"Até quando?": Leitores cobram ações eficazes para combater feminicídios

Assassinato da jovem Luana Demonier no bairro Vila Capixaba, em Cariacica, na terça-feira (9), supostamente cometido por um ex-namorado da vítima, levantou debate sobre medidas protetivas

Publicado em 10/02/2021 às 14h00
Luana Demonier foi morta quando voltava do trabalho
Luana Demonier foi morta quando voltava do trabalho em Caricacica, na terça-feira (9). Crédito: Reprodução/Instagram

Após o assassinato da jovem Luana Demonier no bairro Vila Capixaba, em Cariacica, na terça-feira (9), leitores manifestaram-se nas redes sociais de A Gazeta sobre a brutalidade do crime e cobraram ações mais efetivas para coibir os feminicídios. A moça de 25 anos doi morta a facadas quando voltava do trabalho, e o principal suspeito do crime é um ex-namorado da vítima, Rodrigo Pires Rosa, que já teria ameaçado e perseguido a vítima outras vezes.

Luana tinha uma medida protetiva contra o ex, o que não impediu o crime.  O suspeito já tinha mandados de prisão em aberto por agressão a uma outra mulher. Na decisão que decretou a prisão de Rodrigo, a juíza Eliana Ferrari Siviero citou que ele descumpriu medidas protetivas que foram concedidas a favor de uma mulher que chegou a ser ameaçada com faca por ele.

Pelo menos cinco mulheres já procuraram a Polícia Civil para relatar que receberam ameaças de Rodrigo. Em um desses episódios, Rodrigo foi flagrado por uma câmera correndo atrás de uma outra ex-companheira com uma faca.

Confira alguns comentários dos leitores sobre a tragédia:

Se havia mandado de prisão, então por que o Estado não cumpriu? O Estado falhou em proteger sua cidadã, porque segurança é dever do Estado, está no Art. 5º da Constituição. (Thiago Silva)

Medida protetiva serve para quê? O cara ceifou a vida da moça como se estivesse trocando de roupa, com naturalidade e sem qualquer receio da polícia ou da medida protetiva. Escolheu um dia, mandou um torpedo avisando que mataria, foi na esquina e matou. E a medida protetiva, o que fez? O que vai fazer? Nada! Se condenado, ficará alguns anos na prisão se esforçando para mostrar que o sistema penitenciário o regenerou, sua pena será reduzida e logo estará circulando na sociedade. Nesse meio tempo, a moça já terá virado pó para o Judiciário, outras medidas protetivas terão sido executadas tanto no papel quanto na maldade de algum desequilibrado que já conhece o final da história. (Iracélia Rossi Ribeiro)

Até quando as mulheres vão morrer na mão de homens que não aceitam o fim de um relacionamento? Essa medida protetiva não serve de nada. (Sandra Buger)

Muitas pessoas criticando a medida protetiva. A medida é uma maneira de impedir que o acusado se aproxime da vítima, caso isso ocorra e ela perceba, ela pode acionar a polícia para contê-lo. O problema é que muitos não respeitam a lei. Infelizmente existem muitas mulheres nesta situação, mas não tem como resguardá-las 24 horas. Triste realidade. (Kátia do Júnior)

Se o cara tinha mandados de prisão contra ele, onde estava o Estado? O Estado é um dos responsáveis, por omissão, em não prender o indivíduo. Cabe um processo contra o Estado? Não sei. Porém se processar e a família ganhar, que seja uma indenização por 60 anos, uma estimativa do tempo de vida da moça, para que sirva de exemplo para não acontecer com outras. (Ismael Cabral)

Infelizmente é esse o resultado da medida protetiva, um pedaço de papel que parece aguçar ainda mais a vontade de matar desses malditos!! As autoridades dizem para as mulheres não se omitirem e denunciarem, mas do que adianta se o Estado não tem uma ação concreta eficaz para protegê-las. (Stenio Almeida)

Passei por isso recentemente. Eles fazem chacota com a cara de quem vai atrás de ajuda. Fui muito bem atendida na delegacia de plantão 24 horas em Vitória, mas na da Serra atendimento zero. Tenho uma medida desde 2015, medida essa que estava sendo descumprida com ligações e mensagens. Fui novamente à delegacia, pois aquilo já estava me incomodando, já que não conhecemos o coração das pessoas. Mas, segundo a escrivã, mensagens e ligações não são descumprimento de medida. Olha, respirei fundo, me subiu uma raiva tão grande. (Lolinha Silva Ramos)

É um absurdo que existam homens que se julgam proprietários e donos do destino e vida de "suas mulheres". Ninguém é proprietário da vida do outrem. (Sebastião Assunção Ribeiro)

Caso isolado nº 86.738.680. (Raoni Brumana)

O Brasil devia inventar alguma coisa de verdade para proteger as mulheres. Muito triste isso. (Cirlene Tragel)

Quando alguém ameaça matar, infelizmente, pode acontecer mesmo. Se puderem, fujam para um lugar em outro Estado e não diga pra ninguém, porque a Justiça é morosa e muitas vezes machista. (Emilia Carreiro Ribeiro)

Meu Deus, todos os dias mulheres perdem a vida por seres desumanos. (Brenda Vieira)

Parem de nos matar!!! Somos livres, não propriedade particular de quem quer que seja. (Ligia Pimentel)

Cara, isso já tá virando rotina. Não podemos ficar calados, temos que dar um grito de socorro para ver se essa Justiça acorda. Estão mutilando, massacrando as mulheres. Alguma coisa tem que ter feita, tem que parar esses psicopatas. (Douglas Araújo)

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.