ASSINE
Paloma Cristina de Oliveira Pereira foi morta no sul do Estado
Paloma Cristina de Oliveira Pereira foi morta no sul do Estado. Crédito: Rede social/Arte Geraldo Neto

Há 2 meses separada, Paloma sonhava em montar casa para viver com filhos

Paloma Cristina Pereira, de 28 anos, morta a facadas pelo ex-marido que não aceitava o fim do relacionamento, deixa três filhos

Publicado em 10/12/2020 às 13h19

Paloma Cristina de Oliveira Pereira, de 28 anos, era a filha caçula de uma família de três irmãos que saíram do Rio de Janeiro ainda crianças com os pais, para morar no interior de Ibatiba, Região do Caparaó no Espírito Santo. A jovem tinha três filhos e sonhava em montar sua casa para morar em paz com as crianças, longe da violência. 

Irmão mais velho de Paloma, Rodrigo Cassimiro de Oliveira, de 36 anos, conta que a irmã ainda criança veio morar no Espírito Santo, mas no início da adolescência voltou a residir no Rio de Janeiro. “Nesta época, por volta dos 14 anos, conheceu Fabiano. Decidiram morar juntos por lá um tempo. Ele já era ciumento e chegou a brigar com um ex de Paloma, ameaçando o homem com faca”, relata. 

Depois que deixou o Rio de Janeiro, o casal foi morar em Criciúma, localidade de Ibatiba, com as crianças. 

Rodrigo Cassimiro de Oliveira

Irmão da vítima

"Fabiano era um cara frio, calmo, fechado. Eles tinham brigas, chegou a agredir minha irmã e quase agrediu minha mãe também. Depois disso, Paloma foi morar com a mamãe, mas ele vivia perturbando e eles reataram. Eu brigava com ela, para dar um basta nisso"

Há dois meses, finalmente, a lavradora colocou fim à relação com Fabiano. "Nesses dois meses, que estava separada, sonhava em montar a casinha dela para morar tranquila com as crianças, sem violência", conta Rodrigo. 

Recentemente Paloma também conseguiu um trabalho como auxiliar no transporte escolar, mas, por conta da pandemia do novo coronavírus, o trabalho foi suspenso e estava recebendo auxílio emergencial. “Montei um churrasquinho no bar, fazia algumas coisas para sempre incluir ela e oferecer um trabalho", acrescenta o irmão.

No dia do crime, Rodrigo lembra que Paloma estava feliz. Havia saído pela primeira vez com um rapaz. Com ele, chegou a passar pelo bar de Rodrigo, na localidade de Santa Clara, dançou e brincou com amigas que estavam no comércio do irmão. Mas logo depois teve os sonhos e a vida interrompidos pelo ex-marido.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.