ASSINE

Estudo no ES revela que meia dose da Astrazeneca produz anticorpos

Resultado dos primeiros testes aponta que as duas meias doses aplicadas em voluntários no projeto Viana Vacina estimulam a proteção contra a Covid-19 de modo similar à dose padrão

Vitória
Publicado em 04/10/2021 às 21h13
Valéria Valim, entre integrantes da Opas, durante ação do projeto Viana Vacinada
Valéria Valim, entre integrantes da Opas, durante ação do projeto Viana Vacinada. Crédito: Acervo pessoal

O estudo nacional que está sendo desenvolvido no Espírito Santo, denominado Viana Vacinada, apresentou um resultado preliminar bastante animador para os pesquisadores: as duas meias doses da Astrazeneca aplicadas nos voluntários produziram anticorpos contra a Covid-19 de modo semelhante à dose padrão. Outras análises estão sendo feitas para avaliar também a efetividade da dose reduzida (ajustada) no controle de casos da doença. 

A pesquisa envolve 20 mil voluntários de 18 a 49 anos que receberam as meias doses num intervalo de oito semanas, em junho e em agosto, no município de Viana. Logo após a primeira meia dose, o governo do Estado, que contribui com o financiamento do estudo, apontou que 88,3% dos vacinados tinham desenvolvido anticorpos. Agora, o resultado apresentado refere-se às duas aplicações que, conforme as análises, foram capazes de desenvolver a proteção em 99,8% dos participantes.

Após um esquema de imunização completo com duas doses, espera-se que a pessoa esteja protegida 14 dias depois da D2. Apesar do curto tempo de quatro semanas,  a incidência de casos novos de Covid-19 foi semelhante no grupo que recebeu meia dose e dose padrão, segundo apontou Valéria Valim, coordenadora do estudo. 

Médica e pesquisadora, ela disse que novas etapas ainda serão cumpridas na pesquisa, porém os resultados preliminares já são um importante indicativo para as estratégias de enfrentamento à Covid-19. A conclusão será apresentada em dezembro e Valéria Valim observou que, se confirmados os dados, os gestores públicos poderão adotar a meia dose, por exemplo, para  alcançar a imunização da população de maneira mais rápida. 

Valéria Valim contou que a pesquisa já chamou a atenção de cientistas pelo mundo. Recentemente, o estudo foi apresentado em um encontro na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, que discutiu o uso de doses fracionadas de diversas vacinas, e o projeto Viana Vacinada se destacou pelo fato de já estar bastante avançado, com resultados preliminares positivos e expressivo número de participantes. 

Valéria Valim

Médica e coordenadora da pesquisa

"Se os resultados produzirem uma evidência científica, poderão embasar a tomada de decisão pelos governos e pela OMS para um esquema de vacinação em massa com duas meias doses. Em situações de epidemia e escassez de vacina, estudos como esse são de grande relevância"

Os resultados preliminares foram apresentados ao Ministério da Saúde na última sexta-feira (1), demonstrando que a meia dose da Astrazeneca consegue induzir anticorpos neutralizantes (protetores) contra a proteína spike - associada à capacidade de entrada do Sars-Cov-2  (coronavírus) nas células humanas.  

EFEITOS COLATERAIS

Segundo Valéria Valim, os efeitos colaterais observados foram leves, e a frequência geral foi semelhante com meia dose ou dose padrão. No entanto, a duração dos eventos adversos foi menor no grupo que recebeu a dose ajustada. 

Ainda estão em andamento outros testes imunológicos, como a pesquisa de anticorpos neutralizantes por reação em placa (PRNT),  de imunidade celular, biomarcadores, análise exploratória dos subgrupos por extratos de idade e níveis de anticorpos antes da vacina e incidência de casos novos. Estes poderão comprovar a efetividade da meia dose, se for demonstrado o controle das infecções pelo coronavírus. 

O estudo também revelou que, entre as pessoas que já haviam sido infectadas pelo coronavírus, uma dose da vacina se mostrou suficiente para a produção de anticorpos. Valéria Valim reforçou, no entanto, que o resultado é preliminar e que, no momento, toda a população apta a se vacinar deve seguir a recomendação de tomar duas doses para completar o esquema de imunização. 

Em dezembro, o resultado da pesquisa será apresentado em um congresso de infectologia. Os dados também serão submetidos a uma revista científica para avaliação por pares - cientistas da mesma área que revisam as informações e fazem eventuais críticas - antes que possam servir de referência para a adoção de políticas públicas. 

A pesquisa é coordenada pelo Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes da Universidade Federal do Espírito Santo (Hucam/Ufes) em parceria com a Fiocruz, patrocinado pelo Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi) da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), com o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e do Ministério da Saúde.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.