ASSINE

Seis servidores do ES são investigados por facilitar fuga de 21 presos em Xuri

A suspeita é de que cinco inspetores e um chefe de equipe tenham participado da saída dos detentos durante o banho de sol no complexo penitenciário de Vila Velha. Entenda como foi a fuga

Tempo de leitura: 3min
Publicado em 07/12/2021 às 20h01
Complexo Penitenciário no bairro Xuri, em Vila Velha
Complexo Penitenciário no bairro Xuri, em Vila Velha. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

Seis servidores são investigados pela corregedoria da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) por suspeita de envolvimento na fuga de 21 presos na última sexta-feira (3). Os detentos escaparam durante banho de sol na Penitenciária Estadual de Vila Velha I (PEVVI). Seis foram recapturados até o momento.

Nesta terça-feira (7) foram abertos os processos administrativos disciplinares (PAD) contra os servidores, sendo cinco inspetores penitenciários e um chefe de equipe. Também foi instaurado um inquérito policial no 8º Distrito Policial para tentar encontrar os responsáveis pela fuga em massa.

A corregedoria tem prazo de 60 dias para concluir a análise, porém, a mesma portaria que estabelece a abertura dos procedimentos também estende o prazo por mais 60 dias. Com isso, o resultado da investigação administrativa só deve ter uma conclusão daqui a quatro meses (em abril de 2022).

Seis servidores da Sejus serão alvo de PAD
Seis servidores da Sejus serão alvo de PAD. Crédito: Reprodução/DIO-ES

A FUGA: SUSPEITA DE PAGAMENTO DE PROPINA

A Gazeta apurou que a suspeita é de que um dos fugitivos teria pago propina aos servidores para que o grupo tomasse o banho de sol sem supervisão. Assim, uma vez sozinhos na quadra da unidade, eles teriam cortado os dois alambrados e escapado pelo muro.

Ainda segundo fontes, o esquema teria sido preparado para que um dos presos, que financiou a fuga, conseguisse escapar. Inclusive, haveria um carro esperando por ele do lado de fora. Os demais fugitivos foram usados como estratégia para confundir as autoridades e causar tumulto.

Entre os presos que fugiram e ainda não foram recapturados, cinco cumpriam pena pelo crime de homicídio. Também há detentos que respondem por tráfico de drogas e assalto.

O QUE DIZ A SEJUS

Em nota a Sejus confirmou a abertura de procedimento de investigação contra os seis servidores e esclareceu que nenhum deles foi afastado do cargo.

"A Sejus enfatiza que procedimentos de segurança são realizados diariamente para impedir atividades ilícitas nas unidades. As apurações do caso também irão apontar se houve falha no cumprimento dos protocolos de segurança ou alguma ação por má fé. O resultado das apurações, de acordo com a gravidade do ato, pode ocasionar em diversas penalidades, que vão desde advertência, até a perda definitiva do cargo público. A ocorrência da fuga também foi registrada junto à Polícia Civil."

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.