ASSINE

Lojas de chocolate, material de construção e oficinas poderão reabrir no ES

Casagrande determinou que o comércio continue fechado no Estado até 12 de abril. Novos segmentos foram liberados e serviços essenciais continuam permitidos

Publicado em 02/04/2020 às 18h13
Atualizado em 13/04/2020 às 17h28
Comércio na Avenida Expedito Garcia em Campo Grande: decreto para fechamento de lojas vai até semana que vem
Comércio na Avenida Expedito Garcia em Campo Grande: decreto para fechamento de lojas vai até semana que vem. Crédito: Vitor Jubini

* Atualização: a matéria foi publicada inicialmente às 18h13 de quinta (2) com a informação dada pelo governador na coletiva de imprensa de que as lojas de chocolates poderiam abrir a partir de sábado. O governo emitiu  um boletim às 21h do mesmo dia, dizendo que a medida valeria só a partir de segunda (6), sendo a reportagem atualizada com a informação. Já o decreto publicado nesta sexta (3) fala que a decisão começa a valer imediatamente. A única exceção é para lojas automotivas e de materiais de construção, que podem abrir só a partir de segunda. O texto foi atualizado com a versão final às 15h18 desta sexta.

O governador Renato Casagrande anunciou nesta quinta-feira (2) que vai publicar um novo decreto prorrogando o fechamento do comércio em todo o Espírito Santo, mas com novas flexibilizações. Entram na lista das exceções lojas de material de construção e de serviços automotivos, que poderão abrir com horário reduzido, e comércio de chocolates.

A publicação anterior que proibia a abertura do comércio venceria no sábado (4). Agora, os estabelecimentos comerciais precisarão continuar de portas fechadas até o dia 12 de abril, data do feriado de Páscoa. O decreto foi publicado na edição desta sexta do Diário Oficial do Estado (veja a publicação completa abaixo).

A medida é mais uma para evitar a propagação da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Continua permitida a abertura de estabelecimentos considerados essenciais.

São eles farmácias, supermercados, padarias, alimentação e cuidados com animais, postos de combustível, lojas de conveniência, comércio atacadista, distribuidoras de gás de cozinha e de água e feiras livres.

As lojas de materiais de construção, de venda de peças automotivas e veículos, borracharias, oficinas de reparação de veículos automotores e de bicicletas poderão abrir a partir de segunda, porém apenas das 10h às 16h visando a evitar a lotação do sistema de transporte público, mesmo horário que é válido para restaurantes e lanchonetes (exceto os de beira de rodovias ou no aeroporto, que não possuem restrição de horário).

Por lojas de material de construção, o governo entende como estabelecimentos de venda de ferragens, ferramentas, material elétrico, materiais hidráulicos, tintas, vernizes e matérias para pintura, mármore, granitos e pedras de revestimento, vidros, espelhos e vitrais, madeira e artefatos e cimento, cal, areia, pedra britada, tijolos e telhas.

Decreto 4621-R, que prorroga o prazo de fechamento do comércio no Espírito Santo

LOJAS DE CHOCOLATES

Já as lojas de chocolates também poderão abrir a partir desta sexta, tendo em vista o aumento da demanda em função da Páscoa. Anteriormente, o governador havia dito que seria a partir de sábado. Já o boletim divulgado pelo governo falava que seria na segunda, mas o texto da publicação fala em vigência na data de publicação.

Sobre o desencontro das informações, o governo do Espírito Santo informou, por meio da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), que as lojas de chocolate sempre estiveram liberadas por serem da área de alimentação. "Foram destacadas no decreto para não restar dúvidas, já que estavam ficando fechadas. E no decreto diz que elas podem abrir a partir de hoje (sexta)".

Pelo decreto, as lojas de chocolates não possuem restrição de horário, assim como outros estabelecimentos essenciais, como os supermercados. Chocolaterias de shoppings não poderão abrir.

Comércio durante a pandemia de coronavírus

Em Campo Grande, Cariacica, um comerciante fecha as portas da loja durante a pandemia de Coronavírus. 
Em Campo Grande, Cariacica, um comerciante fecha as portas da loja durante a pandemia de Coronavírus. . Vitor Jubini
Cartaz avisa aos clientes sobre o fechamento da loja no período da pandemia.
Cartaz avisa aos clientes sobre o fechamento da loja no período da pandemia. Vitor Jubini
 Na Praia do Cantos, em Vitória, o aviso de fechamento de um shopping durante a pandemia de coronavírus. 
 Na Praia do Cantos, em Vitória, o aviso de fechamento de um shopping durante a pandemia de coronavírus. . Fernando Madeira
Aviso de fechamento na porta de uma loja em Campo Grande.
Aviso de fechamento na porta de uma loja em Campo Grande. Vitor Jubini
Na Praia do Canto, clientes encontram o shopping fechado.
Na Praia do Canto, clientes encontram o shopping fechado. Fernando Madeira
Vendedor usa máscara, na Avenida Expedito Garcia, em Campo  Grande.
Vendedor usa máscara, na Avenida Expedito Garcia, em Campo  Grande. Vitor Jubini
Durante a pandemia de coronavírus o movimento de clientes nos supermercados cresceu. Muita gente começou a fazer estoque com medo da falta de abastecimento.
Durante a pandemia de coronavírus o movimento de clientes nos supermercados cresceu. Muita gente começou a fazer estoque com medo da falta de abastecimento. Ricardo Medeiros
Os supermercados ficaram lotados
Os supermercados ficaram lotados. Ricardo Medeiros
Durante a pandemia de coronavírus o movimento de clientes nos supermercados cresceu. Ver clientes usando máscaras de proteção se tornou algo comum.
Durante a pandemia de coronavírus o movimento de clientes nos supermercados cresceu. Ver clientes usando máscaras de proteção se tornou algo comum. Ricardo Medeiros
Os clientes do supermercado não evitaram o distanciamento.
Os clientes do supermercado não evitaram o distanciamento. Ricardo Medeiros
 Famoso por ser um local de encontros e muita agitação, o Triângulo das Bermudas, na Praia do Canto, ficou vazio antes mesmo da decretação de fechamento do comércio durante a pandemia de coronavírus. 
 Famoso por ser um local de encontros e muita agitação, o Triângulo das Bermudas, na Praia do Canto, ficou vazio antes mesmo da decretação de fechamento do comércio durante a pandemia de coronavírus. . Vitor Jubini
 Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, o movimento no comércio caiu bastante mesmo antes da decretação do fechamento do comércio durante a pandemia. 
 Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, o movimento no comércio caiu bastante mesmo antes da decretação do fechamento do comércio durante a pandemia. . Vitor Jubini
Na rua Chapot Presvot, pedaço charmoso da Praia do Canto, uma queda grande no movimento foi percebida antes da decretação do fechamento do comércio foi percebido durante a pandemia. 
Na rua Chapot Presvot, pedaço charmoso da Praia do Canto, uma queda grande no movimento foi percebida antes da decretação do fechamento do comércio foi percebido durante a pandemia. . Vitor Jubini
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. . Ricardo medeiros
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 
Na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, a vendedora de braços cruzados comprova a queda do movimento no comércio antes da decretação do fechamento por causa da  pandemia do coronavírus. 

Nesta quarta (1º), o governador já havia prorrogado a duração do decreto que determina o fechamento dos shoppings. Na coletiva de imprensa, ele voltou a defender que as medidas são necessárias para controlar o vírus.

Renato Casagrande

Governador do ES

"O distanciamento social é o remédio para a gente enfrentar a pandemia. O que temos que fazer agora é ter disciplina, com distanciamento entre as pessoas e isolamento de quem está no grupo de risco"

Até o momento, o Espírito Santo contabiliza duas mortes confirmadas por Covid-19, sendo que já registros de transmissão comunitária, quando não é possível rastrear a origem do contágio. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.