Família estava indo buscar Erica no dia em que foi encontrada morta em Guaçuí

Erica de Jesus Bonometti denunciou o ex-marido à polícia um dia antes de ser assassinada. Ele é o principal suspeito

Cachoeiro
Publicado em 19/12/2020 às 19h00
Erica de Jesus Bonometti tinha denunciado o ex-marido na delegacia um dia antes de ser encontrada morta. Ele é o principal suspeito.
Erica era da região Norte do Espírito Santo, do município de São Mateus. Crédito: Arquivo Pessoal

A família de Erica de Jesus Bonometti estava a caminho de Guaçuí, no Caparaó Capixaba, quando recebeu a notícia de que ela havia sido encontrada morta, na última terça-feira (15). Eles iriam levá-la para São Mateus, cidade da família, devido às ameaças feitas pelo ex-marido, Manoel Victor Almeida da Silva. Ele é o principal acusado de ter matado Erica e está foragido.

As informações são de um familiar da vítima, que prefere não se identificar. “Um membro da família estava indo buscar ela. Mas não chegou a tempo. Estava no caminho e o policial ligou informando o fato ocorrido.”

O familiar informou ainda que Erica tinha sofrido violência física e ameaças de morte, inclusive na frente dos dois filhos, de 6 e 7 anos, e, por isso, foi à delegacia de Guaçuí duas vezes, antes de ser encontrada morta, para registrar boletim de ocorrência.

“Um dia antes de ele assassinar ela, ele foi até o apartamento dela e arrombou a porta. Deu um soco na boca dela e a ameaçou. Disse que iria matá-la. As crianças assistiram toda a cena. Eles falavam: 'Para, pai', e ele mandava calar a boca e ir para o quarto. Nesse dia, que foi segunda-feira (14), ela registrou o boletim de ocorrência, às 21h54, mas nada fizeram e mandaram ela voltar no outro dia às 9h e, quando chegou lá, mandaram retornar às 13h, mas aí já estava morta, né?! Infelizmente, não teve como entrar com o pedido da medida protetiva, pois antes disso ele tirou a vida dela”, contou o parente.

Sobre as idas de Erica à delegacia, a Polícia Civil informou que, na noite anterior ao crime, a vítima buscou atendimento na 2ª Companhia do 3° Batalhão da Polícia Militar, onde um boletim de ocorrência foi registrado pela PM.

Na ocasião, não há registro de que a vítima tenha se encaminhado à Delegacia de Polícia de Guaçuí nem na mesma data, nem na manhã do dia posterior, afirmou a Polícia Civil. Já a Polícia Militar disse que, aos finais de semana, tem acesso, somente, às ocorrências do plantão vigente e que na próxima segunda-feira (21), deve verificar o ocorrido.

Erica foi encontrada morta às margens de uma estrada na zona rural de Guaçuí e a família disse que ela estava com o rosto totalmente desfigurado. No atestado de óbito, consta: hemorragia cerebral – trauma crânio encefálico, mas ainda não sabem como ela morreu.

“Estamos aguardando o resultado da perícia. Não sabemos ainda o que ele usou. Estamos todos abalados. Chocados com tudo isso. O rosto dela ficou todo desfigurado. Irreconhecível. Queremos justiça. Muito angustiante para a família”, disse uma pessoa próxima à vítima.

Erica de Jesus Bonometti tinha denunciado o ex-marido na delegacia um dia antes de ser encontrada morta. Ele é o principal suspeito.
De acordo com a família, Erica era uma pessoa alegre, protetora dos filhos, amava estudar e sonhava em passar no concurso da Polícia Federal. Crédito: Arquivo Pessoal

QUERIA SER POLICIAL FEDERAL

De acordo com a família, Erica era uma pessoa alegre, protetora dos filhos, amava estudar e sonhava em passar no concurso da Polícia Federal.

“Ela era querida por todos. Uma mãe amiga. Ela dizia que os filhos eram os seus tesouros. Ela gostava muito de estudar, porém não tinha condições financeiras para realizar todos seus estudos. Tentou por duas vezes fazer a prova para o concurso da Polícia Federal.”

O RELACIONAMENTO DUROU 9 ANOS

Erica era da região Norte do Espírito Santo, do município de São Mateus, e estava com Manoel Victor havia nove anos. Eles tinham dois filhos, se conheceram quando ela morava em Ibatiba, também no Caparaó.

Como já havia se separado e vinha sofrendo ameaças, a vítima iria voltar para a sua cidade. Ela foi sepultada em Nativo de Barra Nova, zona rural de São Mateus e a guarda dos dois filhos será definida pela Justiça.

Erica e Manoel Victor
Erica e Manoel Victor. Crédito: Redes sociais

O CASO

Erica foi encontrada morta na tarde de terça-feira (15) na estrada de São Romão, zona rural de Guaçuí, no Caparaó Capixaba. Segundo a Polícia Militar, Manoel Victor Almeida da Silva encontrou a vítima vindo de Dores do Rio Preto com uma amiga, que dirigia o veículo.

Para conseguir alcançar a ex-mulher, ele colidiu com o carro, a tirou à força e obrigou que ela fosse para o carro dele. Momento depois, os policiais encontraram Erica morta na estrada rural em direção a São Romão.

SUSPEITO ESTÁ FORAGIDO

Manoel Victor está foragido. A Polícia Civil informou que a Delegacia de Polícia de Guaçuí identificou o ex-marido da vítima como principal suspeito de autoria do crime e o delegado responsável pelo caso representou pela prisão preventiva do suspeito. O mandado de prisão foi expedido na sexta-feira (18) pelo poder Judiciário.

O carro que Manoel Victor usava na hora e no qual obrigou Erica a seguir viagem com ele foi apreendido, mas ele não foi localizado. A Polícia Civil disse ainda que as buscas estão em andamento, com o apoio da Polícia Militar, com o objetivo de localizá-lo.

181

A Polícia Civil destaca que a população tem um papel importante e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.