ASSINE

Secretário de Saúde do ES defende vacina Coronavac para crianças

Nésio Fernandes cobrou proatividade do Ministério da Saúde para auxiliar no desenvolvimento de estudos da vacina do Butantan para o público infantil

Publicado em 03/10/2021 às 16h26
Renato Casagrande, Nésio Fernandes e Rogélio Pegoretti realizaram coletiva de imprensa no Palácio Anchieta nesta segunda-feira (1)
Nésio Fernandes, secretário de saúde do ES. Crédito: Fernando Madeira

O secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, defendeu a continuidade dos estudos para uso da vacina Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan, para autorização da aplicação em crianças. O público de 0 a 11 anos é o único no Brasil que ainda não tem vacina contra a Covid-19 liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em publicação nas redes sociais, Nésio questionou a passividade do Ministério da Saúde para auxiliar nos estudos para subsidiar o uso de vacinas no público infantil e cobrou mais proatividade do governo federal nessa empreitada para acelerar a imunização. O Espírito Santo, aliás, já se ofereceu para ajudar nesses testes.

O Butatan chegou a fazer os primeiros estudos para verificar a segurança e proteção da Coronavac no público pediátrico e submeter à Anvisa, mas a agência disse que era necessário o envio de mais documentos. Desde então, a liberação tem caminhado a passos lentos.

Ainda assim, a Coronavac é a vacina mais perto de ser liberada para crianças no país, uma vez que é a única que já teve o pedido de autorização feito junto a Anvisa.

Diante desse cenário, o secretário afirmou que "não podemos ser expectantes, adotando postura passiva, esperando o 'fabricante apresentar documentos'", numa cobrança ao Ministério da Saúde — que não tem intenção de comprar novas doses de Coronavac para o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Nésio destacou que a Coronavac é produzida no Brasil e uma vacina segura e eficaz, sendo inclusive utilizada em crianças em outros países.

Nésio Fernandes

Secretário de Saúde do ES

"É praticamente um consenso na comunidade científica que plataformas de vírus inativado sejam seguras e que podem ter preferência para idades pediátricas. A Coronavac de produção brasileira, vacina segura e eficaz, já é utilizada em crianças em diversos países"

O secretário afirmou que a proatividade em apoiar os estudos salvará as crianças da Covid-19, mas que a passividade só serve "para alimentar narrativa política no contexto da polarização."

Ao defender a vacina brasileira, Nésio lembrou que ela tem custo inferior a Pfizer e afirmou que o país "deve caminhar para soberania/independência tecnológica e produtiva de vacinas."

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.