Mulheres puxam ficha criminal de pretendentes antes de começar namoro

O objetivo, segundo elas, é fugir dos relacionamentos abusivos, proteger a si mesmo, familiares e amigos

Publicado em 23/02/2021 às 16h06
Atualizado em 23/02/2021 às 19h20
Com objetivo de fugir de relacionamentos abusivos, mulheres olham até mesmo o registro de antecedentes criminais.
Com objetivo de fugir de relacionamentos abusivos, mulheres olham até mesmo o registro de antecedentes criminais. Crédito: Reprodução: Atestado de antecedentes criminais. Sesp/ES.

Reparar como a pessoa trata a família e os amigos, os posicionamentos nas redes sociais e até os antecedentes criminais. Essas são algumas estratégias cada vez mais utilizadas por mulheres que querem fugir de um relacionamento abusivo quando começam a se envolver com alguém.

O que para uns pode soar com curiosidade excessiva; para elas, trata-se de cuidado. É o caso da psicóloga Clislaine Oliveira, de 27 anos, que começou a pesquisar sobre o histórico das pessoas que se envolvia ao se relacionar com um homem que tinha comportamentos que a deixavam insegura.

Clislaine Oliveira

psicóloga

"Era muita possessividade para o início de um relacionamento. Quando fui ver os antecedentes criminais do rapaz, tinha uma medida protetiva contra ele, que foi requerida por uma ex-namorada. Foi aí que eu cortei o vínculo e não quis me envolver para me proteger. Desde então, sempre procuro saber quem é a pessoa antes de me relacionar e oriento as minhas amigas a fazerem o mesmo"

Quem também é adepta dessa pesquisa sobre os antecedentes é a professora Daniela Souza, de 43 anos. Segundo ela, além de procurar informações pelas redes sociais, também pergunta aos amigos e pessoas próximas a fim de conhecer mais quem está ao seu lado.

“Quando a gente conhece alguém, não está estampado na cara da pessoa quem ela é. Por isso, é preciso ser racional e analisar bem, principalmente no início, quando tudo são flores. Eu procuro saber de familiares e amigos, de forma a não constranger ninguém, como é o tratamento do rapaz com os demais, além de verificar se tem passagens pela polícia ou algum processo na justiça. A gente também procura saber quem são nossos amigos, não é? Por que não com um namorado?”, podera Daniela.

Já com a secretária Neilane Neves de Souza, de 46 anos, o cuidado começou após o término de um relacionamento abusivo que durou cerca de seis anos.

“Durante todos estes anos, vivi coisas que não desejo a ninguém, como diversas traições. Quando tive forças para terminar, meu ex-namorado, que até então era uma boa pessoa, começou a me atormentar, me perseguir, fazia escândalos onde me encontrasse. Foi a partir disso que comecei a pesquisar quem é a pessoa antes de me relacionar. Já deixei de me relacionar com uma pessoa ao saber do seu tratamento violento e perseguidor com uma ex-namorada, por exemplo”, lembra a secretária.

Além de ter como objetivo proteger a si mesmo, as mulheres buscam a proteção dos seus filhos e das pessoas que moram na mesma residência. É o caso da secretária Grazielle Pereira Gonçalves, de 33 anos, que é mãe de três filhos, frutos do seu primeiro casamento. Divorciada há quatro anos, ela não leva ninguém em sua casa sem ter informações sobre a índole da pessoa. 

“Fui criada por padrastos e vi diversas tentativas de agressão contra a minha a mãe e também sofri tentativas de abusos. Não quero que meus filhos passem por isso. Por isso, investigo a vida do homem que me interesso antes de me envolver. Peço ajuda das minhas amigas, procuro saber como é a relação com a família, como foi o término de relacionamentos anteriores, se tem boa índole. Sei que, apesar de tudo isso, a gente pode se enganar, mas fica mais difícil disso acontecer”, comenta.

Violência contra a mulher
Violência contra a mulher. Crédito: Pixabay

"COMPLEXO ENTRAR EM UMA RELAÇÃO DE OLHOS FECHADOS"

Quando o assunto é um novo relacionamento, é preciso pesquisar quem é a outra pessoa para não se envolver com alguém que apresenta um perfil violento. Essa é a orientação da coordenadora de enfrentamento à violência doméstica e familiar do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, juíza Hermínia Azoury.

“Na maioria das vezes, o agressor não se apresenta à mulher com um perfil violento. É preciso, sim, ter essa perspicácia de buscar informações sobre a pessoa que está se envolvendo, além de não admitir oscilações bruscas de humor, como raiva excessiva em um momento e um conquistador apaixonado no outro”, salienta.

Para a juíza, pesquisar os antecedentes criminais é uma forma de buscar informações verdadeiras que encorajam a mulher a sair de um relacionamento fadado ao fracasso. “É um risco muito grande se envolver com alguém que tem uma denúncia de agressão contra si. No início, tudo é muito bom, mas relacionamentos abusivos sempre terminam com algum tipo de violência, seja física, verbal ou psicológica”, detalha.

Para buscar informações de antecedentes criminais, Azoury orienta, no entanto, que é preciso ter, além do nome completo da pessoa, um documento. “No Brasil, existem muitos homônimos, que se diferem com as informações sobre a filiação da pessoa, que é o nome do pai e o nome da mãe”, explica.

COMO CONSULTAR

Tendo um documento, é preciso acessar o site da Polícia Civil, clicar em "atestado de antecedentes criminais" e preencher um formulário com os dados da pessoa consultada. Para mais informações, clique aqui. 

Já no site do Tribunal de Justiça, é possível checar se a pessoa responde a um processo criminal buscando pelo nome. As informações serão ocultadas se o processo estiver em segredo de Justiça.  Para mais informações, basta entrar no site e clicar em "consulta processual".

Mas, atenção, como existem muitos homônimos (pessoas como o mesmo nome), é preciso ter mais informações para conseguir realizar uma busca de maneira correta. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.