ASSINE

AstraZeneca testa remédio que pode impedir sintomas da Covid-19

O medicamento envolveria uma combinação de anticorpos de longa ação e seria capaz de impedir que uma pessoa venha a ter os sintomas de uma infecção de Covid-19 por até 12 meses, segundo o jornal britânico The Guardian

Publicado em 26/12/2020 às 10h15
Atualizado em 26/12/2020 às 10h16
AstraZeneca está no estágio final de desenvolvimento de uma vacina considerada líder contra a Covid-19
AstraZeneca, que já desenvolve vacina contra a Covid, também estuda medicamento de combate ao vírus. Crédito: Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress

Uma nova droga que pode prevenir os sintomas de uma infecção gerada pelo novo coronavírus é estudada e testada por cientistas britânicos da farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Londres. A informação foi publicada nesta sexta-feira (25) pelo jornal britânico The Guardian.

De acordo com a publicação, o medicamento, batizado de AZD7442, envolve uma combinação de anticorpos de longa ação e pode impedir que alguém exposto ao coronavírus desenvolva a doença Covid-19 e os sintomas por ela provocados.

Os estudos apontam que  após uma pessoa consumir o remédio em até oito dias após a exposição ao vírus, seria possível impedir que o paciente tenha os sintomas da infecção de Covid-19 por até 12 meses.

Este vídeo pode te interessar

Segundo o The Guardian, a droga, em vez de anticorpos produzidos pelo organismo para combater a infecção, usa anticorpos monoclonais (produzidos por um único clone) criados em laboratório. Por meio de sua atuação, de acordo com os estudos, seria possível prover uma imunidade instantânea contra a doença.

Dessa forma, o medicamento futuramente seria administrado como um modo de tratamento emergencial para conter surtos da doença, em locais como hospitais e asilos.

A partir do novo medicamento, também seria possível conter o número de mortes e complicações causadas pelo novo coronavírus, enquanto não há vacinas para imunizar toda a população contra a doença.

A reportagem revelou que, até o momento, os testes do novo medicamento foram feitos na Universidade College de Londres, em outros hospitais e em uma rede de 100 lugares em todo o mundo.

Na Capital inglesa, segundo o jornal, o remédio é aplicado em voluntários e participantes dos testes por meio de coquetéis da droga.  Os participantes do ensaio estão recebendo em duas doses, uma após a outra.

De acordo com a AstraZeneca, um registro de testes nos Estados Unidos já foi realizado pela empresa. Caso tenha a aprovação liberada pelas agências reguladoras de medicamentos, depois de ter os estudos revisados, a droga poderá ir para a etapa de produção até março ou abril de 2021. 

Além do medicamento, a AstraZeneca também desenvolve uma vacina contra o coronavírus, mas neste caso em parceria com a Universidade de Oxford.

Com informações do The Guardian

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Coronavírus Covid-19 medicina Reino Unido

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.