ASSINE

Espírito Santo acerta ao abrir suas portas para pacientes de outros Estados

Cada alta registrada entre os pacientes de Covid-19 do Amazonas e de Rondônia mostra a importância dessa cooperação. Estado agora recebe mais 15 de Santa Catarina

Publicado em 03/03/2021 às 02h00
Covid-19
Primeiro paciente vindo de Rondônia que chegou ao Estado em 7 de fevereiro. O paciente foi transferido para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves. Crédito: Helio Filho/Secom ES

transferência de 15 pacientes de Santa Catarina para o Espírito Santo é o terceiro ato de solidariedade federativa que os capixabas testemunham desde janeiro. O Estado já havia recebido 36 pessoas do Amazonas e outras 30 de Rondônia, sendo que já houve a desocupação de mais da metade desses leitos.

Houve perdas e houve cura, como é característico desta doença que ainda está sendo desbravada, a Covid-19. Mas não houve omissão, e essa tem sido a marca do enfrentamento da pandemia no Espírito Santo. Um alento não só para quem habita este Estado, como para aqueles que têm encontrado aqui a chance de sobrevivência.

Mesmo diante do recrudescimento da pandemia no país, a própria experiência recente de acolhimento desses pacientes no sistema estadual mostra que os riscos à saúde pública são muito menores do que os benefícios humanitários. O Espírito Santo colhe os frutos da boa gestão na pandemia da melhor forma possível, com capacidade de gerenciar esforços para salvar vidas de brasileiros em desamparo.

A decisão de receber quem é vítima do colapso do sistema de saúde onde vive  é responsável. O Espírito Santo, no cenário pandêmico atual, é realista: há a expectativa de uma terceira onda, já mapeada pelo próprio secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, mas o momento é de encarar as urgências.

Pelo menos 17 entes federativos passam por dificuldades extremas, com falta de leitos de UTI para a sua própria população. Enquanto, no Espírito Santo, o índice de ocupação circunda os 75%. Não é uma situação confortável, mas permite que se estenda a mão durante o agravamento nacional da crise sanitária. 

Mesmo que a falta de uma coordenação nacional torne o trabalho dos governos estaduais exaustivo, como desabafou o governador Renato Casagrande na segunda-feira (1º), o Estado, há quase um ano, tem adotado estratégias de enfrentamento da pandemia equilibradas.

O corpo técnico da Saúde no Espírito Santo monitora cenários e se antecipa aos riscos, fazendo o devido gerenciamento dos recursos humanos e da infraestrutura hospitalar. É essa racionalidade na gestão e a própria expertise adquirida que, hoje, permitem que o Espírito Santo abra as portas para os pacientes de fora.

E é importante ressaltar que o governador também acaba de anunciar a abertura de mais 158 novas vagas para Covid-19 até abril, ampliando a margem de manobra dos leitos disponíveis. Nesta pandemia, as perspectivas se norteiam por estatísticas e desenhos de cenários baseados no comportamento social. Ao mesmo tempo que se prevê uma terceira onda, trabalha-se também com a expectativa da efetividade das vacinas aplicadas na população idosa nesta primeira etapa, o que tem potencial de reduzir o impacto sobre o sistema de saúde. Contudo, não há escapatória: distanciamento social e uso de máscaras continuam sendo mandatórios. Comportamentos preventivos permanecem na ordem do dia.

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) informou a situação dos pacientes que vieram receber tratamento no Espírito Santo. Do Amazonas, um permanece na UTI e outro na enfermaria do Hospital Jayme Santos Neves, na Serra, enquanto 26 receberam alta e oito faleceram. De Rondônia, 14 estão na UTI, sete em enfermaria, seis já foram liberados e seis morreram.

As perdas são lamentáveis, como a de cada um dos mais de 250 mil brasileiros mortos nesta pandemia. Mas cada alta registrada mostra a força dessa cooperação. É a certeza de que o governo estadual acerta ao receber os forasteiros, brasileiros como todos os capixabas. E a demonstração, nas atitudes e não no discurso vazio, de como funciona uma verdadeira nação.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.