularizar o gás natural no Espírito Santo, de acordo com Heber, não só promovendo uma redução nos preços como também levando a distribuição canalizada a mais consumidores, inclusive de baixa renda.

"O gás natural canalizado é mais barato e mais seguro que o gás de botijão. A gente precisa mudar o paradigma existente para popularizá-lo. Vamos trabalhar intensamente nisso", garantiu.

O contrato de concessão com o governo estipula que a empresa terá que investir R$ 5 milhões para fazer ligações de consumidores de baixa renda na rede de distribuição. São pessoas que, economicamente falando, não seriam viáveis para a empresa, mas que serão alcançadas por esse lado social da concessão.

Hoje, cerca de 95% dos 60 mil consumidores de gás do Estado são residenciais, mas eles consomem em pequena quantidade. As indústrias e os comércios correspondem a 5% em número, mas consomem a grande maioria do gás distribuído no Estado.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.