ASSINE

Sem rodízio nas escolas, distanciamento entre alunos será reduzido no ES

Protocolo hoje exige distância mínima de 1,5 metro e, a partir do dia 11, voltará a ser de 1,20 metro. Uso de máscara ainda será obrigatório

Vitória
Publicado em 01/10/2021 às 20h52
Volta às aulas nas escolas de nível fundamental - Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Major Alfredo Pedro Rabaioli, no bairro Mário Cypreste, em Vitória
Distanciamento reduz, mas uso de máscara continuará sendo exigido nas escolas. Crédito: Fernando Madeira

As escolas da rede estadual do Espírito Santo não vão mais precisar adotar o rodízio de alunos, uma das normas implementadas como protocolo de segurança contra a Covid-19. Para tanto, o distanciamento nas salas de aula será reduzido, passando de 1,5 metro para 1,20 metro - medida que já era adotada antes da pandemia, conforme orientação do Conselho Estadual de Educação (CEE). 

A mudança passará a valer no próximo dia 11 de outubro e, segundo o secretário estadual da Educação, Vitor de Angelo, somente será possível devido ao atual cenário da pandemia no Espírito Santo, que mantém os indicadores da doença sob controle. 

O rodízio só era adotado nos casos em que o espaço físico das escolas não permitia manter a distância definida pelo protocolo de segurança contra a Covid-19. Assim, as unidades de ensino implementaram o revezamento que, agora, deixará de ser realizado.

O secretário falou que as flexibilizações para a volta à normalidade nas escolas serão adotadas gradativamente. "Agora, vamos reduzir o distanciamento. Em algum momento,  também poderemos tirar as máscaras e, assim, sucessivamente vamos caminhando até o retorno ao normal."

PRESENÇA OBRIGATÓRIA

O secretário ressaltou que a presença dos alunos é obrigatória nas escolas da rede. Somente estarão autorizados à assistir aula remotamente os estudantes que tiverem laudo médico contraindicando a atividade presencial. 

A medida é válida para as escolas estaduais, mas Vitor de Angelo disse que municípios e rede privada também serão orientados a suspender o rodízio. Uma portaria com as normas ainda será publicada. 

O vice-presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Eduardo Gomes, disse que a entidade vai aguardar a publicação do documento para que sejam feitos os encaminhamentos e as orientações às escolas. 

A presidente da União dos Dirigentes Municipais de Ensino do Espírito Santo (Undime-ES), Maria Olímpia Dalvi, disse que foi surpreendida pelo anúncio e que vai reunir os secretários na próxima semana e, após o encontro, se manifestará sobre o assunto.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Espírito Santo Coronavírus no ES Covid-19 Educação espírito santo Escolas Públicas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.