ASSINE

Suspeito de matar ex-namorada em Cariacica se entrega à polícia

Rodrigo Pires Rosa é apontado como o responsável pela morte da jovem Luana Demonier, na noite desta terça-feira (9); ele já foi levado para o DHPP de Vitória

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 10/02/2021 às 13h53
Atualizado em 10/02/2021 às 17h43
Ele é suspeito de agredir três mulheres
Há mandados de prisão em aberto contra Rodrigo Pires Rosa, também conhecido como Manjuba ou Rodriguinho. Crédito: Reprodução/ TV Gazeta

Indiciado por assassinar a jovem Luana Demonier, Rodrigo Pires Rosa se entregou na Delegacia de Polícia da Praia do Canto no início da tarde desta quarta-feira (10) e foi levado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vitória, por volta das 13h10 por agentes da Polícia Civil.

Titular da Delegacia de Homicídio e Proteção à Mulher (DHPM), a delegada Rafaella Aguiar afirmou que ele confessou o crime, mas disse não se lembrar do que aconteceu após desferir a primeira facada. À frente do caso, ela acredita que o crime foi premeditado e revelou que a jovem teve 19 perfurações pelo corpo.

Rafaella Aguiar

Delegada da DHPM

"Ele pegou a faca depois do almoço e entrou no mesmo ônibus da vítima. Ele já sabia a rotina, então acredito que ele premeditou. Até porque não teve uma discussão para ele ter agido por raiva do momento"

Ainda de acordo com a delegada, ele conversava "amigavelmente" com Luana, instantes antes de retirar a faca debaixo da roupa, sem que a jovem de 25 anos percebesse. O Rodrigo Pires Rosa foi preso em flagrante e autuado por homicídio duplamente qualificado: por impossibilidade de defesa da vítima e por feminicídio.

Por telefone, o pai da vítima afirmou, à reportagem de A Gazeta, ter ficado mais tranquilo com o ex-companheiro da filha detido. "Fico mais confortável com ele preso. Espero agora que a Justiça funcione. O que ele fez com a minha filha não pode ser feito com a vida de outra pessoa", declarou o microempresário Adilson Nunes.

Luana Demonier foi morta quando voltava do trabalho
Luana Demonier era técnica de segurança do trabalho e já estava na rua de casa quando foi morta a facadas. Crédito: Reprodução/Instagram

Além de ser indiciado por esse assassinato, Rodrigo Pires Rosa já era alvo de investigações da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) da cidade desde 2015. Ele também possuía mandados de prisão em aberto e responde por oito inquéritos policiais relacionados à violência doméstica.

Em um desses episódios, Rodrigo foi flagrado por uma câmera correndo atrás de uma outra ex-companheira com uma faca. Em 30 de julho do ano passado, ele foi preso em flagrante pelo crime de ameaça e encaminhado ao Centro de Triagem de Viana, mas ganhou liberdade no dia 3 de setembro.

Ele ainda era um dos alvos na última edição da Operação Maria’s, realizada em dezembro de 2020, mas não foi localizado na ocasião. Em janeiro, novas diligências foram realizadas, mas ele também não foi encontrado. Após tomar conhecimento da ordem de prisão, o investigado teria passado a viver em condição de andarilho, sem endereço fixo, o que dificultava a localização.

O CRIME: 15 FACADAS NA VOLTA DO TRABALHO

Luana Demonier foi morta a facadas no bairro Vila Capixaba, em Cariacica, enquanto voltava para casa, por volta das 19h dessa terça-feira (9). Ela e o Rodrigo mantiveram um relacionamento por um ano e tiveram uma filha que faleceu aos cinco meses de idade, de parada cardiorrespiratória. Segundo a família, o suspeito abandonou as duas assim que a menina nasceu.

Pouco antes, ainda pela manhã, o suspeito teria entrado no mesmo ônibus em que a vítima estava e começou a falar, em voz alta, da morte da criança. Segundo a família, outros passageiros entenderam a postura como uma ameaça. Os parentes de Luana também contaram que ele já tinha ameaçado a ex-namorada em outras ocasiões.

De acordo com a Polícia Civil, a jovem tinha uma medida protetiva contra o suspeito. Enquanto voltava para a casa, ela recebeu uma mensagem do ex-companheiro, que afirmava que iria matá-la. Ao chegar na rua onde morava, no bairro Vila Capixaba, a vítima foi surpreendida por ele e levou cerca de 15 facadas. Luana morreu no próprio local.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.